inova.jor

inova.jor

Klabin investe em inovação e lança copo biodegradável

Klabin: Cristiano Cardoso visita exposição de arte durante o evento INOVAKlabin / Divulgação
Cristiano Teixeira visita exposição de arte durante o evento INOVAKlabin / Divulgação

Aos 119 anos, a Klabin aposta em inovação e sustentabilidade.

A fabricante de papéis para embalagens anunciou, na última semana, um investimento de R$ 32 milhões em suas operações de pesquisa e desenvolvimento.

O montante será destinado à construção de um parque de plantas-piloto na Unidade Monte Alegre, em Telêmaco Borba (PR).

A empresa também lançou o KlaCup Bio, um papelcartão para copos descartáveis, 100% livre de polietileno.

“É por meio da cultura da tecnologia e da atitude de cada um de vocês que iremos transformar a Klabin na empresa mais inovadora do setor do mundo”, disse o diretor-geral da empresa, Cristiano Teixeira, a colaboradores durante a abertura do evento INOVA Klabin.

Em sua segunda edição, o evento aconteceu nos dias 12 e 13, na Oca do Parque Ibirapuera, em São Paulo.

Pesquisa e desenvolvimento

Com 500 metros quadrados, o parque de plantas-piloto trabalhará em duas frentes.

O primeiro projeto é voltado a estudos sobre celulose microfibrilada (MFC).

“A MFC aumenta a resistência do papel, possibilitando gramatura menor e maior qualidade”, apontou Francisco Razzolini, diretor de Tecnologia Industrial, Inovação, Sustentabilidade e Negócio Celulose da Klabin.

O empreendimento permitirá simular uma unidade fabril para testes do material, que futuramente será incorporado nos produtos da empresa, complementou Razzolini.

Outro foco dos esforços é a extração de lignina, um polímero de origem renovável que pode ser usado como substituto para produtos de origem fóssil.

A lignina também pode ser mesclada em compostos para redução do uso de plástico em embalagens.

O trabalho em torno da lignina permitirá à empresa adentrar novos mercados de produtos renováveis e sustentáveis.

A companhia consegue extrair o material de espécies distintas de madeira: pinus e eucalipto, bem como a partir da mescla das duas espécies.

“Hoje fazemos isso em escala laboratorial de um quilo por dia. Queremos aumentar a produção para uma tonelada por dia”, explicou o executivo.

“O parque de plantas-piloto reforça nossa orientação para o desenvolvimento de soluções bioeconômicas, que valorizam o uso responsável, eficiente e sustentável dos recursos”, ressaltou.

A expectativa é de que as plantas comecem a operar no quarto trimestre de 2019.

Copo Sustentável

Durante o INOVA Klabin, a empresa também apresentou o KlaCup Bio, papelcartão para copo descartável cujo principal diferencial é a não utilização de polietileno.

O produto ainda está sendo produzido em escala experimental, com lançamento previsto para 2019.

“Estamos falando de um copo biodegradável, que dispensa o polietileno e é facilmente compostável e reciclável”, afirmou André de Marco, gerente de Desenvolvimento de Produto da Klabin.

O executivo explicou que o produto disponibilizado atualmente pela empresa, chamado KlaCup Natural Kraft, já traz essa preocupação com a sustentabilidade. “Mas queremos dar um passo além”, ressaltou.

Para Teixeira, a iniciativa é apenas o início da trajetória e o setor de serviços de alimentação deve seguir essa tendência.

De acordo com o executivo, a Klabin visualiza um futuro livre de isopor e plástico no mercado de food service.

Comentários

comentários

Publicações relacionadas

Ransomware WannaCry afetou computadores do sistema de saúde do Reino Unido / Megan Trace/Creative Commons

Ataque global de ransomware evidencia ameaça de US$ 280 bilhões

Ransomware é um tipo de ataque digital usado por criminosos para tomar dados de computadores como reféns e exigir resgate para liberá-los. Na sexta-feira (12/5), mais de 200 mil computadores em mais de 100 países foram infectados pelo ransomware WannaCry. Segundo a auditoria Grant Thornton, os ataques virtuais causaram prejuízo a empresas[…]

Leia mais »
O MindSphere, da Siemens, permite analisar em tempo real dados gerados por máquinas / Renato Cruz/inova.jor

Siemens procura desenvolvedores de aplicativos para a indústria

HANNOVER Na chamada Indústria 4.0, as máquinas são conectadas e geram informações a partir de sensores. O software que controla o chão de fábrica está ligado ao sistema de gestão empresarial. É possível receber eletronicamente os pedidos dos clientes e fabricar produtos personalizados sem paradas da linha de produção para reconfigurá-la.[…]

Leia mais »

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Bitnami