inova.jor

inova.jor

Como está a competição na banda larga

A Teleco apresentou estudo sobre banda larga no Seminário TelComp / Renato Cruz/inova.jor
A Teleco apresentou estudo sobre banda larga no Seminário TelComp / Renato Cruz/inova.jor 

De janeiro a setembro, as operadoras competitivas foram responsáveis por 87,5% dos novos acessos à banda larga fixa no Brasil.

Segundo Eduardo Tude, presidente da consultoria Teleco, essa participação seria ainda maior se todas as prestadoras reportassem regularmente seus acessos para a Agência Nacional de Telecomunicações (Anatel).

Existem 7,2 mil operadoras com licença de Serviço de Comunicação Multimídia (SCM). Do total, 5 mil reportaram acessos à agência em setembro.

Em dezembro de 2017, 627 operadoras informaram ter 359 mil acessos à Anatel. Essas empresas não prestaram informações em setembro deste ano.

Tude participou do XI Seminário TelComp 2018, em 13 de novembro.

Participação de mercado

As operadoras competitivas não incluem a Oi, Telefônica Vivo e Claro/NET.

Nenhuma delas tem participação de mercado maior do que 2%, sendo que 97,8% possuem menos de 5 mil acessos de banda larga.

Somadas, devem terminar em segundo lugar de participação, atrás somente da Claro/NET.  

No ano passado, ficaram com 23% da receita de banda larga fixa, o que correspondeu a R$ 6,6 bilhões.

As operadoras competitivas contam com 350 mil quilômetros de redes ópticas, com abrangência equivalente às três grandes.

A participação das operadoras competitivas no mercado de banda larga / Teleco

Comentários

comentários

Publicações relacionadas

Setor brasileiro de telecomunicações depende menos das grandes operadoras / Oleg Zaytsev/Creative Commons

‘Cenário da competição nas telecomunicações começa a mudar’

O mercado brasileiro de telecomunicações está menos dependente dos grandes players. Operadoras competitivas têm conseguido criar alternativas tanto no acesso e na rede de transporte quanto em conexões internacionais. A participação de mercado das empresas competitivas chegou a 18,8% em agosto deste ano. No fim de 2015, era de 14%.[…]

Leia mais »
Brasileiros têm concentrado comunicação em aplicativos como o WhatsApp

Brasil já tem mais celulares 4G do que 3G

Em outubro, o Brasil passou a ter mais celulares com tecnologia 4G do que 3G, segundo a Associação Brasileira de Telecomunicações (Telebrasil). Naquele mês, havia 95 milhões de acessos 4G, comparados a 92 milhões de 3G. O crescimento acumulado em 12 meses da quarta geração da telefonia móvel chegou a[…]

Leia mais »

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *