inova.jor

inova.jor

Por que é importante fazer gestão de software

Programas de gestão de ativos de software reduzem ameaças / Tiago Queiroz/inova.jor
Programas de gestão de ativos de software reduzem ameaças / Tiago Queiroz/inova.jor

Ameaças digitais são um problema grande para empresas, seja lá qual for o segmento de atuação.

Segundo o estudo Global Software Survey (GSS) 2018, encomendando pela BSA Software Alliance e que avalia o uso do software irregular e suas consequências em 110 países, entre eles o Brasil, empresas podem demorar até 243 dias para identificar um ataque cibernético e outros 50 para resolvê-lo.

Esses ataques custam em média US$ 2,4 milhões para a companhia, o que se traduz numa baixa de 0,8% no Produto Interno Bruto (PIB) global.

E os riscos são cada vez maiores, já que um novo tipo de malware é criado a cada oito segundos.

Muitas vezes, infecções de malware estão ligadas diretamente ao uso de software não licenciado.

Por isso, é importante que CIOs estabeleçam programas de gerenciamento de ativos de software, conhecidos pela sigla em inglês SAM (Software Asset Management), para proteger seus ambientes digitais.

Resultados melhores

Pitanga, da BSA / Divulgação
Pitanga, da BSA / Divulgação

O processo é composto por um conjunto de práticas de TI que controla e otimiza o uso de softwares nas companhias.

Ele ajuda as organizações a saberem exatamente o que está instalado em suas máquinas, reduzindo o risco de ataques cibernéticos em 54% e aumentando a produtividade da TI em 35%.

Mas os benefícios do SAM não param por aí. A gestão de ativos de software também impulsiona resultados.

As empresas que a adotam registram até 11% de aumento nos lucros e clientes e parceiros 26% mais satisfeitos.

O processo também gera 32% de economia nos custos da companhia com softwares, já que a prática também diminui os gastos com licenças redundantes.

Finalmente, a prática também blinda a reputação da organização.

Empresas que adotam o SAM correm 43% menos risco de enfrentar problemas legais ligados a softwares.

Dessa maneira, também ficam 28% menos suscetíveis a danos à sua imagem pela associação ao uso ilegal de software.

A gestão de ativos de software é imprescindível para grandes empresas, mas também é crucial para as pequenas, especialmente porque os prejuízos de um ataque cibernético tendem a ser ainda mais impactantes para elas do que para os grandes players.

Assim, a prática deve estar no radar de CIOs e empresários que querem que seus negócios cresçam de maneira saudável, independentemente do setor, tamanho e abrangência.

  • Antonio Eduardo Mendes da Silva (Pitanga), country manager da BSA no Brasil

Comentários

comentários

Publicações relacionadas

WannaCry explora vulnerabilidade que já era conhecida da comunidade de segurança / Creativity103/Creative Commons

WannaCry é ponto de inflexão na indústria de segurança

Como já é de amplo conhecimento público, o código malicioso WannaCry atingiu escala mundial, afetando, até o momento desta analise, cerca de 200 mil sistemas em mais de 150 países. Desse total, a Rússia aparece como o pais mais afetado, com 113.692 sistema, e o Brasil é o quinto da lista, com[…]

Leia mais »
Tulsa encontrou resposta ao problema dos sem teto nas contas de luz / Nicolas Henderson

Há um tesouro escondido nas contas de luz

Quanto menor o orçamento de uma cidade, mais valiosas são as suas bases de dados. Elas são fontes riquíssimas para tomada de decisões pelo poder público sobre seus investimentos e ações, e para o acompanhamento dos resultados obtidos tanto por parte do próprio poder público quanto da população. Dados que[…]

Leia mais »

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Bitnami