inova.jor

inova.jor

Como acompanhar a concorrência em tempo real

Javier Goilenberg, da Real Trends, também vai atender vendedores da Amazon / Divulgação
Javier Goilenberg, da Real Trends, também vai atender vendedores da Amazon / Divulgação

O que seus concorrentes estão fazendo neste momento? A Real Trends acredita que esse tipo de informação pode ser uma vantagem competitiva.

A empresa oferece ferramentas de análise e gestão para vendedores do Mercado Livre. “Também fechamos parceria com a Amazon no Brasil”, comenta o Javier Goilenberg, presidente e cofundador da Real Trends.

Ainda não há detalhes sobre como será a operação com a gigante mundial do comércio eletrônico.

Segundo Goilenberg, diferenciar-se dos concorrentes e melhorar estratégias é fundamental para quem quer resultados em vendas.

As ferramentas da empresa ajudam a conhecer métricas da conta do vendedor, analisar o mercado, acompanhar movimentos de concorrentes, responder perguntas dos clientes e automatizar o gerenciamento de vendas.

“Nosso software permite que os vendedores do Mercado Livre conheçam melhor os futuros clientes”, explica o executivo, em entrevista exclusiva durante o evento Mercado Livre Experience 2018, que aconteceu no sábado (1/9), em São Paulo.

O comércio eletrônico brasileiro cresceu 12% no primeiro semestre, com faturamento de R$ 23,6 bilhões, de acordo com a Ebit/Nielsen. E a tendência é que continue crescer, com expansão de grandes atores como a Amazon.

Foco no futuro

Javier trabalhou por cinco anos na área de tecnologia do Mercado Livre. Em abril de 2013, o empreendedor abriu sua plataforma, que permitia que desenvolvedores externos criassem aplicativos conectados ao marketplace.

Em março de 2014, a Real Trends lançou a primeira versão do seu software em nuvem na Argentina. Sete meses depois, foi liberada a versão brasileira.

Hoje, a empresa opera na Argentina, Brasil e México, contando com 8 mil clientes, 30 colaboradores e um faturamento acima de US$ 2 milhões ao ano. O Brasil representa metade desse faturamento.

Acompanhar a movimentação do mercado e as necessidades dos vendedores de marketplace para não perder competitividade é a prioridade da empresa.

“Se o nosso cliente entende que é importante focar nas redes sociais, por exemplo, com certeza vamos tentar desenvolver algo para ajudá-lo a vender mais por esses canais”, complementa Javier.

Comentários

comentários

Publicações relacionadas

Dario Dal Piaz, do Facebook, fala sobre como as empresas podem usar bots no Messenger / Patricia Barão/inova.jor

Como as tecnologias móveis modificam o varejo físico

Combinar o varejo físico com tecnologias móveis se tornou peça fundamental para ganhar competitividade e enfrentar a concorrência do comércio eletrônico. Durante a 9ª edição do Forum Mobile+, que terminou hoje (5/10) em São Paulo, varejistas e empresas de tecnologia discutiram como o varejo está se movimentando para oferecer uma experiência de[…]

Leia mais »
Entre as aplicações de IoT no agronegócio está a vaca conectada / Divulgação

Futurecom: Internet das coisas avança no agronegócio

A adoção da internet das coisas (IoT, na sigla em inglês) no campo foi um dos destaques do Futurecom deste ano. O evento realizado na semana passada trouxe casos concretos de aplicação da tecnologia no agronegócio. A TIM anunciou uma parceria com a SLC Agrícola, para cobertura com comunicações móveis[…]

Leia mais »

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *