inova.jor

inova.jor

É tempo de consolidação no mercado de relógios inteligentes

Relógios inteligentes: O Pebble não conseguiu resistir e acabou fechando as portas, depois de vender ativos para a Fitbit / Joel Gillman/Creative Commons
O Pebble não resistiu e acabou fechando as portas, depois de vender ativos para a Fitbit / Joel Gillman/Creative Commons

O mercado de relógios inteligentes tem ficado aquém das expectativas de fabricantes e analistas.

Muitos achavam que ele poderia ser tão grande quanto o de smartphones, mas o smartwatch acabou se provando, pelo menos até agora, um produto de nicho.

Hoje (13/12), o Google anunciou a compra da Cronologics, que desenvolveu um sistema operacional para smartwatches baseado no Android, do próprio Google, e lançou recentemente um relógio chamado CoWatch.

O grande destaque do CoWatch é a integração da Alexa, interface de voz da Amazon. O time de desenvolvedores da Cronologics vai trabalhar nas novas gerações do Android Wear, plataforma de software para vestíveis do Google.

A Moto, que hoje pertence à chinesa Lenovo, anunciou recentemente que não tem planos de lançar novos modelos de seu relógio Moto 360, considerado uma das principais opções de Android Wear.

Queda ou crescimento

O mercado de relógios inteligentes é tão difícil que as consultorias não conseguem nem mesmo chegar a um consenso para dizer se ele cresce ou diminui.

No mês passado, a consultoria Canalys divulgou um estudo apontando alta de 60% no mercado de smartwatches no terceiro trimestre, com vendas de 6,1 milhões de unidades em todo o mundo.

A IDC, por outro lado, mediu queda de 51,6% no período, para 2,7 milhões de unidades. Em ambos os estudos a líder de mercado é a Apple, com uma fatia de mais de 40% para o Apple Watch.

A Samsung é a segunda maior fabricante, com participação de mercado entre 14% e 18%, dependendo da consultoria.

Fim do Pebble

Uma vítima recentemente no mercado de relógios inteligentes foi o Pebble.

A empresa surgiu de uma campanha de sucesso no Kickstarter em 2012, ao criar um relógio inteligente com tela de tinta eletrônica, de baixo consumo de energia.

A bateria de um Pebble de primeira geração, que tem tela em preto e branco, chega a durar uma semana. A tinta eletrônica só consome energia quando a imagem na tela muda.

Na semana passada, o Pebble encerrou suas atividades, depois da venda de alguns ativos (software e serviços na nuvem) e da transferência de parte da equipe de desenvolvedores para a Fitbit.

A empresa vendeu mais de 2 milhões de relógios. (Eu mesmo tenho um Pebble de primeira geração.)

O Pebble representava uma alternativa às plataformas do Google e da Apple, e produzia equipamentos de custo baixo e boa duração de bateria.

Segundo a Bloomberg, os ativos do Pebble foram comprados pela Fitbit por menos de US$ 40 milhões, o que não cobre as dívidas da companhia.

Publicações relacionadas

O Google tem investimento direto em 11 cabos submarinos, inclusive no Brasil / Divulgação

Google amplia investimento em cabos submarinos

O Google tornou-se uma operadora de telecomunicações? Por muito tempo, as empresas tradicionais desse mercado têm se queixado das chamadas OTTs, sigla de over the top, companhias que prestam serviços via internet. As teles costumam reclamar do crescimento explosivo de tráfego de dados, que, segundo elas, não remunera o investimento[…]

Leia mais »
Edson Ortega, da Visa, e Wagner Coppede, da NEC, falam sobre o futuro do dinheiro / Divulgação

Start Eldorado: Qual é o impacto do dinheiro digital

  Os meios de pagamentos eletrônicos trazem vantagens à economia das cidades, segundo o estudo Cashless Cities, da Visa. Edson Ortega, diretor de risco da Visa do Brasil, e Wagner Coppede, diretor de tecnologia e soluções da NEC, falaram sobre o futuro do dinheiro na quarta-feira (15/8), durante o programa[…]

Leia mais »