inova.jor

inova.jor

O avanço tecnológico destrói vidas? Muita gente acha que sim

Avanço: Pesquisa mostra que 69% das pessoas não imaginam como viver sem internet / ajari/Creative Commons
Pesquisa mostra que 69% das pessoas não imaginam como viver sem internet / ajari/Creative Commons

Hendrik van Loon é um escritor que anda meio esquecido. Seu livro História das invenções: o homem, fazedor de milagres foi publicado em 1934 nos Estados Unidos, e saiu por aqui na década seguinte, pela Editora Brasiliense.

O historiador holandês expôs nesse livro uma ideia poderosa, que foi adotada mais tarde por Marshall McLuhan: a de que as tecnologias são extensões do corpo humano.

Ele escreveu:

    Todas as invenções já idealizadas têm por objetivo principal auxiliar o homem na sua louvável luta de passar pela vida com o máximo de prazer em troca do mínimo de esforço. Algumas delas, porém, são meras multiplicações (extensões, intensificações ou aumentos) de certos atributos físicos, tais como “falar” , “andar”, “atirar” , “ouvir”  ou “ver” , enquanto que outras são o resultado do desejo do homem de poupar dignamente suas faculdades físicas e mentais.

Killer app

Uma pesquisa recente da Ipsos, que mediu tendências mundiais, verificou que a maioria das pessoas não tem mais uma visão tão benigna da tecnologia.

Metade dos pesquisados temem que o avanço tecnológico esteja destruindo suas vidas. No Brasil, esse percentual é maior ainda, alcançando 62%.

A percepção negativa dos brasileiros é maior também do que a média dos mercados emergentes, de 58%. A pesquisa ouviu 18 mil pessoas em 23 países entre setembro e outubro do ano passado.

O maior aumento da percepção negativa sobre a tecnologia foi entre a geração Z, que nasceu entre meados da década de 1990 e 2010.

Em 2014, somente 37% da geração Z achavam que o progresso tecnológico destruía vidas. No estudo deste ano, esse número passou para 50%.

Dependência

A visão negativa sobre o avanço tecnológico ganha espaço ao mesmo tempo em que as pessoas se dão conta de como dependem completamente da tecnologia.

Na mesma pesquisa da Ipsos, 69% dos entrevistados responderam que não imaginam como viver sem internet. Mais uma vez, o Brasil está acima da média, com 73%.

O reconhecimento dessa dependência, acompanhado da ideia de que o avanço tecnológico mata, pode significar que, ao contrário do que propôs Van Loon no século passado, nossos corpos acabaram se tornando extensões de nossas invenções.

Comentários

comentários

Publicações relacionadas

Cientistas ficarão em bares de 22 cidades para tirar dúvidas e conversar sobre vários ramos da ciência / Divulgação

Cientistas vão a bares para tirar dúvidas da sociedade

Entre 15 e 17 de maio, dezenas de pesquisadores e especialistas brasileiros estarão espalhados estrategicamente em bares para conversar com pessoas dispostas a falar sobre ciência. O Pint of Science acontece simultaneamente em 10 países e, incluindo o Brasil. Por aqui, haverá programação em 22 cidades. A ideia do evento é[…]

Leia mais »
Mark Zuckerberg teve de explicar o escândalo da Cambridge Analytica em Washington / Lorie Shaull/Creative Commons

O que a Universidade de Cambridge diz sobre o Facebook

Mark Zuckerberg, presidente do Facebook, falou bastante na semana passada. Foram 10 horas de depoimento ao Congresso norte-americano. Ele teve de responder questões fáceis e difíceis. Perguntaram como a rede social ganha dinheiro (publicidade). E perguntaram se o Facebook é um monopólio (ele disse que não). Ao Senado, ele disse:[…]

Leia mais »

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *