inova.jor

inova.jor

Por que a Embrapa precisa se reinventar, segundo a Economist

O trabalho da Embrapa foi responsável por tornar o Brasil um grande produtor de soja / Fernando Dias/Seapa
O trabalho da Embrapa foi responsável por tornar o Brasil um grande produtor de soja / Fernando Dias/Seapa

A Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária (Embrapa) é uma joia da inovação no Brasil, mas enfrenta tempos difíceis e precisa se reinventar, segundo a Economist.

Antes da criação da Embrapa, em 1973, o cerrado brasileiro era considerado impróprio para a agricultura. Foi graças ao trabalho da estatal que o país tornou-se um grande exportador de commodities agrícolas.

No ano passado, a estatal deu de retorno à economia R$ 36 bilhões, mais de 10 vezes o seu orçamento.

Mas a revista britânica destaca que, de acordo com seus críticos, quase 90% da contribuição econômica da Embrapa vêm de pesquisas realizadas em seus primeiros 25 anos.

“Sete áreas de pesquisa, incluindo arroz e feijão, não deram retorno no ano passado”, aponta a publicação.

Mais competição

De acordo com a Economist, parte das críticas têm origem no fato de que, desde a década de 1990, a Embrapa enfrenta mais competição, de empresas estrangeiras como Bayer e Syngenta.

O ministra da Agricultura, Blairo Maggi, defende que a estatal concentre esforços em áreas em que as gigantes internacionais não atuam, como pesquisas sobre a combinação de criação de gado e agricultura para melhorar as condições do solo.

Outro problema apontado pela revista é a estrutura de custos da empresa. Setenta por cento do orçamento são consumidos em folha de pagamento e somente 2% em equipamentos de laboratório e testes de campo.

Neste ano, a Embrapa consolidou 17 unidades administrativas em seis e fechou quatro de seus 46 escritórios regionais.

Publicações relacionadas

Qual é o caminho da digitalização na Soluções Usiminas

Inteligência artificial, blockchain e internet das coisas são algumas das tecnologias que tem tomado conta dos processos da Soluções Usiminas. Desenvolvedora de produtos e serviços de valor agregado a partir dos aços fabricados pela Usiminas, a empresa vive a transformação digital. Afinal, mais do que levar inovação para processos tradicionais, a[…]

Leia mais »
Elisabeth Reynolds, do MIT, afirma que política industrial brasileira atrapalha política de inovação / Renato Cruz/inova.jor

Quais são os principais obstáculos à inovação no Brasil

Apesar das políticas de incentivo à inovação, o Brasil não vai muito bem nessa área. Um estudo do Instituto de Tecnologia de Massachusetts (MIT, na sigla em inglês), patrocinado pelo Serviço Nacional de Aprendizagem Industrial (Senai), apontou obstáculos às atividades inovadoras no país, e fez seis recomendações: garantir que as[…]

Leia mais »