inova.jor

inova.jor

Análise de dados pode incentivar a adoção de energia solar

Participação da energia solar é menor que 1% no Brasil / Som Energia Cooperativa
Participação da energia solar é menor que 1% no Brasil / Som Energia Cooperativa
No Brasil, somente 0,8% da energia produzida tem como fonte sistemas solares fotovoltaicos, segundo a Agência Nacional de Energia Elétrica (Aneel). Em 2040, essa participação pode chegar a 20%, de acordo com a Bloomberg. A Serasa Experian desenvolveu um projeto chamado Sunny, que calcula a viabilidade técnica e financeira da instalação de geração de energia solar em residências e empresas. “Temos um MVP (sigla em inglês de produto mínimo viável) que vai ser testado no Nordeste”, afirma Marcelo Pimenta, diretor do DataLab, laboratório de inovação da Serasa Experian. A empresa está finalizando acordo com um banco da região, que vai financiar a instalação dos painéis solares. A ideia é que as parcelas mensais do financiamento não sejam maiores do que a conta de luz atualmente paga pelos financiados.

Estágio de verão

O projeto foi desenvolvido durante três meses por uma equipe de três estudantes selecionados para o estágio de verão do DataLab. Por meio da análise de imagens de satélite, o sistema consegue calcular o potencial fotovoltaico do telhado de cada construção. Redes neurais, que rodam modelos computacionais inspirados no sistema nervoso, analisam fatores como tamanho, latitude e longitude. O projeto foi desenvolvido a partir de imagens de Barueri, na Grande São Paulo. Os dados sobre o potencial fotovoltaico de cada telhado são combinados a informações sobre o consumo de energia da construção e à análise de crédito do consumidor ou empresa, para cálculo da viabilidade de se instalar geração de energia solar fotovoltaica.

Comentários

comentários

Publicações relacionadas

Vista aérea de Brasília: pouca compra de produtos tecnológicos pelo governo está entre os fatores da avaliação ruim

Por que o Brasil está ficando para trás em inovação

Na edição mais recente do ranking de competitividade do Fórum Econômico Mundial, o Brasil foi o país que apresentou o pior desempenho, ao perder 18 posições e ficar na 75.ª posição, entre 140 países. Em inovação, um dos indicadores que compõem o ranking, o tombo foi ainda maior: o Brasil[…]

Leia mais »

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Bitnami