inova.jor

inova.jor

Quando startups promissoras fracassam

Fabricante de pulseiras e caixas de som inteligentes, a Jawbone chegou a valer US$ 3 bilhões / Kazuhiro Keino/Creative Commons
Fabricante de pulseiras e caixas de som inteligentes, a Jawbone chegou a valer US$ 3 bilhões / Kazuhiro Keino/Creative Commons

Unicórnios são empresas de tecnologia de capital fechado que valem mais de US$ 1 bilhão. A Jawbone chegou a valer US$ 3 bilhões, e ontem (6/7) foi noticiado o fim de suas operações.

A fabricante de pulseiras e caixas de som inteligentes é um exemplo de como startups promissoras podem fracassar. Sua saída do mercado também mostra como boa parte do entusiasmo pela categoria vestíveis (wearables, em inglês) era injustificada.

Há sete anos, quando foi lançada, a Jambox, caixa de som inteligente da Jawbone, era destaque na categoria. Em 2014, no entanto, a Amazon lançou o Echo, concorrente equipado com a assistente virtual Alexa, e o produto da Jawbone ficou antiquado.

O mesmo aconteceu com a pulseira inteligente Up, de 2011. Relógios como o Apple Watch e o Samsung Gear passaram a monitorar atividades, tornando as pulseiras obsoletas.

Nesse mercado, uma das poucas que sobraram foi a Fitbit, cuja pulseira acabou incorporando um relógio.

Morte do Pebble

A Fitbit comprou ativos do Pebble, fabricante de relógios inteligentes que fechou no ano passado.

O Pebble foi um caso de sucesso do Kickstarter, plataforma de financiamento de projetos por consumidores, com um produto com tela de tinta eletrônica e bateria de longa duração.

A companhia, porém, não conseguiu acompanhar a Apple e a Samsung e incorporar monitoramento de atividades aos seus produtos.

Apesar da crise que atingiu pioneiros como Jawbone e Pebble, a expectativa para o mercado de vestíveis ainda é de crescimento.

Segundo a consultoria IDC, devem ser vendidos 125,5 milhões de vestíveis no mundo neste ano, crescimento de 20% sobre 2016.

Para 2021, a projeção é que as vendas alcancem 240,1 milhões de unidades.

Pode parecer bastante, mas é um volume que não chega nem próximo dos smartphones, que devem somar 1,52 bilhão de unidades vendidas neste ano.

Publicações relacionadas

O concurso alemão Code_n quer atrair startups do mundo todo / Divulgação

Competição alemã procura startups brasileiras

O concurso CODE_n16, promovido pelo grupo alemão GFT, quer atrair startups brasileiras. A final será durante o Festival new.New, que acontece de 20 a 22 de setembro na cidade de Karlsruhe, na Alemanha. Um júri especializado vai selecionar 50 finalistas, que vão apresentar suas soluções no festival. O vencedor receberá um prêmio de 30[…]

Leia mais »
O mercado de aceleradoras é considerado consolidado e primordial para as startups brasileiras /Steven Zwerink/ Flickr / Creative Commons

Programa mundial de aceleração busca projetos de energia limpa

Startups do setor elétrico têm até terça-feira (28/2) para se inscreverem no Free Electrons Global Accelerator. O programa é uma iniciativa do grupo português EDP e outras sete empresas do setor de energia. Os parceiros do programa atuam em mais de 40 países, representam cerca de US$ 148 bilhões em faturamento e vão permitir o acesso dos[…]

Leia mais »