inova.jor

inova.jor

Boehringer Ingelheim oferece moléculas a pesquisadores

A Boehringer Ingelheim quer acelerar a pesquisa científica para descoberta de novos medicamentos e tratamentos / Skolkovo Foundation
A Boehringer Ingelheim quer acelerar a descoberta de novos medicamentos e tratamentos / Skolkovo Foundation

A Boehringer Ingelheim lançou a plataforma opnME.com, em que oferece acesso a moléculas pré-clínicas para cientistas ao redor do mundo.

A iniciativa de inovação aberta tem por objetivo acelerar a pesquisa científica para descoberta de novos medicamentos e tratamentos.

As moléculas disponíveis na plataforma são divididas em dois grupos:

  • A maior parte não necessita de discussões sobre propriedade, e estão disponíveis a partir de um simples sistema de compras online.
  • Para algumas moléculas, há a opção de crowdsourcing, com pesquisa compartilhada. Nesse caso, o cientista envia seu projeto de pesquisa que, caso seja aprovado, será desenvolvido com participação de cientistas da Boehringer.

Inovação aberta

Outras iniciativas de inovação aberta da Boehringer são:

  • o Research Beyond Borders (Pesquisa Sem Fronteiras), projeto em que a empresa estabelece parcerias globais em pesquisas e tecnologias emergentes, e
  • o Fundo de Risco Boehringer Ingelheim.

Sediada na Alemanha, a Boehringer Ingelheim está entre as 20 principais farmacêuticas do mundo. No Brasil, tem escritórios em São Paulo e Campinas e fábricas em Itapecerica da Serra e Paulínia.

Comentários

comentários

Publicações relacionadas

O Brasil precisa de mais estudos em IoT e computação cognitiva, dizem especialistas / Mariana Lima/inova.jor

No Brasil, a internet das coisas está só começando

A internet das coisas (IoT, na sigla em inglês) representa um mercado de grande potencial. Segundo estudo encomendado pela Progress à Frost & Sullivan, o impacto positivo da tecnologia na economia mundial, levando-se em conta corte de gastos e novas receitas, deve ultrapassar US$ 1 trilhão. A adoção da tecnologia,[…]

Leia mais »
Protótipo e-nose avalia amostras de cerveja com sensores e inteligência artificial / Divulgação

Pesquisadora brasileira desenvolve nariz eletrônico para avaliar cerveja

Doutora em engenharia química, a brasileira Amanda Reitenbach desenvolveu um protótipo eletrônico para identificar aromas em diferentes tipos de cerveja. Com uma série de sensores acoplados a um arduino (placa microcontroladora), o e-nose detecta compostos indesejáveis em amostras de cervejas. O protótipo foi construindo durante o período que Reinbach atuou como[…]

Leia mais »

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Bitnami