inova.jor

inova.jor

Por que é importante fazer gestão de software

Programas de gestão de ativos de software reduzem ameaças / Tiago Queiroz/inova.jor
Programas de gestão de ativos de software reduzem ameaças / Tiago Queiroz/inova.jor

Ameaças digitais são um problema grande para empresas, seja lá qual for o segmento de atuação.

Segundo o estudo Global Software Survey (GSS) 2018, encomendando pela BSA Software Alliance e que avalia o uso do software irregular e suas consequências em 110 países, entre eles o Brasil, empresas podem demorar até 243 dias para identificar um ataque cibernético e outros 50 para resolvê-lo.

Esses ataques custam em média US$ 2,4 milhões para a companhia, o que se traduz numa baixa de 0,8% no Produto Interno Bruto (PIB) global.

E os riscos são cada vez maiores, já que um novo tipo de malware é criado a cada oito segundos.

Muitas vezes, infecções de malware estão ligadas diretamente ao uso de software não licenciado.

Por isso, é importante que CIOs estabeleçam programas de gerenciamento de ativos de software, conhecidos pela sigla em inglês SAM (Software Asset Management), para proteger seus ambientes digitais.

Resultados melhores

Pitanga, da BSA / Divulgação
Pitanga, da BSA / Divulgação

O processo é composto por um conjunto de práticas de TI que controla e otimiza o uso de softwares nas companhias.

Ele ajuda as organizações a saberem exatamente o que está instalado em suas máquinas, reduzindo o risco de ataques cibernéticos em 54% e aumentando a produtividade da TI em 35%.

Mas os benefícios do SAM não param por aí. A gestão de ativos de software também impulsiona resultados.

As empresas que a adotam registram até 11% de aumento nos lucros e clientes e parceiros 26% mais satisfeitos.

O processo também gera 32% de economia nos custos da companhia com softwares, já que a prática também diminui os gastos com licenças redundantes.

Finalmente, a prática também blinda a reputação da organização.

Empresas que adotam o SAM correm 43% menos risco de enfrentar problemas legais ligados a softwares.

Dessa maneira, também ficam 28% menos suscetíveis a danos à sua imagem pela associação ao uso ilegal de software.

A gestão de ativos de software é imprescindível para grandes empresas, mas também é crucial para as pequenas, especialmente porque os prejuízos de um ataque cibernético tendem a ser ainda mais impactantes para elas do que para os grandes players.

Assim, a prática deve estar no radar de CIOs e empresários que querem que seus negócios cresçam de maneira saudável, independentemente do setor, tamanho e abrangência.

  • Antonio Eduardo Mendes da Silva (Pitanga), country manager da BSA no Brasil

Comentários

comentários

Publicações relacionadas

A Gillette foi comprada pela P&G por US$ 10,5 bilhões em 2004 / Faruk Ates

Como transformar empresas tradicionais em máquinas de inovação

Inovação está na agenda de todos os CEOs de empresas tradicionais, seja por pressão do conselho de administração ou preocupação com a velocidade com que novas empresas destronam companhias com maior tempo de mercado. Segundo a consultoria Innosight, em 1965, empresas listadas entre as maiores do índice S&P 500 estavam[…]

Leia mais »
A Locaweb registrou um aumento na demanda por serviços de hospedagem de sites / Renato Cruz/inova.jor

Quais são os impactos da Lei de Proteção de Dados

  O futuro ninguém pode prever, mas, aconteça o que acontecer, o dia 14 de agosto de 2018 entrará para história jurídica brasileira, quiçá para a história geral do país. Essa é a data em que a Lei Geral de Proteção de Dados Pessoais, que por tantos anos foi um[…]

Leia mais »

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *