inova.jor

inova.jor

Como o ambiente de negócios prejudica a inovação no Brasil

Apesar da melhora no ranking do GII, Brasil ficou atrás de outros países latino-americanos / Renato Cruz/inova.jor
Apesar da melhora no ranking do GII, Brasil ficou atrás de outros países latino-americanos / Renato Cruz/inova.jor

O Brasil melhorou sua posição no Índice Global de Inovação (GII, na sigla em inglês), passando do 69º para 64º lugar entre 126 países.

O ranking de 2018 foi divulgado hoje (10/7) em Nova York pela Universidade Cornell, Insead e Organização Mundial da Propriedade Intelectual (Ompi).

Apesar da melhora, a inovação brasileira é prejudicada principalmente por problemas no ambiente de negócios e na educação.

O país pontuou mal nas seguintes áreas:

  • graduados em ciência e engenharia (79º);
  • acordos de joint venture e alianças estratégicas (93º);
  • novas empresas (98º);
  • atração de estrangeiros para o ensino superior (100º);
  • crescimento da produtividade (101º);
  • crédito (104º);
  • formação bruta de capital (104º);
  • taxa tarifária aplicada (106º);
  • ambiente de negócios (110º);
  • facilidade de abrir uma empresa (123º).

O Brasil ficou atrás de outros países latino-americanos, como Chile (47º), Costa Rica (54º) e México (56º). O GII analisa 80 indicadores.

Países mais inovadores

Em 17º lugar, a China apareceu pela primeira vez na lista das 20 economias mais inovadoras, enquanto a Suíça manteve o primeiro lugar.

Este é o ranking do índice neste ano:

  1. Suíça (1 em 2017)
  2. Países Baixos (3)
  3. Suécia (2)
  4. Reino Unido (5)
  5. Cingapura (7)
  6. Estados Unidos (4)
  7. Finlândia (8)
  8. Dinamarca (6)
  9. Alemanha (9)
  10. Irlanda (10)
  11. Israel (17)
  12. República da Coreia (11)
  13. Japão (14)
  14. Hong Kong (China) (16)
  15. Luxemburgo (12)
  16. França (15)
  17. China (22)
  18. Canadá (18)
  19. Noruega (19)
  20. Austrália (23)

A Confederação Nacional da Indústria (CNI) e o Serviço Brasileiro de Apoio às Micro e Pequenas Empresas (Sebrae) são parceiros do GII, que está em sua 11ª edição.

Comentários

comentários

Publicações relacionadas

Índice de confiança em tecnologia e instituições financeiras deve alavancar mercado de fintechs / Jason Howie / Flickr / Creative Commons

Confiança do brasileiro beneficia fintechs

As fintechs, empresas de tecnologia que oferecem serviços financeiros, devem crescer exponencialmente no Brasil nos próximos anos. O cenário positivo é baseado no aumento da confiança no setor de tecnologia e nas instituições financeiras brasileiras. As conclusões fazem parte do Trust Barometer, estudo realizado anualmente pela Edelman em 18 países. Segundo[…]

Leia mais »
Criada pela Ripple, a criptomoeda XRP subiu 38.000% no ano passado / Ivan Malkin/Creative Commons

Por que o Ripple tornou-se a segunda maior criptomoeda

O bitcoin tem recebido muita atenção nos últimos meses. No lugar de ser utilizada para comprar coisas, a moeda digital acabou se tornando um ativo para investimentos de alto retorno e também de alto risco. A criptomoeda de maior valorização no ano passado, no entanto, é o XRP, também conhecido[…]

Leia mais »

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Bitnami