inova.jor

inova.jor

Como a digitalização de pontes e viadutos pode evitar desastres

A digitalização de pontes e viadutos reduz custos de manutenção / Divulgação
A digitalização de pontes e viadutos reduz custos de manutenção / Divulgação

Em 2018, fomos impactados com dois casos bem peculiares em viadutos no País.

O primeiro foi em Brasília, no Eixão Sul, que caiu logo no começo do ano, mais precisamente em fevereiro, causando ainda grande transtorno, já que até o momento continua sendo reconstruído.

E o custo? Já ultrapassou R$ 10 milhões.

Agora, mais recentemente, foi a vez do viaduto do Jaguaré na Marginal Pinheiros, em São Paulo, sofrer com a falta de manutenção e transformar a cidade em um verdadeiro caos sem data para terminar.

Até o momento não existe prazo para resolução e muito menos o custo, mas com certeza terá número parecido ou até maior que o primeiro exemplo.

Então como seria possível evitar estes prejuízos milionários?

Existem maneiras tradicionais de se fazer a manutenção preventiva para esses tipos de estrutura, entre elas, levantar pessoalmente das condições, executar ensaios de qualidade para tentar identificar possíveis patologias.

Todos os dados encontrados e analisados devem então ser confrontados com o projeto original para tentar localizar inconsistências ou alterações.

Mas é aí que começam todos os problemas: primeiro temos a questão do tempo para fazer todos estes levantamentos e ensaios, segundo os projetos originais quase todos já foram perdidos.

Mesmo quando ainda são feitos dessa maneira, os dados ainda são analógicos, geralmente em papéis, que muitas vezes não são armazenados ou anexados aos projetos originais, mesmo porque já se perderam.

Imagine, hoje, alguém chegar para o prefeito de uma grande cidade e perguntar quais são os três maiores problemas nas suas pontes/viadutos?

Poucos iriam saber exatamente a resposta, aposto que seriam “estão com rachaduras” ou “estão com problemas diversos”.

Detecção de alterações

Aqui começa a entrar a tecnologia.

Hoje temos ferramentas tecnológicas que podem fazer boa parte do trabalho e sistematizar o projeto de verificação, análise, simulação de cenários e até predição de problemas.

Com alguns cliques no mouse é possível ter um relatório completo das principais alterações detectadas no período de um ano, um mês ou uma semana, por exemplo.

Primeiro passo é a criação do gêmeo digital da estrutura.

Isso é totalmente possível, hoje esse processo pode ser feito por meio de verificações a laser, drones e até levantamentos tradicionais unidos, que podem levar para um computador a exata imagem tridimensional com todas as características geométricas totalmente mesuráveis e verificais.

Além disto, usando um software é possível remodelar a mesma estrutura com todas as suas características, não só geométricas, mas também identificar qual é o tipo de material dos múltiplos componentes, sua resistência, a pressão, a torção, a abrasão, a lixiviação etc.

Qual a quantidade de ferragem, drenagem, o tipo de pavimento, o passeio, a sinalização, entre milhares de outras possibilidades.

Tudo pode ser reescrito com todas suas características dentro do computador, isto é chamado de Building Information Modeling (BIM).

Simulações

Com o gêmeo digital dentro do computador com todas as suas características reais e suas condições de contorno dentro de um sistema computacional, é possível fazer o que quiser dentro de um ambiente controlado e simular o que bem entender:

  • E se chover demais?
  • E se esta determinada estrutura se romper?
  • E se um caminhão bater neste pilar?
  • E se?

Enfim, podemos testar o que quisermos, e assim achar uma alternativa para aquele possível acontecimento.

Se todos os processos forem feitos de maneira digitalizada é possível definir o orçamento preciso e como será necessário atuar de forma mais rápida e eficaz.

Cidades como Brasília e São Paulo possuem milhares de estruturas como pontes e viadutos.

É essencial o uso de tecnologias que automatizem e gerem informações confiáveis, testáveis e seguras.

Uma coisa é certa sobre tudo o que escrevi aqui: o investimento é menor, tanto em custo financeiro direto e indireto, quanto em tempo.

  • Pedro Soethe é especialista técnico da área de Arquitetura, Engenharia e Construção (AEC) da Autodesk no Brasil

Comentários

comentários

Publicações relacionadas

É preciso investir em agilidade, produtividade e personalização no atendimento / Renato Araújo/Agência Brasília

Como melhorar a reputação do atendimento ao cliente

Muitos clientes sentem arrepio quando percebem que precisarão entrar em contato com uma empresa, principalmente por telefone. Pode ser devido a um produto que veio quebrado, uma dúvida que precisa tirar ou simplesmente para perguntar onde fica a filial mais próxima: a maioria dos clientes não deseja iniciar uma conversa[…]

Leia mais »

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Bitnami