inova.jor

inova.jor

Como o ambiente de negócios prejudica a inovação no Brasil

Apesar da melhora no ranking do GII, Brasil ficou atrás de outros países latino-americanos / Renato Cruz/inova.jor
Apesar da melhora no ranking do GII, Brasil ficou atrás de outros países latino-americanos / Renato Cruz/inova.jor

O Brasil melhorou sua posição no Índice Global de Inovação (GII, na sigla em inglês), passando do 69º para 64º lugar entre 126 países.

O ranking de 2018 foi divulgado hoje (10/7) em Nova York pela Universidade Cornell, Insead e Organização Mundial da Propriedade Intelectual (Ompi).

Apesar da melhora, a inovação brasileira é prejudicada principalmente por problemas no ambiente de negócios e na educação.

O país pontuou mal nas seguintes áreas:

  • graduados em ciência e engenharia (79º);
  • acordos de joint venture e alianças estratégicas (93º);
  • novas empresas (98º);
  • atração de estrangeiros para o ensino superior (100º);
  • crescimento da produtividade (101º);
  • crédito (104º);
  • formação bruta de capital (104º);
  • taxa tarifária aplicada (106º);
  • ambiente de negócios (110º);
  • facilidade de abrir uma empresa (123º).

O Brasil ficou atrás de outros países latino-americanos, como Chile (47º), Costa Rica (54º) e México (56º). O GII analisa 80 indicadores.

Países mais inovadores

Em 17º lugar, a China apareceu pela primeira vez na lista das 20 economias mais inovadoras, enquanto a Suíça manteve o primeiro lugar.

Este é o ranking do índice neste ano:

  1. Suíça (1 em 2017)
  2. Países Baixos (3)
  3. Suécia (2)
  4. Reino Unido (5)
  5. Cingapura (7)
  6. Estados Unidos (4)
  7. Finlândia (8)
  8. Dinamarca (6)
  9. Alemanha (9)
  10. Irlanda (10)
  11. Israel (17)
  12. República da Coreia (11)
  13. Japão (14)
  14. Hong Kong (China) (16)
  15. Luxemburgo (12)
  16. França (15)
  17. China (22)
  18. Canadá (18)
  19. Noruega (19)
  20. Austrália (23)

A Confederação Nacional da Indústria (CNI) e o Serviço Brasileiro de Apoio às Micro e Pequenas Empresas (Sebrae) são parceiros do GII, que está em sua 11ª edição.

Comentários

comentários

Publicações relacionadas

Marketplaces, com destaque para o Mercado Livre, tiveram crescimento de 27% no ano passado / Renato Cruz/inova.jor

Comércio eletrônico brasileiro deve crescer 12% neste ano

O comércio eletrônico brasileiro deve crescer 12% neste ano, somando R$ 53,5 bilhões, segundo a 37ª edição do relatório Webshoppers, da Ebit. O total de consumidores virtuais deve chegar a 60 milhões, comparados a 55 milhões em 2017. No ano passado, as mulheres fizeram 1,4 milhão de pedidos a mais[…]

Leia mais »
Mark Zuckerberg entrou no evento e ninguém percebeu / Facebook/Reprodução

Por que é muito difícil mudar o Facebook

O saudoso Marshall McLuhan falava que a privacidade acabou quando inventaram a luz elétrica. De Thomas Edison para cá, no entanto, a situação piorou. O Facebook tem vivido o seu pior momento, desde que explodiu o escândalo Cambridge Analytica. Um pesquisador de Cambridge coletou informações de 50 milhões de norte-americanos[…]

Leia mais »

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *