inova.jor

inova.jor

Como a biometria revoluciona a segurança e o varejo

NEC apresenta soluções de biometria e inteligência artificial no Futurecom / Divulgação
NEC apresenta soluções de biometria e inteligência artificial no Futurecom / Divulgação 

A NEC trouxe um pedaço do Japão ao Brasil em seu estande no Futurecom, evento que termina amanhã (18/10) em São Paulo.

Comemorando 50 anos de existência no País, a companhia construiu um espaço em que simula uma estação de trem totalmente conectada, com tecnologias que prometem revolucionar a segurança, varejo e serviços financeiros.

Numa das áreas do estande, a NEC apresenta uma cafeteria do futuro. Nela, o cliente encontra opções para se relacionar de maneira mais prática e conectada com lanchonetes, mercados, restaurantes e outros ambientes do varejo físico.

Uma dessas tecnologias é um totem que, por meio de uma câmera, identifica o cliente por biometria facial e personaliza seu atendimento.

Ficam registrados no sistema produtos que a pessoa costuma comprar ali ou, ainda, dados do cartão de crédito, que é liberado para pagamento após o cliente inserir uma senha de fidelidade para aquela loja.

Enquanto isso, na cozinha da cafeteria, os cozinheiros recebem o pedido de maneira virtual e com uma foto do cliente, facilitando a identificação e humanizando o atendimento.

“O grande diferencial desse tipo de atendimento é a personalização e a praticidade que o cliente passa a encontrar no varejo. Era algo que só existia no ambiente virtual”, contextualiza Alexandre Samoya, gerente de soluções para o varejo da NEC.

Reconhecimento facial

Além disso, na mesma área de soluções para comodidade e personalização de atendimento, há um caixa eletrônico com soluções biométricas.

O consumidor chega, seleciona como quer pagar e um QR Code aparece na tela. Nesse momento, a pessoa saca o celular e, com um aplicativo do banco, lê o código e faz a leitura da face.

É uma maneira mais segura e prática de lidar com pagamentos, impedindo fraudes com cartões e facilitando o acesso aos terminais eletrônicos.

“A pessoa pode optar por deixar só a biometria facial ou, ainda, agregar senha já cadastrada”, explica o gerente de soluções biométricas da NEC, Rafael Vida. “É um meio de os bancos agilizarem o atendimento sem interferir na segurança financeira e de dados.”

Controle e segurança

Em outra área do estande da NEC, visitantes poderão conferir soluções de biometria e de inteligência artificial para controle e segurança.

Uma das tecnologias apresentadas é um terminal que reconhece a face de quem embarca em voos em aeroportos.

Para a leitura facial, a pessoa nem ao menos precisa ficar parada defronte à câmera, já que a leitura é feita de modo quase instantâneo.

Outra solução biométrica é o reconhecimento facial em câmeras de segurança.

É possível cadastrar rostos de acordo com a aplicação – como pessoas desaparecida ou criminosos procurados – e identificá-los rapidamente num sistema que lê as imagens em tempo real.

Por fim, outra tecnologia apresentada pela NEC é uma inteligência artificial que aprimora a qualidade das imagens de câmeras de segurança, facilitando a leitura de placas de carro.

“Você pode agregar esses recursos às câmeras de uma cidade e facilitar procedimentos de segurança, controle e personalização”, conclui o diretor de marketing da NEC, Andre Eleterio.

Comentários

comentários

Publicações relacionadas

Curso da THNK será oferecido no Brasil em junho / Divulgação

Quais são os desafios de ser um líder inovador

A inovação exige trabalho duro. Um grande desafio das empresas é, depois de coletar ideias, colocar em prática os projetos de inovação. Mark Vernooij, sócio da THNK, escola holandesa de liderança criativa, conversou com o inova.jor, sobre os desafios de ser um líder inovador. Ele destacou cinco características: É preciso[…]

Leia mais »
Software não licenciado pode tornar o computador vulnerável a vírus / Frerieke/Creative Commons

Qual é a relação entre software pirata e segurança

Os investimentos em tecnologia da informação e segurança têm crescido no Brasil. A preferência por software pirata, no entanto, ainda é grande por aqui. Jodie Kelley, conselheira geral e vice-presidente sênior de combate à pirataria da BSA, esteve no Brasil na última semana. Ela falou ao inova.jor sobre os riscos para as empresas que[…]

Leia mais »

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *