inova.jor

inova.jor

Ericsson: ‘5G precisa de legislação atualizada’

A quinta geração das comunicações móveis (5G) deve chegar ao Brasil em 2020, segundo Eduardo Ricotta, presidente da Ericsson no país.

Em entrevista ao inova.jor TIC, o executivo defendeu a necessidade de se atualizar a legislação.

“O 5G está chegando em frequências baixas e altas”, explicou. “Precisamos ter uma lei mais razoável para licenciar as antenas. Talvez no escopo federal e não municipal.”

Alguns países, como os Estados Unidos, têm flexibilizado leis que tratam da instalação de infraestrutura, destacou Ricotta.

“Na frequência alta de 5G, vai haver antenas a cada 100, 200 metros”, explicou. “A legislação de hoje não consegue se adequar à necessidade do 5G em alta frequência. Esse é um tema importante para endereçarmos no próximo governo.”

Ele também ressaltou a importância de se aprovar o Projeto de Lei (PL) 79, que atualiza a Lei Geral de Telecomunicações (LGT), para incentivar investimentos no setor.

“Acho que vai ter mais dinheiro no mercado de telecomunicações e girar a roda para todos os fornecedores e para o mercado em geral”, disse.

Custos de frequências

Ricotta também defendeu que os leilões de frequência tenham custos menores no Brasil.

“Quando comparamos o Brasil com outros países, tanto na Europa, América do Norte ou Ásia, os custos das licenças por MHz chegam a ser 10, 12 vezes mais caros do que em países mais desenvolvidos”, explicou.

O executivo apontou quatro áreas com grande potencial de desenvolvimento para a tecnologia 5G no Brasil.

A primeira é a banda larga móvel. “A banda larga móvel continua a crescer rapidamente e precisamos reduzir o custo por gigabit. Isso vai se dar por meio de tecnologias como o 5G.”

Outra área de grande potencial é o acesso fixo sem fio. “No Brasil, dependemos mais da rede móvel do que nos países desenvolvidos. Na Europa, tem muita fibra na casa das pessoas.”

Além disso, o presidente da Ericsson no Brasil enxerga muito espaço para aplicações de internet das coisas, tanto de uso de massa quanto de missão crítica.

Pesquisa e desenvolvimento

Atualmente, o Brasil está entre os 10 maiores mercados mundiais para a Ericsson. É um dos quatro países em que a empresa possui fábrica.

A equipe local de pesquisa e desenvolvimento da Ericsson é formada por 600 pessoas, que desenvolvem soluções para todo o mundo, principalmente na área de bilhetagem.

Para saber mais, acompanhe a entrevista em vídeo com Eduardo Ricotta, da Ericsson, ao inova.jor TIC, que tem apoio da Associação Brasileira de Telecomunicações (Telebrasil).

Comentários

comentários

Publicações relacionadas

Liderada por Murilo Pessatti, a Chipus desenvolve circuitos integrados para clientes globais / Divulgação

Internet das coisas cria oportunidades em circuitos integrados

Apesar de mais de uma década de políticas de incentivo, a indústria brasileira de semicondutores ainda é pouco desenvolvida. Isso não é considerado obstáculo para a Chipus Microeletrônica, que desenvolve circuitos integrados para clientes no Brasil e, principalmente, no exterior. Na próxima quinta-feira (30/11), a Chipus realiza em Florianópolis o[…]

Leia mais »
Medicamentos: André Kina, da 4Bio, aponta o custo do capital como um dos maiores problemas para o empreendedor brasileiro / Renato Cruz/inova.jor

4Bio: ‘Empreendedor precisa olhar o caixa com lupa’

No começo do ano passado, André Kina, presidente e fundador da 4Bio Medicamentos Especiais, recebeu uma notícia preocupante do seu diretor financeiro: a empresa teria problemas de capital no quarto trimestre. “O risco era muito grande”, afirma Kina. “Sempre crescemos de forma acelerada e o calcanhar de Aquiles da empresa[…]

Leia mais »

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *