inova.jor

inova.jor

Klabin investe em inovação e lança copo biodegradável

Klabin: Cristiano Cardoso visita exposição de arte durante o evento INOVAKlabin / Divulgação
Cristiano Teixeira visita exposição de arte durante o evento INOVAKlabin / Divulgação

Aos 119 anos, a Klabin aposta em inovação e sustentabilidade.

A fabricante de papéis para embalagens anunciou, na última semana, um investimento de R$ 32 milhões em suas operações de pesquisa e desenvolvimento.

O montante será destinado à construção de um parque de plantas-piloto na Unidade Monte Alegre, em Telêmaco Borba (PR).

A empresa também lançou o KlaCup Bio, um papelcartão para copos descartáveis, 100% livre de polietileno.

“É por meio da cultura da tecnologia e da atitude de cada um de vocês que iremos transformar a Klabin na empresa mais inovadora do setor do mundo”, disse o diretor-geral da empresa, Cristiano Teixeira, a colaboradores durante a abertura do evento INOVA Klabin.

Em sua segunda edição, o evento aconteceu nos dias 12 e 13, na Oca do Parque Ibirapuera, em São Paulo.

Pesquisa e desenvolvimento

Com 500 metros quadrados, o parque de plantas-piloto trabalhará em duas frentes.

O primeiro projeto é voltado a estudos sobre celulose microfibrilada (MFC).

“A MFC aumenta a resistência do papel, possibilitando gramatura menor e maior qualidade”, apontou Francisco Razzolini, diretor de Tecnologia Industrial, Inovação, Sustentabilidade e Negócio Celulose da Klabin.

O empreendimento permitirá simular uma unidade fabril para testes do material, que futuramente será incorporado nos produtos da empresa, complementou Razzolini.

Outro foco dos esforços é a extração de lignina, um polímero de origem renovável que pode ser usado como substituto para produtos de origem fóssil.

A lignina também pode ser mesclada em compostos para redução do uso de plástico em embalagens.

O trabalho em torno da lignina permitirá à empresa adentrar novos mercados de produtos renováveis e sustentáveis.

A companhia consegue extrair o material de espécies distintas de madeira: pinus e eucalipto, bem como a partir da mescla das duas espécies.

“Hoje fazemos isso em escala laboratorial de um quilo por dia. Queremos aumentar a produção para uma tonelada por dia”, explicou o executivo.

“O parque de plantas-piloto reforça nossa orientação para o desenvolvimento de soluções bioeconômicas, que valorizam o uso responsável, eficiente e sustentável dos recursos”, ressaltou.

A expectativa é de que as plantas comecem a operar no quarto trimestre de 2019.

Copo Sustentável

Durante o INOVA Klabin, a empresa também apresentou o KlaCup Bio, papelcartão para copo descartável cujo principal diferencial é a não utilização de polietileno.

O produto ainda está sendo produzido em escala experimental, com lançamento previsto para 2019.

“Estamos falando de um copo biodegradável, que dispensa o polietileno e é facilmente compostável e reciclável”, afirmou André de Marco, gerente de Desenvolvimento de Produto da Klabin.

O executivo explicou que o produto disponibilizado atualmente pela empresa, chamado KlaCup Natural Kraft, já traz essa preocupação com a sustentabilidade. “Mas queremos dar um passo além”, ressaltou.

Para Teixeira, a iniciativa é apenas o início da trajetória e o setor de serviços de alimentação deve seguir essa tendência.

De acordo com o executivo, a Klabin visualiza um futuro livre de isopor e plástico no mercado de food service.

Comentários

comentários

Publicações relacionadas

Hugo Baeta, da Cisco, Rubens Milito, da Huawei, e João Moura, da TelComp. falam sobre investimento em telecomunicações

Como incentivar investimentos em telecomunicações

O inova.jor promoveu um debate sobre maneiras de elevar os investimentos em telecomunicações, com apoio da Associação Brasileira das Prestadoras de Serviços de Telecomunicações Competitivas (TelComp). Participaram da conversa Hugo Baeta, diretor regional de operações da Cisco; Rubens Milito, especialista de novos negócios da Huawei; e João Moura, presidente da TelComp. Entre[…]

Leia mais »
Comissão da ABNT precisa de mais pessoas para construir a posição brasileira junto à ISO / Mikael Hvidtfeldt Christensen/Creative Commons

Precisamos debater sobre normas para gestão da inovação

Entidades privadas e públicas e a academia brasileira deixam escapar uma oportunidade única de discutir o desenvolvimento de normas internacionais para gestão da inovação. O Brasil, juntamente com a França, pode ser um protagonista no debate internacional sobre ferramentas e sistemas de gestão de inovação, mas para isso é preciso[…]

Leia mais »

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Bitnami