inova.jor

inova.jor

Profissionais são os novos influenciadores digitais

LinkedIn é a rede social mais utilizada para quem quer fazer negócios
LinkedIn conquistou mais de 34 milhões de usuários no Brasil / Depositphotos

 

Redes sociais podem facilitar negócios e conversas profissionais. De acordo com o LinkedIn, mais de 62% dos profissionais respondem a contatos na rede que mostram conteúdo e oportunidades relevantes.

Lançada no Brasil em 2011, a rede social profissional conquistou 34 milhões de usuários no país. No mundo, são mais de 562 milhões.

Cada vez mais esse público demonstra estar pronto para conversar e adquirir mais conhecimento pela rede.

O LinkedIn tem um modelo de negócios diversificado, em que a receita provém de assinaturas, publicidade e soluções de recrutamento.

Enquanto empresas divulgam suas ações e recrutam novos talentos, o profissional encontra na plataforma uma nova forma de fazer networking, manter-se atualizado, falar sobre sua trajetória e fechar negócios.

Andrea Iorio, head do Tinder para a América Latina, começou a investir mais tempo na rede em abril de 2017.

Iniciou sua presença com conteúdos específicos sobre negócios e conquistas da empresa em que trabalha.

Atualmente, conversa com o público também sobre comportamento, psicologia e estilo de vida, mas sempre conectado com o mundo corporativo.

Ele já conquistou mais de 34 mil seguidores na plataforma, e chega a obter 250 mil visualizações em seus conteúdos.

A rede deu visibilidade para suas outras atividades como palestrante e investidor-anjo.

“O mais importante são as oportunidades de negócio, de parceria e networking que a rede proporciona”, garante Iorio.

Aprendizado constante

Juliana Bernardo, head of Innovation do Bestway Group Brasil, entrou na plataforma em 2014.

Seu objetivo era se manter atualizada e adquirir conhecimento na rede, seguindo os principais profissionais das áreas em que atua, tecnologia e inovação.

Dois anos depois, percebeu a oportunidade de ser uma curadora de conteúdo para inovação no Brasil e passou a usar a plataforma diariamente, mantendo sua rede de mais de 34 mil seguidores atualizada sobre as movimentações do mercado de tecnologia.

O alcance das mensagens chega a ser até dez vezes maior que sua audiência.

Para Juliana, o mais importante é saber quem são os melhores profissionais dentro da área de interesse e estabelecer uma troca de conhecimento.

“Cada vez mais consigo um espaço grande para me expressar nessa rede, fazer negócios, abrir portas para a empresa em que trabalho e seguir com meu propósito de vida”, comenta.

Reputação e negócios andam juntos

Empresas estão entre as instituições mais confiáveis entre os brasileiros.

Segundo o Trust Barometer 2018, estudo da agência Edelman, 60% dos brasileiros que os CEOs devem assumir a liderança em movimentos de mudanças no lugar de esperar que o governo as imponha.

O estudo também mostra que a confiança nos especialistas aumentou.

Isso destaca a importância das empresas incentivarem seus profissionais a construir histórias verdadeiras que se conectem com os diversos públicos, humanizando as marcas e gerando novas oportunidades de negócios por meio de credibilidade que esses profissionais criaram em suas redes.

Mauro Segura, diretor de Marketing na IBM Brasil, tornou-se um dos principais influenciadores brasileiros sobre novas tecnologias transformadoras como a inteligência artificial.

Seu conteúdo é acompanhado por mais de 38 mil seguidores e usado como referência por empresas parceiras e até concorrentes.

Consistência é um dos pilares apontados por Mauro, na entrevista abaixo, para construir sua rede profissional.

Mauro Segura, da IBM / Divulgação
Mauro Segura,
da IBM / Divulgação
Quando você começou a investir tempo e fazer uso constante da plataforma?

Minha atuação mais forte no LinkedIn começou em 2013.

Estou no LinkedIn desde que a rede surgiu, mas realmente aumentei meu uso da rede a partir da entrada da plataforma Pulse.

Em meados de 2014, comecei a publicar artigos no Linkedin com alguma regularidade e nunca mais parei.

Em poucos meses, vendo o potencial da rede, eu tratei de desenvolver com mais atenção a construção de um networking de valor.

O que dá certo e o que dá errado no LinkedIn?

O que dá certo é postar conteúdo de valor, de forma regular, sempre somando um ponto de vista próprio, compartilhando experiências e procurando se manter nas áreas que tem domínio ou interesse.

O que dá errado é ser um mero replicador de posts, não se relacionar, publicar sobre assuntos que não domina e ser negativo.

Simples assim.

Quais são os resultados que você percebe do uso do LinkedIn até o momento?

Hoje, minha rede alcança dezenas de milhares de conexões. A grande maioria são conexões de valor, com formadores de opinião e tomadores de decisão.

Além de ser uma fonte valiosa de relacionamento, o Linkedin passou a ser uma fonte primordial para meu aprendizado, trazendo conhecimento que não encontro facilmente em outros lugares.

Sigo pessoas que publicam conteúdos inovadores, falam de temas que ainda estão nos laboratórios, que trazem reflexões sobre o mundo corporativo e que me levam para comunidades, que eu nunca conseguiria alcançar por outros meios.

Afirmo que hoje a rede é indispensável para o meu trabalho e objetivos.

Como você faz para as pessoas se engajarem no seu conteúdo?

As pessoas gostam de ouvir histórias de pessoas, histórias reais, de sucesso e vulnerabilidades, com todos os aprendizados que isso carrega.

Por isso, procuro publicar conteúdo das áreas em que atuo, do que eu penso, com as minhas palavras e a minha personalidade.

Ser genuíno é importante.

Outro ponto importante é se engajar com as pessoas que comentam no meus posts, que querem perguntar, que querem contribuir com um ponto de vista diferente ou, até, com uma perspectiva não tradicional.

Isso significa responder comentários, ter um pouco de paciência com pessoas que trazem pontos que podem levar a conversa para outro lugar, mas isso faz parte do processo.

Enfim, engajamento implica em investimento de tempo, compromisso e autenticidade.

Qual a dica que você dá pra quem está começando a construir uma marca pessoal na rede?

Paciência, perseverança e consistência. Esse é o trio de ouro.

As pessoas entram nas redes esperando resultados a curto prazo. Querem ter muitos seguidores, muitos comentários, se iludem quando publicam uma foto bacana e recebem um monte de likes.

O resultado consistente vem aos poucos, no ritmo de tijolo sobre tijolo. Assim se constrói algo firme e duradouro.

É preciso também planejar um caminho e ser fiel a ele. Mudar de direção várias vezes é muito danoso e quase sempre não funciona.

Por isso, paciência, perseverança e consistência são essenciais nesse processo.

Comentários

comentários

Publicações relacionadas

Marketplaces, com destaque para o Mercado Livre, tiveram crescimento de 27% no ano passado / Renato Cruz/inova.jor

Comércio eletrônico brasileiro deve crescer 12% neste ano

O comércio eletrônico brasileiro deve crescer 12% neste ano, somando R$ 53,5 bilhões, segundo a 37ª edição do relatório Webshoppers, da Ebit. O total de consumidores virtuais deve chegar a 60 milhões, comparados a 55 milhões em 2017. No ano passado, as mulheres fizeram 1,4 milhão de pedidos a mais[…]

Leia mais »
Televisores 4K foram responsáveis por 47% das vendas no Brasil durante o primeiro semestre / Renato Cruz/inova.jor

Aplicativo 4K da Copa teve mais de 5 milhões de acessos

O aplicativo da SporTV que exibiu os jogos da Copa do Mundo da Rússia em resolução 4K teve mais de 5 milhões de acessos, segundo Erico Traldi, diretor associado de Produtos da Samsung. Foram exibidos 56 jogos ao vivo no aplicativo exclusivo dos aparelhos da fabricante sul-coreana. O conteúdo ficou[…]

Leia mais »

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *