inova.jor

inova.jor

Cibersegurança exige prevenção e soluções mais eficazes

A cibersegurança não deve ficar restrita a reportar alertas /  Drew Streib/Creative Commons
A cibersegurança não deve ficar restrita a reportar alertas /  Drew Streib/Creative Commons

Cada vez mais, o mercado de dados exige a atenção de executivos e empresas.

Não somente pelo crescimento do número de informações disponíveis para diversos segmentos da economia, mas também pelas demandas de segurança exigidas para trabalhar com informações críticas.

Essas operações requerem sistemas eficazes de segurança e proteção para que informações confidenciais não fiquem vulneráveis às ameaças.

Relatório recente divulgado pela consultoria Frost & Sullivan mostra que o serviço de gerenciamento e monitoramento de ameaças foi o mais demandado na América Latina em 2017, com mais de 70% de participação, seguido por serviços de inteligência, detecção e remediação contra ameaças cibernéticas.

O Brasil representa 39% do mercado.

Outro levantamento da consultoria mostra também que a internet das coisas (IoT) chegará a 50 bilhões de conexões ao redor do mundo em 2023.

A América Latina é a região com o maior crescimento esperado (26,7%), tendo o Brasil como maior mercado (45% do total).

Nesse cenário, ao mesmo tempo em que o crescimento do mercado de dados traz benefícios para as empresas, com aumento das informações disponíveis para análise de clientes e aperfeiçoamento das operações em todos os setores produtivos, também há mudança na demanda das companhias por sistemas de proteção e segurança.

Proteção de dados

Cassio David Pereira, da Security4IT / Divulgação
Cassio David Pereira, da Security4IT / Divulgação

Na Europa, a General Data Protection Regulation (GDPR), lei de proteção de dados aprovada no primeiro semestre deste ano, mostra como diversos setores da sociedade estão aumentando sua preocupação com a proteção de informações pessoais que estão disponíveis na rede.

No Brasil, a Lei Geral de Proteção de Dados também foi aprovada e vai exigir mudanças significativas na estrutura das empresas, o que mostra uma preocupação crescente do governo brasileiro com a administração dos dados.

De acordo com a Frost & Sullivan, há uma mudança na demanda das empresas por soluções de segurança.

A consultoria aponta que, agora, a busca é por serviços que solucionem efetivamente os problemas de segurança encontrados nos computadores e demais dispositivos, e não apenas emitam alertas para os usuários.

Esse movimento, certamente, decorre do aumento exponencial de dados, que acarreta o crescimento das vulnerabilidades.

O último relatório de ciberataques da Security4IT mostrou um aumento no número de arquivos analisados.

A cada novo relatório, o número de arquivos escaneados aumenta.

Isso mostra que o trabalho de cibersegurança não deve ficar restrito a reportar alertas quando alguma ameaça invade os sistemas de informação, mas sim atuar diretamente na prevenção e análise das informações.

Uma política de segurança cibernética bem estruturada, apoiada por uma equipe especializada para a detecção e correção de ameaças, proporciona ambientes cada vez mais seguros e garante a eficiência das operações.

  • Cassio David Pereira é diretor financeiro da Security4IT

Comentários

comentários

Publicações relacionadas

Cotidiano: Camilla Tapias, da Vivo, e Renato Pasquini, da Frost, participam do Start Eldorado / inova.jor

Start Eldorado: Qual é o impacto da tecnologia no cotidiano

Qual é o impacto da tecnologia no cotidiano das pessoas? Na quarta-feira (10/10), Camilla Tápias, vice-presidente da Telefônica Vivo, e Renato Pasquini, presidente da Frost & Sullivan no Brasil e na América Latina, falaram sobre digitalização, privacidade e segurança no programa Start Eldorado. Você pode ouvir o programa abaixo: Quando ouvir[…]

Leia mais »
Prevenção é o melhor caminho para que estejamos preparados para a próxima onda de ataques / Renato Cruz

Líderes empresariais precisam estar atentos à segurança digital

O último ataque cibernético do ransomware WannaCry teve desdobramentos em escala global e atingiu 200 mil vítimas em 150 países, de acordo com a polícia europeia. O código malicioso foi responsável pelo sequestro do acesso dos computadores infectados e atingiu equipamentos de hospitais e centros de saúde, empresas automotivas, de[…]

Leia mais »

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *