inova.jor

inova.jor

Movimento Brasil Digital propõe políticas para o próximo governo

Adelson de Sousa e Silvio Genesini falam sobre o Movimento Brasil Digital / Renato Cruz/inova.jor
Adelson de Sousa e Silvio Genesini falam sobre o Movimento Brasil Digital / Renato Cruz/inova.jor

O Brasil está ficando para trás na transformação digital. Ao mesmo tempo em que o país tem 13,2 milhões de desempregados, existem 250 mil vagas abertas para profissionais de tecnologia, com dificuldade para serem preenchidas.

Se nada for feito, esse quadro tende a piorar. É necessário um esforço que una iniciativa privada e governo para que o Brasil consiga alcançar os efeitos positivos da chamada quarta revolução industrial, minimizando os negativos.

Foi lançado hoje (2/8) o Movimento Brasil Digital, que tem como objetivo tornar o país mais inovador e mais inclusivo.

Entre outras atividades, o movimento definiu sugestões de políticas públicas a serem apresentadas aos presidenciáveis.

“É possível fazer uma mudança significativa em cinco anos”, afirmou Silvio Genesini, coordenador do comitê executivo do movimento.

O conselho estratégico do movimento é formado por 26 empresas: Accenture, ArcelorMittal, Autopass, CI&T, Cielo, Cisco, EDP, Embratel, EY, Fundação Dom Cabral, FIAP, Globo.com, Gol, GPA, Great Place to Work, Hospital Sírio-Libanês, IBM, IT Mídia, Korn Ferry, Microsoft, Oracle, Petrobras, Sabin, Serasa Experian, Whirlpool e Zup.

As propostas do movimento dividem-se em cinco pilares: governo, infraestrutura, educação, empreendedorismo e inclusão.

Educação continuada

A seguir, algumas das propostas do movimento:

  1. Currículos universitários precisam se aproximar das necessidades do mercado, para garantir que vagas criadas pelas empresas sejam preenchidas.
  2. O Brasil precisa reforçar a educação de base nas habilidades Steam (sigla em inglês de ciência, tecnologia, engenharia, arte e matemática).
  3. É necessário oferecer capacitação para o empreendedorismo. As empresas atuais terão dificuldade de absorver a mão de obra disponível, por mais qualificada que seja.
  4. Talvez parte da população não consiga ser treinada para o mercado digital, por falta de fundamentos básicos, tendo necessidade de políticas assistenciais.
  5. É preciso facilitar a abertura de empresas, reduzir a carga tributária e simplificar a prestação de contas do fisco para melhorar o ambiente de negócios.
  6. A legislação do setor de telecomunicações precisa passar por uma atualização, pois ainda tem como foco a telefonia fixa.
  7. O Brasil precisa facilitar o licenciamento para instalação de infraestrutura. Regras impostas pelas administrações municipais atrasam investimentos.
  8. Novos mercados, como a internet das coisas, necessitam de um tratamento tributário diferenciado, para que possam se desenvolver.
  9. Linhas de financiamento à pesquisa, desenvolvimento e inovação e compras governamentais podem alavancar o empreendedorismo.
  10. Políticas públicas necessitam de metas e prazos bem definidos, para que a sociedade possa avaliar seus resultados.

Publicações relacionadas

Primeira edição do programa de startups da Nexa foi limitado ao Brasil / Divulgação

Nexa busca startups com projetos de mineração e metalurgia

A Nexa, ex-Votorantim Metais, abriu inscrições para o Mining Lab 2, segunda edição de seu programa de startups. Os interessados podem se inscrever até 18 de março. A empresa busca projetos que possam ser aplicados à mineração e à metalurgia, nas seguintes áreas: automação; internet das coisas; logística; economia circular;[…]

Leia mais »
Primeiro uso comercial do Multi, elevador sem cabos da Thyssenkrupp, será em Berlim / Divulgação

Elevador da ThyssenKrupp também vai para os lados

A Thyssenkrupp inaugurou, na semana passada, um sistema de elevador sem cabos, que também se move para os lados. Chamado de Multi, foi instalado numa torre de 246 metros em Rottweil, no centro de pesquisa e desenvolvimento da empresa na Alemanha. No lugar de uma única cabina, que se move[…]

Leia mais »