inova.jor

inova.jor

O que o próximo governo pode fazer nas telecomunicações

O jornalista Renato Cruz entrevistou André Borges, secretário de Telecomunicações do MCTIC, durante o Painel Telebrasil / Divulgação
O jornalista Renato Cruz entrevistou André Borges, secretário de Telecomunicações do MCTIC / Divulgação

BRASÍLIA

O Brasil tem um modelo desatualizado de telecomunicações. A lei geral do setor é de 1997, e sua atualização – o Projeto de Lei da Câmara (PLC) 79, de 2016 – aguarda para ser votado no Senado.

O governo que assumir a partir do próximo ano tem muito a fazer para que o Brasil não fique ainda mais atrasado em tecnologias da informação e comunicação (TICs).

Há alguns anos apontadas como exemplo privatização bem-sucedida, as telecomunicações são hoje gargalo ao crescimento do país.

As concessionárias de telefonia fixa – Vivo, Oi e Embratel – eram para ser instrumentos de política pública, mas suas metas e obrigações estão ligadas ao serviço de voz, cada vez menos importante.

Os recursos que mantêm tantos orelhões em funcionamento poderiam ser empregados para expandir a cobertura de banda larga, não fossem as regras obsoletas.

Infraestrutura

Ontem (23/5), participei do Painel Telebrasil 2018, sendo mediador num painel com André Borges, secretário da Ciência, Tecnologia, Inovações e Comunicações (MCTIC).

Com uma extensa experiência na iniciativa privada, Borges destacou que, na administração pública, o principal obstáculo que encontrou aos projetos foi a falta de orçamento, principalmente na atual situação.

Um exemplo disso é Fundo para Universalização dos Serviços de Telecomunicações (Fust), que praticamente nunca foi aplicado para o seu fim, e depende de mudança na legislação para que possa ser usado no acesso à internet.

Além de questões que dependem de recursos públicos, ainda existe muito a ser feito para desburocratizar as permissões para instalação de infraestrutura.

Em 2015, foi aprovada a chamada Lei das Antenas, que é federal e define regras para instalação de infraestrutura. Mas, como o uso do solo é de responsabilidade municipal, não existe obrigatoriedade de as prefeituras aderirem a ela.

O secretário sugeriu a criação de um ranking que mostre a quantidade de antenas em cada cidade e o prazo médio de emissão de licenças, como forma de incentivar a adesão das administrações municipais à Lei das Antenas.

Digitalização

Durante a abertura do Painel Telebrasil 2018, na terça-feira, o presidente da Associação Brasileira de Telecomunicações (Telebrasil), Luiz Alexandre Garcia, apresentou uma proposta do setor as candidatos.

Entre as medidas sugeridas estão:

  • atualização da legislação do setor;
  • desburocratização;
  • licitações de novas frequências que não tenham como objetivo arrecadação de recursos;
  • criação do Sistema S para as TICs;
  • desoneração de tributos para domicílios de baixa renda e áreas carentes;
  • isenção de tributos para equipamentos e infraestrutura de internet das coisas.

As telecomunicações são insumo básico para a transformação digital dos demais setores da economia.

Políticas de acesso à tecnologia e de preparação de trabalhadores para o mercado digital deveriam ser prioridade em todos os níveis de governo, para garantir produtividade, competitividade e crescimento econômico.

  • O jornalista viajou a convite da Telebrasil

Comentários

comentários

Publicações relacionadas

Baixos custos e pouco tempo de curso atraem estudantes para startups de e-learning / Chris Devers / Creative Commons

Startups de educação à distância crescem na crise

O mercado de educação à distância está em ascensão. Com custos mais baixos e aulas interativas, o modelo tem atraído pessoas que querem se especializar, mas que contam com pouco tempo e dinheiro. As startups voltadas para educação são vistas como promissoras. Surgida em 2011, a Descola quer preencher lacunas pouco exploradas pelas[…]

Leia mais »
Um crescimento de 10% no acesso aumenta o PIB per capita em 1,38% / Edilson Rodrigues/Agência Senado

Como a falta de infraestrutura de banda larga atrasa o Brasil

O Brasil tem um problema sério de oferta de infraestrutura de banda larga. Segundo o Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada (Ipea), 11,6 milhões de domicílios brasileiros poderiam pagar pelo serviço, mas ele não está disponível na sua localidade. Ou seja, as empresas que atuam nesse mercado não são nem capazes de atender quem[…]

Leia mais »

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Bitnami