inova.jor

inova.jor

Empreendedores brasileiros participam de competição alemã

Dois projetos da área da saúde vão representar o Brasil no Falling Walls Lab, na Alemanha / Divulgação
Dois projetos da área da saúde vão representar o Brasil no Falling Walls Lab, na Alemanha / Divulgação

O protótipo de um retinógrafo que reduz custos de exames oftalmológicos e uma tecnologia para uso de células-tronco em medicamentos  serão os representantes do Brasil no evento de inovação Falling Walls Lab deste ano, em Berlim.

O Falling Walls Lab é patrocinado pelo Conselho de Ciência e Inovação da Alemanha, em parceria com a consultoria A.T. Kearney.

O evento reúne pesquisadores e empreendedores do mundo inteiro que tenham ideias inovadoras de grande impacto para a sociedade.

No Brasil, dois pesquisadores foram selecionados para representar o país na final, em 8 de novembro, na Alemanha. Ao todo, 94 projetos foram inscritos e 14 chegaram à final, realizada ontem (19/9) no Instituto de Física da Universidade de São Paulo (USP).

Inovação em saúde

Formado em Ciência da Computação, José Augusto Stuchi apresentou o projeto de um retinógrafo portátil, acoplável ao smartphone. O dispositivo foi considerado a melhor ideia da noite e será um dos representantes brasileiros.

O empreendedor defendeu que o uso retinógrafo deve baratear os custos de exames oftalmológicos e atender, principalmente, cidades menores, deficientes de recursos para esse tipo de análise.

“Muitas pessoas ficam cegas no Brasil por falta de atendimento necessário, queremos mudar isso”, disse Stuchi durante a apresentação. A equipe, encabeçada por ele, conta ainda com profissionais de oftalmologia e clínicos de outras áreas.

A segunda ideia que representará o País na Alemanha também é da área da saúde. Diogo Biagi apresentou um projeto de uso de células tronco para testes de medicamentos e regeneração de órgãos.

“Acreditamos que as células podem ajudar a melhorar potencialmente a eficácia dos medicamentos. Além disso, no futuro, a evolução dessa tecnologia poderia ser usada para criar órgãos, diminuindo o sofrimento e a espera de pessoas que precisam de doação”, disse Biagi.

A participação de brasileiros na competição internacional é considerada forte entre os demais competidores internacionais. Martina Schulze, presidente do Conselho Diretor do Centro Alemão de Ciência e Inovação, ressalta a importância.

“O crescimento da inovação aqui é impressionante. No ano passado, o Brasil teve o maior número de finalistas dentre todos os outros países”, afirmou Schulze.

A representante da Alemanha acrescentou que os representantes terão oportunidade ainda de conhecer instituições alemãs que realizam pesquisas em suas respectivas áreas de conhecimento.

Comentários

comentários

Publicações relacionadas

O Programa 6+3 quer selecionar oito startups do Rio de Janeiro / Divulgação

Programa 6+3, da Velocity Brasil, vai levar startups para os EUA

O Programa 6+3, da Velocity Brasil, tem US$ 10 milhões para investir em startups de países emergentes, incluindo o Brasil. Serão escolhidos oito projetos no Estado do Rio de Janeiro. As empresas selecionadas passarão por um programa de aceleração de seis meses no Brasil e de três meses nos Estados[…]

Leia mais »
O Grupo Boticário não faz testes de cosméticos em animais desde 2000 / Guilherme Pupo/Divulgação

Boticário vai simular órgãos humanos num chip

O Grupo Boticário não faz testes com animais desde 2000. No ano passado, foi pioneiro no Brasil ao desenvolver pele humana reconstituída em laboratório. O novo projeto de pesquisa do Boticário na área de testes tem o objetivo de simular órgãos humanos num chip. “Trabalhamos com métodos alternativos há muito tempo”,[…]

Leia mais »

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *