inova.jor

inova.jor

Falta investimento em infraestrutura de banda larga

Infraestrutura: Discussão sobre franquia de dados da banda larga tem se limitado ao acesso / mohsend72/Creative Commons
Discussão sobre franquia de dados da banda larga tem se limitado ao acesso / mohsend72/Creative Commons

Carlos Brito

A principal discussão que tem mobilizado a internet nos últimos meses no Brasil é a franquia de dados nos pacotes de banda larga. Desde que as operadoras começaram a divulgar que passariam a oferecer em breve pacotes com limites nos contratos, diversos usuários, autoridades, entidades e movimentos ligados à internet passaram a se manifestar sobre o tema, sobretudo por meio de redes sociais.

Para entender melhor essa discussão, é importante abordar um ponto pouco explorado: a infraestrutura.  É preciso ter uma visão ampliada sobre as redes como um todo para o País conseguir suportar a demanda cada vez mais crescente de conexão de alta velocidade.

Em linhas gerais, o acesso à internet é dividido por algumas camadas. A discussão tem ficado restrita à última camada, a de acesso, que é a que de fato chega aos clientes, fazendo o transporte de informação entre o terminal do usuário e o primeiro ponto de acesso da rede. Antes disso, há outras camadas, como a de agregação e a de backbone (espinha dorsal da rede), e, suportando tudo isso, uma parte essencial do processo: a camada de transporte.

É na camada de transporte, juntamente com o backbone, em que está o principal gargalo das operadoras de telecomunicações do Brasil. O investimento nessas camadas está aquém da demanda e, sem uma estrutura sólida nesse sentido, uma provedora não consegue crescer e o desequilíbrio causado por essa falta de estrutura é percebido mais para frente. Por outro lado, da mesma forma que o investimento é necessário, surgem as dificuldades de capacidade de investimento das empresas, sobretudo num momento desafiador como o atual do país.

Longo prazo

Infraestrutura: Carlos Brito, da ECI / Divulgação
Carlos Brito, da ECI / Divulgação

Uma busca constante das empresas é de diminuir o capex (despesas de capital ou investimento em bens de capital) e o opex (despesas operacionais). Por isso, cada vez mais precisam ir em busca de equipamentos com vida longa, que olham para o futuro e não necessitam de novos investimentos de grande porte, a curto prazo. O pensamento precisa ser em longo prazo.

Duas tecnologias estão revolucionando a forma de operação das redes de telecomunicações, respondendo às demandas no tráfego dos usuários: Software-Defined Networks (SDN) e Network Functions Virtualization (NFV). O SDN centraliza todas as funções das camadas de rede num mesmo dispositivo, por meio de tecnologias controladoras e programáveis, enquanto o NFV consiste na substituição de hardware especializado por máquinas virtuais. O investimento nesses tipos de tecnologias se torna cada dia mais necessário. Esse é o caminho para as operadoras, enfim, se prepararem para atender a demanda de internet do país.

Esse cenário de infraestrutura não chega aos olhos do consumidor final, que se questiona sobre os verdadeiros motivos das operadoras limitarem o acesso à internet. Certamente não é por falta de investimento na camada de acesso, que é algo que não tem trazido problemas. Está na infraestrutura. As prestadoras não crescem o backbone e a camada de transporte na medida da necessidade.

Um exemplo prático: com uma internet de 50 Mega, a camada de acesso suporta tranquilamente um streaming. O problema está dali para frente. No backbone, são centenas de pessoas pedindo acesso a streaming simultaneamente e assim a rede não suporta a demanda. Ou seja, não adianta a operadora prover 50 ou 100 Mega para o cliente, sendo que nas outras camadas está atuando com 15 Mega.

Todos os efeitos dessa discussão caem na questão de infraestrutura da camada de transporte e backbone, que precisam se tornar prioridade das operadoras para que a situação não precise chegar ao ponto de limitação de acesso.

  • Carlos Brito é gerente geral para a América Latina da ECI

Comentários

comentários

Publicações relacionadas

A Atos é responsável pela integração de sistemas das Olimpíadas / Divulgação

Administrar contratos de vários fornecedores é um desafio

Um dos principais desafios de uma grande empresa está na relação com seus fornecedores, já que normalmente leva-se anos para construir uma rede de parceiros confiáveis. E mesmo após alcançar esse feito, não há garantia de que os produtos e serviços contratados serão sempre os melhores, nem que o custo[…]

Leia mais »
A União Europeia anunciou uma iniciativa para levar banda larga para todas as pessoas e empresas / Groman123/Creative Commons

Setor precisa de novas políticas públicas

Quando a Lei Geral de Telecomunicações (LGT) foi criada, os definidores do marco regulatório estudaram modelos adotados para as telecomunicações em várias partes do mundo. Políticas públicas internacionais de sucesso costumam permear as discussões sobre melhorias no mercado nacional. Numa época de mudanças estruturais e de revisão do modelo regulatório[…]

Leia mais »

1 comment

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *