inova.jor

inova.jor

De onde deve vir o crescimento no mercado de mídia

Mídia: David Lynch interpreta Gordon Cole na volta do seriado Twin Peaks / Reprodução
David Lynch interpreta Gordon Cole na volta do seriado Twin Peaks / Reprodução

O mercado de entretenimento e mídia está desacelerando. A PwC prevê que, nos próximos cinco anos, o crescimento médio global do setor deve ficar em 4,2%.

A projeção do ano passado era de 4,4% de expansão anual.

A participação de entretenimento e mídia no Produto Interno Bruto (PIB) global deve cair de 2,54% neste ano para 2,39% em 2021.

Muitos grandes mercados parecem ter alcançado um ponto de saturação, segundo a consultoria:

    “Conforme consumidores compram assinaturas de streaming no lugar de downloads de músicas, e anunciantes fazem aquisições segmentadas online no lugar de buscar a mídia de massa, seus gastos gerais talvez não cresçam tão rápido quanto no passado.”

Áreas de crescimento

Somente jornais e revistas devem apresentar queda em números absolutos.

Os motores do crescimento, com avanço acima da média da economia, serão quatro: vídeo via internet, publicidade online, videogames e acesso à internet.

O estudo não levou em conta os segmentos de e-sports e realidade virtual, pois, por partirem de uma base muito pequena, têm crescimentos projetados elevados.

Projeção de crescimento do mercado de mídia e entretenimento / Fonte: PwC

O faturamento do vídeo via internet deve registrar um crescimento médio anual de 6%, já descontada uma expansão de 5,6% do PIB mundial.

Os jornais, por outro lado, devem diminuir 8,3% ano ano. A TV e o vídeo tradicionais têm uma queda esperada de 4,2%.

Foco nos fãs

O relatório da PwC sugere que as empresas de entretenimento e mídia devem focar nos fãs de seus produtos e construir seu negócio em torno deles.

Com os fãs, é possível conseguir maior engajamento, fidelidade e gasto per capita, diferentemente de uma audiência ocasional e de baixo valor.

A consultoria faz quatro recomendações:

  • Saiba quem são os fãs. As empresas precisam melhorar sua capacidade de captar informações e segmentar a audiência. Para isso, precisam fortalecer análise de dados, medição e gestão.
  • Aumente a agilidade e flexibilidade do negócio. As organizações precisam estar conectadas, ter equipes multidisciplinares e responder rapidamente a novas preferências, modelos de negócio e tecnologias.
  • Monetize o relacionamento total com fãs. Estenda as marcas preferidas dos fãs a novos mercados e gere receita por meio de múltiplos modelos de negócio, como publicidade, assinaturas e transações.
  • Adote um foco centrado no fã. As empresas precisam de criar relacionamento direto com o consumidor. Isso significa deixar de operar no atacado e oferecer experiências fim a fim diretamente aos usuários.

Publicações relacionadas

O Labelectron, da Fundação Certi, combina pesquisa e fabricação de produtos / Renato Cruz/inova.jor

Como a indústria brasileira pode competir com a China

FLORIANÓPOLIS A crise da indústria brasileira começou antes da crise. O faturamento real do setor foi, em maio deste ano, o pior desde fevereiro de 2009. A participação dos produtos manufaturados nas exportações brasileiras, que havia chegado a 61% em 2002, está atualmente em 36%. O Labelectron, fábrica-laboratório da Fundação Certi, tem entre os[…]

Leia mais »
Marcelo Spinassé, CEO da Encripta, fala sobre o crescimento do mercado de streaming de vídeo no Brasil em entrevista da série Quem Inova

Como está o crescimento do streaming de vídeo

O crescimento do streaming, que já vinha crescendo, recebeu um impulso durante a pandemia. Marcelo Spinassé, CEO da Encripta, conversou com o jornalista Renato Cruz sobre o tema no vídeo da série Quem Inova. A Encripta opera as plataformas Looke, NetMovies e Cinema Virtual, além de licenciar e distribuir conteúdo[…]

Leia mais »