inova.jor

inova.jor

Zen Finance tem R$ 1 bi em crédito para participantes de marketplaces

Marcelo Nomoto e Jorge Vargas Neto são fundadores da Zen / Divulgação
Marcelo Nomoto e Jorge Vargas Neto são fundadores da fintech / Divulgação

 

A Zen tem R$ 1 bilhão para oferecer em crédito para participantes de marketplaces, num serviço chamado Zen Finance. Segundo a empresa, trata-se do maior montante já disponibilizado a uma fintech no Brasil. 

Os recursos são resultado de uma parceria com investidores institucionais. A Zen foi criada por Jorge Vargas Neto, que também fundou a Biva, fintech vendida para o PagSeguro.

O Zen Finance funciona no modelo white label. Ou seja, a marca que aparece para o tomador de crédito é do marketplace parceiro. A empresa já tem acordos com a Dafiti e a Mobly.

Análise de crédito

A fintech usa as informações do relacionamento do vendedor com o marketplace para fazer a análise de crédito, além de dados como comportamento nas redes sociais. 

Segundo a companhia, suas taxas são cerca de 40% inferiores do que as oferecidas por instituições tradicionais. O prazo do empréstimo é de 12 meses.

Além de Vargas Neto, a fintech foi criada por Marcelo Nomoto, que foi diretor de tecnologia da Biva e desenvolvedor sênior do Nubank, Itaú e Xerpa. 

Comentários

comentários

Publicações relacionadas

Maioria já sabe que é possível pagar com o celular, afirma Edlayne Altherman Burr, da Accenture / Renato Cruz/inova.jor

O que falta para a massificar os pagamentos móveis

A fase de divulgação dos sistemas de pagamentos móveis já passou. Segundo Edlayne Altherman Burr, diretora da Accenture, 56% das pessoas já sabem que dá para pagar com o celular. “Antes, a prioridade era a educação dos consumidores”, explica Burr, que participou hoje do evento Cards Payment & Identification 2017, em[…]

Leia mais »
Motorista do Uber em Bogotá

‘Unicórnios’ são cada vez mais comuns no setor de tecnologia

Startups de tecnologia com capital fechado e valor de mercado maior do que US$ 1 bilhão costumavam ser chamadas de “unicórnios”, por causa de sua raridade. Nos últimos anos, as companhias iniciantes têm adiado cada vez mais sua primeira oferta de ações, o que fez com que o total de “unicórnios”[…]

Leia mais »

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Bitnami