inova.jor

inova.jor

Qual deve ser o impacto da inteligência artificial no trabalho

Trabalhadores brasileiros admitem conhecer pouco a respeito de inteligência artificial / Jean Zar/Creative Commons
Trabalhadores brasileiros admitem conhecer pouco a respeito de inteligência artificial / Jean Zar/Creative Commons

A inteligência artificial é vista como a tecnologia emergente com maior potencial de transformar o ambiente de trabalho nos próximos cinco anos, segundo o estudo The new digital divide, da Unisys.

A pesquisa ouviu 12 mil pessoas em 12 países, incluindo o Brasil. Os pesquisados têm 18 a 64 anos e usam pelo menos um dispositivo tecnológico, como computador ou smartphone, para trabalhar.

No Brasil, 47% das pessoas apontaram a inteligência artificial como a tecnologia de maior impacto futuro. O percentual ficou acima da média global de 36%.

Tecnologias com maior potencial de impacto no trabalho / Unisys

A tecnologia ficou à frente da biometria (39%), da internet das coisas (39%) e da robótica e automação de processos (38%).

Apesar disso, os entrevistados admitiram pouco conhecimento a respeito do tema.  Somente 22% afirmaram conhecer bem a inteligência artificial.

Conhecimento dos trabalhadores a respeito das tecnologias / Unisys

“Com treinamento adequado, ferramentas de automação e inteligência vão ajudar a capacitar os profissionais, libertando-os de tarefas entediantes”, afirma Fabio Abatepaulo, diretor de transformação digital da Unisys para a América Latina. “Acreditamos que a IA vai melhorar o modo como os profissionais trabalham, não substituí-los.”

Empresas atrasadas

A pesquisa também mostrou que 52% das pessoas que trabalham em empresas tecnologicamente defasadas (slow tech) expressaram frustração em relação a seus empregadores, comparados a 3% dos que trabalham em organizações líderes em tecnologia (high tech).

Equipamentos são a principal fonte de problemas nas companhias slow tech. Quarenta e três por cento dos trabalhadores dessas empresas reclamam que são impedidos de ser mais produtivos por dispositivos obsoletos.

As empresas foram classificadas como slow tech e high tech de acordo com as respostas dos entrevistados.

Comentários

comentários

Publicações relacionadas

Paulo Bernardocki (dir.), da Ericsson, fala sobre 5G / inova.jor

Start Eldorado trata das perspectivas para o 5G no Brasil

Quais são as expectativas para a chegada da quinta geração das comunicações móveis (5G) no Brasil? Paulo Bernardocki, diretor de Produtos e Tecnologia da Ericsson no Brasil, e Sérgio Kern, diretor do Sindicato Nacional das Empresas de Telefonia e de Serviço Móvel Celular e Pessoal (SindiTelebrasil), falaram sobre o tema[…]

Leia mais »
A quarta edição do InovaBra Startups, do Bradesco, selecionou sete empresas / Renato Cruz/inova.jor

Bradesco terá processo mensal de seleção de startups

A quarta edição do InovaBra Startups, do Bradesco, selecionou sete empresas / Renato Cruz/inova.jorO Bradesco terá um processo mensal de seleção em seu programa InovaBra Startups. Desde 2015, a instituição vinha lançando uma única chamada pública anual, com tempo determinado para inscrições. Os interessados podem se inscrever a qualquer momento[…]

Leia mais »

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *