inova.jor

inova.jor

Por que é difícil desligar a TV analógica

Ana Cláudia Souza é beneficiária do Bolsa Família e recebeu o kit de TV digital / Ana Nascimento/MDS
Ana Cláudia Souza é beneficiária do Bolsa Família e recebeu o kit de TV digital / Ana Nascimento/MDS

O decreto presidencial que criou a TV digital em 2006 previa que os canais analógicos seriam desligados neste ano. O espectro ocupado por eles será usado para ampliar a telefonia celular de quarta geração (4G).

Primeiro, a data final do desligamento foi remarcada para 2018. Depois, a experiência mostrou que esse prazo também não é factível. Na maioria das cidades, o apagão analógico acontecerá somente em 2028.

Rio Verde, em Goiás, foi a cidade-piloto desse processo. Lá, o desligamento, inicialmente previsto para novembro de 2015, aconteceu somente em fevereiro deste ano. Inicialmente, foram oferecidos kits gratuitos com conversor e antena para os beneficiários do Bolsa Família. Não foi o suficiente.

O benefício precisou ser ampliado para os cidadãos inscritos no Cadastro Único (do qual o Bolsa faz parte), que equivalem ao dobro do número de pessoas previsto inicialmente.

“Com o trabalho em Rio Verde, percebemos que não vai ser possível desligar o País inteiro até 2018”, disse Antonio Carlos Martelletto, diretor geral da Entidade Administradora da Digitalização (EAD). O desligamento nos próximos dois anos ficou limitado a 61 grandes centros urbanos, que concentram uma população de 127 milhões.

“Nas demais cidades, o espectro já está descongestionado e é possível liberar a faixa de 700 MHz (que será ocupada pelo 4G) sem desligar a TV analógica”, explicou Martelleto, acrescentando que até mesmo as capitais das Regiões Norte e Nordeste, que entraram no cronograma até 2018, poderiam ter ficado para 2023.

A EAD foi criada por Vivo, TIM, Claro e Algar, as operadoras de telecomunicações que compraram em 2014 as novas licenças de 4G. A Oi não participou do leilão. A entidade tem um orçamento de R$ 3,6 bilhões para tornar possível o desligamento da TV analógica.

Além da distribuição de conversores e antenas, a EAD deve financiar remanejamento de canais, quando isso for necessário para liberar o espectro do 4G, e medidas de mitigação de interferência.

Alcance da TV aberta

A meta para o desligamento dos canais analógicos era de que 93% das residências tivessem recepção digital. Em Rio Verde, os canais foram desligados com 85% das residências capazes de receber o sinal digital.

“Em Rio Verde, dobramos a capacidade de atendimento do call center depois do desligamento, mas não houve aumento de chamadas”, disse Martelleto. Naquela cidade, 25 mil famílias tinham direito ao kit, e foram distribuídos 15 mil. No Brasil todo, a previsão são 13 milhões de famílias.

A edição mais recente da Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios (Pnad), do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), mostrou que 97,2% das residências brasileiras têm televisão.

“Mais ou menos 40% dependem da TV terrestre e, nos grandes centros, esse percentual é menor”, afirmou Gunnar Bedicks, diretor técnico da EAD.

Bedicks aponta que cerca de 19 milhões de residências são atendidas pela TV paga e cerca de 15 milhões usam parabólica. “A TV aberta está restrita à população de baixa renda”, completou o diretor da EAD.

A próxima cidade a ter o sinal analógico desligado é Brasília, em 26 de outubro deste ano. Para São Paulo, a data é 29 de março.

Comentários

comentários

Publicações relacionadas

Samsung lançará o BixBy no Brasil nos aparelhos S8 e S8+ a partir de junho / Mariana Lima / inova.jor

Samsung traz ao Brasil assistente pessoal que só se comunica em inglês

A Samsung criou a Bixby para entrar no mercado de assistentes pessoais dotadas de inteligência artificial. O sistema responde a comandos de voz e interage com a câmera. A assistente pessoal estará disponível nos celulares de topo de linha da marca, o Galaxy S8 e o S8+, apresentados ontem (17/4) no Brasil. Ambos os[…]

Leia mais »
Rede SigFox deve estar disponível em 12 grandes cidades e em propriedades rurais no Mato Grosso / Renato Cruz/inova.jor

Quais redes vão conectar a internet das coisas

Apesar de toda discussão sobre a importância das comunicações móveis de quinta geração (5G), o desenvolvimento da internet das coisas deve demandar outros tipos de conectividade. Uma peça importante desse quebra-cabeça são as redes de longo alcance e baixa potência (LPWAN, na sigla em inglês), cujas principais alternativas são SigFox[…]

Leia mais »

2 comments

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Bitnami