inova.jor

inova.jor

Por que o Brasil precisa de uma política de conectividade

 Conectividade: A apreciação de medidas estruturantes precisa acontecer o quanto antes / Edu Alpendre/Creative Commons
A apreciação de medidas estruturantes precisa acontecer o quanto antes / Edu Alpendre/Creative Commons

Observe atentamente estes dados: o tráfego global anual sobre protocolo de internet (IP, na sigla em inglês) vai alcançar 3,3 zettabytes (ZB) até 2021, quase o triplo do que foi registrado no ano passado.

Esse volume vai corresponder a 30 gigabytes (GB) per capita, considerando que cada usuário terá no mínimo dois ou três equipamentos conectados.

Nesse futuro não tão distante, passarão pela rede um milhão de minutos de vídeo a cada segundo, e as transmissões ao vivo corresponderão a 13% de todo o fluxo mundial de dados.

Já o tráfego de dados móveis deverá aumentar sete vezes até 2021 na comparação com 2016, atingindo 48,3 exabytes (EB) por mês.

Esses e outros números, igualmente impressionantes, fazem parte do levantamento Cisco Visual Networking Index: Forecast and Methodology, 2016-2021, divulgado em junho.

Medidas estruturantes

O que eles mostram? Que se o Brasil não desenvolver uma política de conectividade imediatamente, estaremos condenados a duas situações muito ruins:

  • não teremos condição de aproveitar essa profusão de conteúdos; e
  • seremos isolados no subdesenvolvimento do mundo virtual, já que o do mundo real faz parte da nossa história há muito tempo.

O pior disso é que essa preocupação não é nova. Há alguns anos, sobretudo com a popularização das conexões banda larga — móveis, inclusive — temos identificado a necessidade de fazer do investimento em conectividade uma preocupação comum dos governos, manifestada por meio de incentivos ao aumento da quantidade e qualidade das conexões e leis modernas e eficazes.

Preocupa-me o fato de que o governo federal ainda não se manifestou sobre como serão as políticas do Plano de Conectividade, apenas disse que não há recursos para a execução dos eventuais projetos.

A posição do poder executivo é que, sem a aprovação do Projeto de Lei Complementar (PLC) 79/2016, a situação financeira não permitirá grandes avanços.

O PLC revisa a Lei Geral de Telecomunicações, negociando os Termos de Ajustamento de Conduta entre a Anatel e as empresas, além da liberação de recursos do Fust.

Evidentemente que o país vive um momento de efervescência política e social, mas a apreciação de medidas estruturantes precisa acontecer o quanto antes.

Redes modernas

Não é mais possível adiar a regulação de uma área tão importante quanto a da infraestrutura de tecnologia da informação e comunicações.

Temos de ter suporte de qualidade aos investimentos em tecnologia da informação que, só no ano passado, somaram US$ 38 bilhões no Brasil, colocando nosso país em 9º lugar no ranking mundial.

O montante é 2% superior ao registrado em 2015, mas já foi melhor — tanto que já estivemos duas posições acima, no sétimo lugar.

Esse é o caminho para eliminarmos a disparidade entre o que investimos e o que realmente faz diferença para as pessoas e os negócios: acesso a redes modernas, comunicação de qualidade e desenvolvimento.

Publicações relacionadas

A cibersegurança não deve ficar restrita a reportar alertas / Drew Streib/Creative Commons

Cibersegurança exige prevenção e soluções mais eficazes

Cada vez mais, o mercado de dados exige a atenção de executivos e empresas. Não somente pelo crescimento do número de informações disponíveis para diversos segmentos da economia, mas também pelas demandas de segurança exigidas para trabalhar com informações críticas. Essas operações requerem sistemas eficazes de segurança e proteção para[…]

Leia mais »
Empresas do Porto Digital faturam mais de R$ 1 bilhão por ano / Divulgação

Inovação é processo de ganhos mútuos

Na era da disrupção e dos unicórnios, empresas tradicionais, às vezes com séculos de atuação, estão sendo desafiadas a ousar. E muitas delas têm apresentado boas histórias sobre como romper com padrões estabelecidos e transformar setores produtivos inteiros, inspiradas e alicerçadas na inovação. Nem sempre é fácil. Estruturas consolidadas, posição[…]

Leia mais »