inova.jor

inova.jor

Procuram-se empresas para desenvolver cidades inteligentes

 Fabiano Hessel afirma que 7 bilhões de pessoas devem estar conectadas diariamente até 2020. Foto: Mariana Lima
Hessel afirma que 7 bilhões de pessoas devem estar conectadas diariamente até 2020 / Mariana Lima/inova.jor

PORTO ALEGRE

O mercado de cidades inteligentes (smart cities) e internet das coisas (IoT, na sigla em inglês) no Brasil é pouco aproveitado pelas empresas brasileiras.

Segundo Fabiano Hessel, coordenador do Centro de Inovação para Cidades Inteligentes e IoT e professor da PUC do Rio Grande do Sul (PUCRS), o valor estimado de negócios gerados por meio dessas tecnologias chega a US$ 70 bilhões no Brasil.

Em termos mundiais, estima-se que o valor de negócios de cidades inteligentes e internet das coisas seja de US$ 4,6 trilhões. O valor atrativo, segundo o especialista, é consequência de uma população cada vez mais conectada.

“Nos próximos quatro anos, teremos 7 bilhões de pessoas no mundo conectadas por meio de dispositivos. A média será de sete dispositivos por pessoa que fornecerão informações constantemente por meio de celulares, relógios, calçados etc.”, completou Hessel.

Os números foram apresentados ontem (31) durante a inauguração do Centro de Inovação para Cidades Inteligentes e IoT, no Parque Tecnológico da PUCRS (Tecnopuc), em Porto Alegre. O espaço é fruto de parceria entre a multinacional chinesa Huawei e a PUCRS, além do governo do Rio Grande do Sul e da prefeitura de Porto Alegre.

Vantagens e desafios

O evento de inauguração foi acompanhado de debates sobre as vantagens e desafios de se ter uma cidade inteligente e IoT no Brasil.

Entre os principais desafios técnicos apontados pelo especialista está a necessidade de redes disponíveis espalhados por todo o município. A estrutura é primordial para a conectividade dos serviços inteligentes.

Outro motivo que dificulta a entrada de empresas neste mercado é a falta de conhecimento sobre os termos adotados. Segundo Hessel, é comum a confusão entre o significado de cidade inteligente e cidade digital.

“Smart city é uma cidade que percebe o contexto, analisa os dados, levando sempre em consideração o cidadão. Esse tipo de cidade antecipa o que o cidadão quer, fornecendo dados para que ele seja ativo e tomador de decisão. Divulgar dados aleatórios na internet, sem a análise, é ser uma cidade digital”, afirmou.

A estimativa é que a parceria entre universidade e empresas transforme Porto Alegre na primeira capital inteligente do Brasil.

“Criamos uma plataforma aberta para as empresas que desejam participar da transformação em Porto Alegre numa smart city. O sistema está disponível para as empresas interessadas em desenvolver aplicações ou dispositivos para a nossa cidade”, concluiu o professor.

  • A jornalista viajou a convite da Huawei

Comentários

comentários

Publicações relacionadas

Parte do sistema foi desenvolvido no Thomas J. Watson Research Center / Daniel Langer

Como evitar preconceito e injustiça na inteligência artificial

A inteligência artificial pode reproduzir, inadvertidamente, preconceitos humanos. Por exemplo, um sistema desenhado para apontar qual é o melhor perfil de dirigente de grande empresa, com base nas 500 maiores da Fortune, corre o risco de chegar à conclusão de que CEOs precisam ser homens brancos. Mal aplicada, a computação[…]

Leia mais »
A Accenture acaba de inaugurar um Analytics Innovation Center no Rio / Divulgação

Accenture inaugura centro de inteligência analítica no Rio

A Accenture criou um centro de inovação em inteligência analítica no Rio de Janeiro. A empresa também opera Analytics Innovation Centers em Barcelona, Dublin, Atenas, Madri e Cingapura. O centro brasileiro conta com mais de 200 profissionais, incluindo cientistas, engenheiros e arquitetos de dados. Eles desenvolvem projetos de análise e utilização estratégica[…]

Leia mais »

1 comment

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *