inova.jor

inova.jor

Você está preparado para viver numa casa conectada?

A casa conectada deve tornar-se acessível para a maior parte dos cidadãos em pouco tempo / Renato Cruz/inova.jor
A casa conectada deve tornar-se acessível para a maior parte dos cidadãos em pouco tempo / Renato Cruz/inova.jor

A internet das coisas (IoT, na sigla em inglês) já não é apenas uma promessa para o futuro, mas uma realidade no presente.

Apesar de ainda restrita por conta dos altos preços de alguns gadgets, muitos dos itens e tecnologias empregados devem tornar-se acessíveis para a maior parte dos cidadãos em pouco tempo.

Para entender como isso vai acontecer, precisamos retornar ao conceito. IoT nada mais é do que a inteligência aplicada a objetos e sistemas.

Num mundo em que tudo que é smart é reconhecido como bom e eficiente, esse é o conceito que vai conectar tudo aquilo capaz de tornar sua vida mais simples e fácil no dia a dia, seja em casa, na rua, no trabalho ou num momento de lazer.

Muito em breve, grande parte dos objetos nos nossos lares serão tão funcionais e autossuficientes quanto são hoje nossos smartphones.

Eles serão capazes de identificar padrões de comportamento e preferência, processar informações e executar tarefas de modo automático e independente dos seus comandos.

Pode parecer a casa dos Jetsons, mas objetos como portas que se abrem quando o carro está chegando em casa, máquinas de lavar roupas controladas pelo celular, ar condicionado que equilibra a temperatura da casa antes mesmo de o dono chegar, cortinas que abrem ou fecham de acordo com a luz natural do ambiente, interruptores controláveis de forma remota, já são tecnologias reais e a um passo da popularização.

Assistentes de voz

Casa conectada: Marcello Liviero, da TP-Link / Divulgação
Marcello Liviero, da TP-Link / Divulgação

Um pouco mais próximos da popularização estão os assistentes digitais comandados por voz. Eles funcionam de forma semelhante aos assistentes de celulares, como a Siri do iPhone, mas são capazes de auxiliar nas tarefas domésticas, como atualizar a lista de supermercado, tocar música, ligar e desligar aparelhos da casa e telefonar alguém.

Entre as marcas que desenvolveram aparelhos deste tipo estão gigantes da indústria, como Amazon e Google.

Além da comodidade e da praticidade, a IoT também traz para o consumidor redução de custos, e para a sociedade um melhor uso de recursos naturais.

Veja por exemplo o caso das lâmpadas inteligentes. Comandas por aplicativos de celular elas não só mudam de cor e intensidade, mas também podem ser programas para apagar e acender em horários pré-determinados ou até serem ligadas e desligadas a distância, o que certamente implica em redução nos gastos com energia elétrica e na economia de recursos para produzi-la.

Segurança e privacidade

Mas nem tudo são flores, e todo esse avanço traz problemas que não podem ser menosprezados, sobretudo quando o assunto é segurança e privacidade.

Babás eletrônicas podem ser hackeadas, funcionando como streaming ao vivo. Câmeras conectadas podem guardar informações valiosas sobre seus hábitos e rotinas.

Nos próximos anos, o mercado brasileiro deve receber um grande número de dispositivos da internet das coisas. Hoje, resumidas a alguns modelos de lâmpadas, aspiradores de pó e mesmo geladeiras inteligentes, as opções nacionais são caras e pouco viáveis.

Mas, para nos adaptarmos a essa nova realidade, além de aprender a operar esses itens, é preciso pensar na segurança necessária para colocá-los nos nossos lares.

E todo esse processo passa também pelo empenho da indústria em criar facilidades, mas também em educar o consumidor para que entenda os recursos disponíveis, como utilizá-los e como sentir-se parte dessa nova realidade, oferecendo suporte online e, quase sempre, em tempo real.

Já existe até um termo para definir o sentimento de não adaptação às mudanças tecnológicas. Digital darwinism é a expressão usado para definir o comportamento social diante da rapidez das mudanças tecnológicas e inovações, sobretudo no que diz respeito à capacidade de adaptação.

Esse processo de adaptação e imersão é muito importante para que o usuário não se sinta à margem da inovação, como acontece ainda hoje com gerações anteriores diante de smartphones e smart TVs.

Com tudo mudando cada vez mais rápido, é preciso cuidado para que o consumidor tenha tempo de assimilar os novos itens, tirando o melhor de cada tecnologia.

E você, já está se preparando para viver em uma casa conectada?

  • Marcello Liviero é diretor comercial da TP-Link no Brasil

Comentários

comentários

Publicações relacionadas

Paulo Ferreira, do GPA, e Marcos Nehme, da RSA, conversam sobre segurança digital no varejo no Start Eldorado / Divulgação

Start Eldorado: Como garantir a segurança digital no varejo

A integração de operações físicas e online reforça a importância da segurança digital no varejo. Na quarta-feira (4/7), participaram do programa Start Eldorado Paulo Ferreira, coordenador de Segurança da Informação do GPA, e Marcos Nehme, diretor da Divisão Técnica na América Latina da RSA. Você pode ouvir o programa abaixo:[…]

Leia mais »
Internet: Interfaces de voz, como o Echo, da Amazon, é uma das principais tendências / Rob Albright/Creative Commons

Quando as máquinas aprendem a conversar de verdade

Máquinas que entendem comandos de voz já viraram lugar comum, mas os sistemas de inteligência artificial ainda não são capazes de participar de uma conversa de verdade, como o C-3PO, de Star Wars (ou o HAL 9000, de 2001, para dar um exemplo não tão benigno). A Amazon quer mudar isso, e[…]

Leia mais »

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *