inova.jor

inova.jor

Boehringer Ingelheim oferece moléculas a pesquisadores

A Boehringer Ingelheim quer acelerar a pesquisa científica para descoberta de novos medicamentos e tratamentos / Skolkovo Foundation
A Boehringer Ingelheim quer acelerar a descoberta de novos medicamentos e tratamentos / Skolkovo Foundation

A Boehringer Ingelheim lançou a plataforma opnME.com, em que oferece acesso a moléculas pré-clínicas para cientistas ao redor do mundo.

A iniciativa de inovação aberta tem por objetivo acelerar a pesquisa científica para descoberta de novos medicamentos e tratamentos.

As moléculas disponíveis na plataforma são divididas em dois grupos:

  • A maior parte não necessita de discussões sobre propriedade, e estão disponíveis a partir de um simples sistema de compras online.
  • Para algumas moléculas, há a opção de crowdsourcing, com pesquisa compartilhada. Nesse caso, o cientista envia seu projeto de pesquisa que, caso seja aprovado, será desenvolvido com participação de cientistas da Boehringer.

Inovação aberta

Outras iniciativas de inovação aberta da Boehringer são:

  • o Research Beyond Borders (Pesquisa Sem Fronteiras), projeto em que a empresa estabelece parcerias globais em pesquisas e tecnologias emergentes, e
  • o Fundo de Risco Boehringer Ingelheim.

Sediada na Alemanha, a Boehringer Ingelheim está entre as 20 principais farmacêuticas do mundo. No Brasil, tem escritórios em São Paulo e Campinas e fábricas em Itapecerica da Serra e Paulínia.

Comentários

comentários

Publicações relacionadas

O jornalista Renato Cruz entrevista Luis Minoru, vice-presidente da TIM Brasil, e Caroline Vilhena, cofundadora da Deargrand, durante o evento Feira de Investimentos AWC

AWC: Por que a TIM Brasil investe em inovação aberta

O jornalista Renato Cruz entrevista Luis Minoru, vice-presidente da TIM Brasil, e Caroline Vilhena, cofundadora da Deargrand, durante o evento Feira de Investimentos 2017, do programa Academic Working Capital (AWC), do Instituto TIM. Assine nosso canal no YouTube. Comentários comentários

Leia mais »
O Labelectron, da Fundação Certi, combina pesquisa e fabricação de produtos / Renato Cruz/inova.jor

Como a indústria brasileira pode competir com a China

FLORIANÓPOLIS A crise da indústria brasileira começou antes da crise. O faturamento real do setor foi, em maio deste ano, o pior desde fevereiro de 2009. A participação dos produtos manufaturados nas exportações brasileiras, que havia chegado a 61% em 2002, está atualmente em 36%. O Labelectron, fábrica-laboratório da Fundação Certi, tem entre os[…]

Leia mais »

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Bitnami