inova.jor

inova.jor

Como deve evoluir a digitalização da indústria brasileira

A fábrica-laboratório Labelectron, da Fundação Certi, é um exemplo de Indústria 4.0 no Brasil / Renato Cruz/inova.jor
A fábrica-laboratório Labelectron, da Fundação Certi, é um exemplo de Indústria 4.0 no Brasil / Renato Cruz/inova.jor

Poucas indústrias brasileiras adotam tecnologias digitais avançadas. Segundo pesquisa do Projeto Indústria 2027, somente 1,6% das empresas encontra-se hoje na chamada Indústria 4.0.

Em dez anos, esse percentual deve subir para 21,8%.

A Indústria 4.0 promove a integração da automação da fábrica aos demais sistemas digitais da empresa, com adoção de tecnologias como internet das coisas, inteligência artificial e computação em nuvem.

Apenas 15,1% das companhias ouvidas têm projetos em execução para incorporar tecnologias digitais de última geração.

A maioria delas (45,6%) realiza estudos iniciais ou tem planos aprovados sem execução, enquanto 39,4% não têm nenhuma ação prevista nessa área.

Estágios tecnológicos

A pesquisa considerou os seguintes estágios tecnológicos digitais:

  • 1 – produção rígida, com uso pontual de tecnologias da informação e comunicação (TIC) e automação rígida e isolada;
  • 2 – automação flexível ou semiflexível, com uso de TICs sem integração ou integração apenas parcial entre áreas da empresa;
  • 3 – uso de TICs integradas e conectadas em todas atividades e áreas da empresa.
  • 4 – produção conectada e inteligente, com tecnologias da informação integradas, fábricas conectadas e processos inteligentes e capacidade de subsidiar gestores com informações para tomada de decisão.

Estágios da indústria brasileira / Fonte: CNI

O estudo mostrou que 77,8% estão nos estágios 1 e 2. Em dez anos, no entanto, a maioria deve passar para 3 e 4.

A transformação digital é essencial para garantir a competitividade da indústria brasileira.

A pesquisa ouviu 759 médias e grandes empresas entre junho e novembro deste ano.

O Projeto Indústria 2027 é uma iniciativa da Confederação Nacional da Indústria (CNI) e do Instituto Euvaldo Lodi (IEL), em parceria com as universidades Federal do Rio de Janeiro (UFRJ) e Estadual de Campinas (Unicamp).

Comentários

comentários

Publicações relacionadas

Internet: Interfaces de voz, como o Echo, da Amazon, é uma das principais tendências / Rob Albright/Creative Commons

Quando as máquinas aprendem a conversar de verdade

Máquinas que entendem comandos de voz já viraram lugar comum, mas os sistemas de inteligência artificial ainda não são capazes de participar de uma conversa de verdade, como o C-3PO, de Star Wars (ou o HAL 9000, de 2001, para dar um exemplo não tão benigno). A Amazon quer mudar isso, e[…]

Leia mais »
Bicudo (e.) e Siqueira (c.) falam sobre data centers no inova.jor cast / inova.jor

Cresce o mercado de data centers durante a pandemia

A demanda por data centers aumentou no início da pandemia, com o desafio do home office e a necessidade de reforçar as plataformas digitais. E não há sinais de arrefecimento da demanda. Marcos Siqueira, vice-presidente de operações da Ascenty, e com Pedro Bicudo, analista da ISG, conversaram sobre o tema[…]

Leia mais »

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *