inova.jor

inova.jor

Por que a Embrapa precisa se reinventar, segundo a Economist

O trabalho da Embrapa foi responsável por tornar o Brasil um grande produtor de soja / Fernando Dias/Seapa
O trabalho da Embrapa foi responsável por tornar o Brasil um grande produtor de soja / Fernando Dias/Seapa

A Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária (Embrapa) é uma joia da inovação no Brasil, mas enfrenta tempos difíceis e precisa se reinventar, segundo a Economist.

Antes da criação da Embrapa, em 1973, o cerrado brasileiro era considerado impróprio para a agricultura. Foi graças ao trabalho da estatal que o país tornou-se um grande exportador de commodities agrícolas.

No ano passado, a estatal deu de retorno à economia R$ 36 bilhões, mais de 10 vezes o seu orçamento.

Mas a revista britânica destaca que, de acordo com seus críticos, quase 90% da contribuição econômica da Embrapa vêm de pesquisas realizadas em seus primeiros 25 anos.

“Sete áreas de pesquisa, incluindo arroz e feijão, não deram retorno no ano passado”, aponta a publicação.

Mais competição

De acordo com a Economist, parte das críticas têm origem no fato de que, desde a década de 1990, a Embrapa enfrenta mais competição, de empresas estrangeiras como Bayer e Syngenta.

O ministra da Agricultura, Blairo Maggi, defende que a estatal concentre esforços em áreas em que as gigantes internacionais não atuam, como pesquisas sobre a combinação de criação de gado e agricultura para melhorar as condições do solo.

Outro problema apontado pela revista é a estrutura de custos da empresa. Setenta por cento do orçamento são consumidos em folha de pagamento e somente 2% em equipamentos de laboratório e testes de campo.

Neste ano, a Embrapa consolidou 17 unidades administrativas em seis e fechou quatro de seus 46 escritórios regionais.

Comentários

comentários

Publicações relacionadas

Mercado da Blockbuster foi rompido pelo Netflix, segundo Clayton Christensen

Você sabe o que é ‘inovação rompedora’? Clayton Christensen explica que não

Com o clássico O dilema do inovador, publicado em 1997, Clayton Christensen, professor da Escola de Administração de Harvard, explicou ao mundo o conceito de “inovação rompedora” (“disruptive innovation”, que as pessoas por aqui insistem em traduzir como “disruptiva”). Recentemente, sua teoria da ruptura tem recebido ataques. Andrew King e Baljir Baatartogtokh publicaram[…]

Leia mais »
Análise de dados: O jornalista Renato Cruz comenta como a análise de dados pode melhorar a relação entre empresas e consumidores

Como a análise de dados pode melhorar o atendimento

O jornalista Renato Cruz comenta como a análise de dados pode melhorar a relação entre empresas e consumidores. Ele conversou recentemente com Fernanda Benhami, do SAS, sobre um caso em que houve redução de 30% nos gastos com cobrança. Assine o canal do inova.jor no YouTube. Comentários comentários

Leia mais »

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Bitnami