inova.jor

inova.jor

O Brasil está mais perto da nuvem

Prefeituras que usavam softwares e servidores locais dedicados migraram para a nuvem / Renato Cruz/inova.jor
Prefeituras que usavam softwares e servidores locais dedicados migraram para a nuvem / Renato Cruz/inova.jor

O Brasil subiu quatro posições no ranking elaborado pela BSA para aferir a qualidade das políticas de computação em nuvem entre 24 nações.

Os países são escolhidos com base na sua liderança no mercado de TI, e da última edição do estudo (2016) para a deste ano, divulgada recentemente, ficamos à frente da Tailândia, Índia, Rússia, China, Indonésia e Vietnã.

Claro que gostaríamos de estar no topo da lista, mas essa reação já é sinal de que o paradigma está mudando.

A previsão otimista não é apenas um desejo, mas sim uma percepção dos gigantes desse segmento.

Basta observar o que disse o porta-voz mundial da Amazon Web Services (AWS) para o setor público, Jeff Kratz, em entrevista recente.

“Toda a América Latina tem sido proativa (…) na busca pela redução da burocracia, das reformas e da digitalização. Os próprios cidadãos querem acelerar”, diz o executivo de uma das maiores multinacionais de cloud computing do mundo.

Quem está na ponta, atendendo às cidades brasileiras e fornecendo tecnologia para a promoção da transformação digital, já percebeu que prefeituras que usavam softwares e servidores locais dedicados há três anos migraram para a nuvem.

O motivo? A desmistificação do processo de migração, que evoluiu em agilidade, segurança e eficiência.

Demandas dos cidadãos

Aldo Luiz Mees, da IPM Sistemas / Divulgação
Aldo Luiz Mees, da IPM Sistemas / Divulgação

É fácil entender: a atividade-fim das gestões públicas municipais nunca foi o armazenamento e processamento de dados, mas sim o atendimento das demandas dos cidadãos.

Sem know-how específico para isso e atreladas às exigências legais na hora de comprar e contratar, muitas cidades montaram verdadeiros parques de TI para manter rodando seus sistemas.

O tempo passou, eles ficaram obsoletos e, por não contarem com a segurança e acessibilidade de uma plataforma online, transformaram o que era pra representar modernidade em empecilho ao desenvolvimento.

Apesar da ineficiência, o medo de perder dados e parar a máquina fez muitos prefeitos e legisladores postergarem a evolução.

Felizmente a migração de sistemas desktop e offline para a cloud evoluiu e hoje consegue-se transportar todos os dados de anos de digitalização de uma cidade para uma nova plataforma, integrada, online, segura e acessível em pouquíssimos dias.

Além da agilidade, os protocolos permitem a operação simultânea sem que serviços essenciais como a prestação de contas, RH e receita tenham que parar. A evolução é natural e não facultativa — ou o mercado de computação em nuvem não teria a previsão de atingir os US$ 162 bilhões em operações nos próximos dois anos.

O novo jeito de fazer gestão pública interessa diretamente aos cidadãos, ainda que eles não sejam especialistas na tecnologia.

Ela é fundamental para a transformação das instituições, desde a melhoria na distribuição de recursos e até da vida em sociedade.

Dessa forma os entraves para o crescimento econômico e desenvolvimento social deixarão de ser, literalmente, parte integrante do sistema.

Comentários

comentários

Publicações relacionadas

A perspectiva da chegada do 5G também deve ser considerada na escolha da tecnologia de redes / tackyshack/Creative Commons

Não há mais espaço para amadorismo em redes

Planejar a estrutura de conectividade de uma empresa é uma tarefa que exige o dimensionamento da necessidade atual e da demanda futura. No entanto, não basta montar uma rede pensando somente na capacidade, mas também na qualidade do material que deve ser utilizado para garantir uma boa experiência do usuário.[…]

Leia mais »
Mark Hurd, da Oracle, aposta na nuvem para garantir o crescimento / Renato Cruz/inova.jor

‘A nuvem é mais segura’, diz Mark Hurd, da Oracle

Mark Hurd, presidente mundial da Oracle, considera mais seguro uma empresa contratar seu sistema de gestão empresarial (ERP, na sigla em inglês) na nuvem do que instalá-lo num servidor próprio. “Normalmente, uma empresa tem computadores de vários fabricantes, tem nosso banco de dados e de outros fornecedores, tem de administrar[…]

Leia mais »

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Bitnami