inova.jor

inova.jor

O que muda no esporte com o design generativo

Bicicleta criada com software de design generativo / Divulgação
Bicicleta criada com software de design generativo / Divulgação

O que você acha da bicicleta acima? Ela foi projetada por um algoritmo.

Com um software de design generativo, o projetista definiu características gerais do objeto, como dimensões e resistência, e o sistema gerou inúmeras alternativas.

“Com o design generativo, o papel da ferramenta começa a mudar e ela começa a tomar decisões sozinha, claro que baseada em conceitos e regras de projeto definidas por nós”, afirma Raul Arozi, técnico especialista da Autodesk. “Usando a computação infinita ou cloud computing, pode avaliar milhares de alternativas diferentes para resolver um problema.”

O software acaba criando estruturas que dificilmente um humano imaginaria. Quando aplicado ao esporte, o design generativo pode gerar acessórios e equipamentos mais leves, resistentes e personalizados.

Calçados sob medida

Design Generativo: UA Architech / Divulgação
Divulgação

Lançados neste ano, os tênis UA Architech têm a entressola desenvolvida por design generativo e fabricada em impressora 3D.  Num futuro próximo, os calçados podem ser personalizados de acordo com os pés dos esportistas e as características de cada esporte.

Arcos recurvos

Optimal Bow / Divulgação
Divulgação

Criado pelo artista John Briscella, o arco recurvo Tekina foi desenvolvido com um sistema de design generativo. “A forma é gerada por software a partir de dados de material, tolerâncias e restrições para determinar um resultado ideal para o desempenho desejado do arco”, informa o artista em seu site.

Pingue pongue

Bola de pingue pongue de titânio / Divulgação
Divulgação

A bola do tênis de mesa olímpico tem massa de 2,7 gramas e diâmetro de 40 milímetros. O design generativo pode projetar opções com maior resistência estrutural e durabilidade, como a bola acima, feita de titânio.

Próteses esportivas

Denise Schindler / Divulgação
Denise Schindler / Divulgação

A ciclista alemã Denise Schindler fechou uma parceria com a Autodesk para criar próteses esportivas mais leves e resistentes. Ela vem ao Rio no próximo mês para participar da Paraolimpíada. Sua prótese teve o peso reduzido por causa do software de design generativo. A fabricação por meio de impressão 3D reduziu os custos.

Comentários

comentários

Publicações relacionadas

O etanol celulósico é uma das áreas promissoras para o Brasil nos próximos anos / Secr. Agricultura SP/Creative Commons

Brasil cai no ranking de inovação em tecnologia limpa

O Brasil caiu cinco posições no ranking de inovação em tecnologia limpa, ficando em 30.º lugar entre 40 países analisados. A informação está disponível na terceira edição do relatório Global CleanTech Innovation Index, do WWF. O estudo anterior havia sido divulgado em 2014. A principal queda do Brasil foi no[…]

Leia mais »
A startup argentina Nuvem Shop mira no e-commerce para empreendedor por necessidade do Brasil / Divulgação

Startups apostam no crescimento do comércio eletrônico

O comércio eletrônico tem crescido a passos largos no País. Com a crise econômica, empreendedores por necessidade têm apostado na internet para fazer negócios. Somente em 2015, 39,1 milhões de pessoas compraram online, totalizando 106,5 milhões de pedidos, segundo pesquisa da Ebit. Os valores do ano passado ainda não foram divulgados, mas a estimativa[…]

Leia mais »

1 comment

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *