inova.jor

inova.jor

Como a biometria revoluciona a segurança e o varejo

NEC apresenta soluções de biometria e inteligência artificial no Futurecom / Divulgação
NEC apresenta soluções de biometria e inteligência artificial no Futurecom / Divulgação 

A NEC trouxe um pedaço do Japão ao Brasil em seu estande no Futurecom, evento que termina amanhã (18/10) em São Paulo.

Comemorando 50 anos de existência no País, a companhia construiu um espaço em que simula uma estação de trem totalmente conectada, com tecnologias que prometem revolucionar a segurança, varejo e serviços financeiros.

Numa das áreas do estande, a NEC apresenta uma cafeteria do futuro. Nela, o cliente encontra opções para se relacionar de maneira mais prática e conectada com lanchonetes, mercados, restaurantes e outros ambientes do varejo físico.

Uma dessas tecnologias é um totem que, por meio de uma câmera, identifica o cliente por biometria facial e personaliza seu atendimento.

Ficam registrados no sistema produtos que a pessoa costuma comprar ali ou, ainda, dados do cartão de crédito, que é liberado para pagamento após o cliente inserir uma senha de fidelidade para aquela loja.

Enquanto isso, na cozinha da cafeteria, os cozinheiros recebem o pedido de maneira virtual e com uma foto do cliente, facilitando a identificação e humanizando o atendimento.

“O grande diferencial desse tipo de atendimento é a personalização e a praticidade que o cliente passa a encontrar no varejo. Era algo que só existia no ambiente virtual”, contextualiza Alexandre Samoya, gerente de soluções para o varejo da NEC.

Reconhecimento facial

Além disso, na mesma área de soluções para comodidade e personalização de atendimento, há um caixa eletrônico com soluções biométricas.

O consumidor chega, seleciona como quer pagar e um QR Code aparece na tela. Nesse momento, a pessoa saca o celular e, com um aplicativo do banco, lê o código e faz a leitura da face.

É uma maneira mais segura e prática de lidar com pagamentos, impedindo fraudes com cartões e facilitando o acesso aos terminais eletrônicos.

“A pessoa pode optar por deixar só a biometria facial ou, ainda, agregar senha já cadastrada”, explica o gerente de soluções biométricas da NEC, Rafael Vida. “É um meio de os bancos agilizarem o atendimento sem interferir na segurança financeira e de dados.”

Controle e segurança

Em outra área do estande da NEC, visitantes poderão conferir soluções de biometria e de inteligência artificial para controle e segurança.

Uma das tecnologias apresentadas é um terminal que reconhece a face de quem embarca em voos em aeroportos.

Para a leitura facial, a pessoa nem ao menos precisa ficar parada defronte à câmera, já que a leitura é feita de modo quase instantâneo.

Outra solução biométrica é o reconhecimento facial em câmeras de segurança.

É possível cadastrar rostos de acordo com a aplicação – como pessoas desaparecida ou criminosos procurados – e identificá-los rapidamente num sistema que lê as imagens em tempo real.

Por fim, outra tecnologia apresentada pela NEC é uma inteligência artificial que aprimora a qualidade das imagens de câmeras de segurança, facilitando a leitura de placas de carro.

“Você pode agregar esses recursos às câmeras de uma cidade e facilitar procedimentos de segurança, controle e personalização”, conclui o diretor de marketing da NEC, Andre Eleterio.

Comentários

comentários

Publicações relacionadas

Mike Gregoire, da CA Technologies, afirma que empresa precisam atualmente ser 'feitas para mudar' / Renato Cruz/inova.jor

CA: ‘Toda empresa é uma empresa de software’

LAS VEGAS O relacionamento de uma empresa com seus clientes e fornecedores está cada vez mais digital. Por causa disso, os processos internos da companhia também precisam estar integrados via software. “Estamos no amanhecer da quarta revolução industrial, que é movida a software”, afirmou Mike Gregoire, presidente executivo da CA[…]

Leia mais »
Cláudio Ferrari, da Sboc, participou de evento sobre gestão da informação aplicada à saúde / Renato Cruz/inova.jor

Análise de dados pode ajudar a salvar vidas

A saúde brasileira ainda precisa passar por uma revolução de informação. Segundo estudo da McKinsey, a adoção de tecnologias de análise de dados e big data poderia trazer um ganho de eficiência de 35% ao setor. Cláudio Ferrari, secretário de Comunicação Social da Sociedade brasileira de Oncologia Clínica (Sboc) participou[…]

Leia mais »

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Bitnami