inova.jor

inova.jor

Empreendedores enfrentam a crise via internet

A Locaweb registrou um aumento na demanda por serviços de hospedagem de sites / Renato Cruz/inova.jor
A Locaweb registrou um aumento na demanda por serviços de hospedagem de sites / Renato Cruz/inova.jor

A crise tem incentivado o empreendedorismo digital no Brasil. O País tem hoje, segundo o Registro.br, 3,8 milhões de domínios registrados. Há um ano, eram 3,6 milhões.

Raquel Dalastti, gerente de Marketing de Produtos  IaaS e PaaS da Locaweb, afirma que a empresa têm registrado crescimento forte nos serviços de hospedagem de sites, incentivado pelo surgimento de novos empreendedores.

“O novo empreendedor cria uma operação digital por saber que o investimento inicial é menor, com menos despesas fixas”, explica Raquel. “Conseguimos bater as metas de faturamento nos primeiros três meses deste ano.”

Um estudo divulgado recentemente pelo Sebrae mostrou avanço na criação de empresas no Brasil. A taxa total de empreendedorismo no País passou de 34,4% em 2014 para 39,3% no ano passado.

Isso quer dizer que 52 milhões de brasileiros, com idade de 18 a 64 anos, estavam envolvidos na criação ou manutenção de algum negócio.

O avanço aconteceu principalmente em empreendedores iniciais, que passaram de 17,2% em 2014 para 21%.

A taxa de empreendedores motivados por oportunidades, no entanto, caiu. De 2012, ela esteve próxima de 70%, ficando em 56,5% no ano passado.

O aumento do percentual de empreendedores por necessidade pode ser visto como um reflexo da crise econômica.

Divulgação

Raquel Dalastti destaca a importância, para os novos empreendedores, de conhecer conceitos de divulgação dos seus sites, como SEO (sigla em inglês de otimização para mecanismos de busca) e campanhas em redes sociais.

“As pessoas não vão chegar milagrosamente na sua página”, afirma a gerente da Locaweb.

Especializada em marketing digital, a Predicta, que pertence ao Grupo RBS, aposta em pequenas e médias empresas para crescer neste ano. “Esse é mercado promissor”, diz Henrique Paulino, gerente comercial da empresa.

A Predicta fechou recentemente um acordo com o MercadoShops, unidade de lojas online do MercadoLivre. “O MercadoShops tem 15 a 20 mil pequenos ecommerces”, destaca Paulino. “Um deles, com quem trabalhamos, fatura de R$ 200 mil a R$ 250 mil por mês vendendo bonecos colecionáveis, e gasta de R$ 6 mil a R$ 7 mil em campanhas.”

Comentários

comentários

Publicações relacionadas

A startup argentina Nuvem Shop mira no e-commerce para empreendedor por necessidade do Brasil / Divulgação

Startups apostam no crescimento do comércio eletrônico

O comércio eletrônico tem crescido a passos largos no País. Com a crise econômica, empreendedores por necessidade têm apostado na internet para fazer negócios. Somente em 2015, 39,1 milhões de pessoas compraram online, totalizando 106,5 milhões de pedidos, segundo pesquisa da Ebit. Os valores do ano passado ainda não foram divulgados, mas a estimativa[…]

Leia mais »
Em parceria com a ACE, o programa do BTG Pactual busca startups mais maduras / Divulgação

BTG Pactual lança o programa de startups BoostLab

O BTG Pactual lançou hoje (5/2) o programa BoostLab, voltado para startups mais maduras, conhecidas como scale-ups. Em parceria com a aceleradora ACE, prevê parcerias e projetos-piloto com o banco, fornecedores e outros integrantes de seu ecossistema. As inscrições terminam em 15 de março. As statups terão mentoria dos sócios[…]

Leia mais »

1 comment

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *