inova.jor

inova.jor

Por que o Itaú Unibanco decidiu formar cientistas de dados

O Itaú Unibanco tem centenas de cientistas de dados / Renato Cruz/inova.jor
O Itaú Unibanco tem centenas de cientistas de dados / Renato Cruz/inova.jor

O Itaú Unibanco tem 60 pessoas em treinamento para se tornarem cientistas de dados, num programa em parceria com o Instituto Tecnológico de Aeronáutica (ITA).

São engenheiros, físicos, químicos, cientistas da computação e matemáticos que foram contratados como analistas, mas, antes de começarem a trabalhar, vão cumprir uma carga de 500 horas de estudo.

“É um programa de sete meses, com dedicação integral”, afirma Estevão Lazanha, diretor de Engenharia de Dados da instituição. “Para essa primeira turma, tivemos 100 candidatos para cada vaga.”

A ideia do banco é ter uma segunda turma no início do ano que vem.

A análise de dados e a inteligência artificial são ferramentas em franca expansão no setor financeiro, mas o gargalo ainda está na mão de obra.

“Todo o processo decisório é sempre baseado em dados”, destaca Lazanha. Ele não revela quantas pessoas trabalham em seu departamento, dizendo somente que são centenas.

Inteligência artificial

O executivo identifica três grandes grupos de aplicação da inteligência artificial:

  1. Modelos preditivos, como os de sistemas antifraude, que verificam quando há desvio no padrão de comportamento do cliente.
  2. Melhora na experiência do cliente, como identificar necessidade de atualização de endereço a partir da geolocalização.
  3. Novos modelos de negócio, como gerar negócios entre clientes pessoas físicas e jurídicas a partir de seus perfis financeiros. 

A primeira classe de aplicações é a mais comum.

Em relação à segunda, Lazanha cita uma campanha recente, que identificou clientes que acabariam usando o cheque especial para pagar o IPVA e ofereceu uma linha de crédito mais barata para eles, cerca de 10 dias antes do vencimento do imposto.

“Essa oferta de crédito teve 500% mais retorno do que outras”, explica o executivo. “E dois terços dos que retornaram contrataram.”

Na terceira, o banco funcionaria quase como um marketplace, oferecendo serviços financeiros para viabilizar negócios entre seus clientes.

Publicações relacionadas

Evento sobre marketing digital reuniu mais de 1,2 mil pessoas / Patricia Barão/inova.jor

Pequenas e médias empresas apostam em marketing digital

Para enfrentar tempos de retração na economia, pequenas e médias empresas buscam alternativas no marketing digital. Hoje (5/7), mais de 1,2 mil pessoas participaram do evento RD on the Road, em São Paulo. Promovido pela Resultados Digitais, o encontro teve como objetivo divulgar tendências nessa área. Segundo a pesquisa 2016[…]

Leia mais »
Celulares começam a ser capazes de traduzir e de reconhecer imagens, mesmo desconectados / Jorge Gonzalez/Creative Commons

Inteligência artificial chega às bordas das redes

Atualmente, serviços baseados em inteligência artificial rodam em grandes centros de dados, acessados por nossos celulares e computadores. Mas esse cenário começa a mudar. Segundo previsão da consultoria Deloitte, neste ano, um em cada cinco smartphones vendidos no mundo terá capacidade local de aprendizado de máquina. Ou seja, são mais de[…]

Leia mais »