inova.jor

inova.jor

Por que a Nimbi mudou de cidade e de modelo de negócios

No hall de entrada da Nimbi há área de socialização e cerveja à vontade / Divulgação
No hall de entrada da Nimbi há área de socialização e cerveja à vontade / Divulgação

Criada em 2000, a Nimbi resolveu adotar o modelo ágil, simplificado e digital das startups atuais. Com a ideia de testar produtos com os próprios consumidores o processo de criação é mais rápido e objetivo.

Anteriormente chamada de Webb, a Nimbi investiu R$ 40 milhões em 2015 para renovar sua operação, mudando a sede operacional do Rio de Janeiro para o bairro Vila Olímpia, em São Paulo.

“A ideia é mostrar de cara como nós mudamos a nossa forma de oferecer o serviço”, explica Carlos Henrique Campos, sócio-diretor da empresa. “Essa mudança é refletida também no nosso espaço”, completa.

Apesar dos 17 anos de existência, a estrutura é semelhante à de uma empresa iniciante. Há um hall com sofás e leds coloridos, com um bar a disposição dos funcionários com produtos que variam de frutas à cerveja.

A área de trabalho funciona como num coworking. Ninguém possui um lugar fixo e as mesas são compartilhadas. Até mesmo os executivos e o presidente da companhia trabalham no espaço compartilhado.

Estratégias

Mas é o no modelo de negócio da companhia que houve a maior transformação.

Especializada em gestão de cadeias de suprimentos de médias empresas, a Nimbi decidiu mudar totalmente a plataforma que oferece ao mercado.

“O produto está totalmente na nuvem, logo pode ser acessado por qualquer dispositivo com internet. Não cobramos mais licença, nem mesmo uma taxa de saída. Os valores são mensais, de forma semelhante ao que as pessoas estão acostumadas a pagar à Netflix”, explica Campos.

Uma equipe especializada em experiência do usuário (UX, na sigla em inglês) foi contratada para deixar a plataforma mais intuitiva.

“As nossas inspirações foram as as redes sociais. Queríamos criar uma plataforma que fosse tão fácil e intuitiva como usar o Facebook, por exemplo”, diz.

O valor mensal do plano mais simples oferecido pela Nimbi custa R$ 4.999. Os aspectos tecnológicos aplicados na plataforma tradicional, garantem, já garantiu a empresa contas como a da Vale do Rio Doce.

Mercado

Apesar de se basear na nuvem e no modelo ágil, tendências do mercado mundial, a Nimbi ainda sofre resistência.

“O modelo é muito disruptivo, ainda precisamos sentar em reuniões para que eles entendam que é isso mesmo, que não vamos cobrar a mais e que dá para fazer tudo pela internet”, diz Campos.

No ano passado a empresa faturou R$ 30 milhões. A expectativa é dobrar esse valor nos próximos dois anos e atingir a marca de R$ 100 milhões em cinco anos.

Até lá, a Nimbi tenta adaptar seus antigos funcionários ao novo formato e também a explicar ao mercado como soluções inspiradas em modelos como Netflix e Facebook podem ser usadas na cadeia de suprimentos.

Publicações relacionadas

Rodrigo Weber de Jesus (dir.), da Receita Federal, falou sobre segurança em aeroportos / Divulgação

Start Eldorado discute segurança nos aeroportos

O programa Start Eldorado da quarta-feira (20/6) teve como tema a segurança nos aeroportos. Os entrevistados foram Rodrigo Weber de Jesus, delegado-chefe da Polícia Federal no Aeroporto de Guarulhos, e o comandante Miguel Dau, diretor de operações do GRU Airport. Você pode ouvir o programa abaixo: Quando ouvir O programa vai[…]

Leia mais »
Berri (d.) e Nicoleti (c.) falam sobre trabalho remoto no inova.jor cast / inova.jor

Como o software de código aberto apoia o trabalho remoto

O Projeto #matrix é um software de código aberto desenvolvido pela equipe de Engenharia e Produto da Resultados Digitais para permitir o trabalho remoto. Por ter código aberto, pode ser usado gratuitamente e modificado por qualquer pessoa. Conversei sobre o tema no inova.jor cast com Juliemar Berri, gerente de Desenvolvimento[…]

Leia mais »