inova.jor

inova.jor

Como a carne sintética vai mudar nossas vidas

A carne sintética da Impossible Foods é oferecida em 3 mil restaurantes / Divulgação
A carne sintética da Impossible Foods é oferecida em 3 mil restaurantes / Divulgação

A carne sintética promete mudar a indústria de alimentos. Startups de várias partes do mundo trabalham para produzi-la.

São duas estratégias principais: desenvolver produtos com características da carne a partir de vegetais e cultivar células animais em laboratório.

Ainda não é possível criar um bife dessa forma, mas hambúrgueres e almôndegas já são feitos assim.

Produzido a partir de vegetais, o hambúrguer da Impossible Meats já é vendido em 3 mil restaurantes nos Estados Unidos, Hong Kong e Macau.

A empresa tem como meta eliminar a necessidade de criação de animais para produção de alimentos em 2035.

A Impossible Food criou uma maneira de produzir em laboratório, a partir de levedura geneticamente modificada, leghemoglobina de soja.

A leghemoglobina é uma hemoproteína, assim como a hemoglobina encontrada no sangue. 

Segundo a Impossible Food, a alta concentração de leghemoglobina consegue dar à carne sintética o mesmo gosto da tradicional, consumindo menos recursos na sua produção.

“Produzir o Impossible Burger consome cerca de 75% menos água, gera cerca de 87% menos gases de efeito estufa e exige cerca de 95% menos terra que a carne tradicional bovina”, destaca a empresa.

Cultivo de células

A segunda forma de desenvolver carne sintética, a partir do cultivo de células animais em laboratório, está um pouco mais longe do mercado.

O processo ainda é muito caro, mas os custos têm caído.

O primeiro hambúrguer feito pela holandesa Mosa Meat custou cerca de US$ 300 mil. O objetivo da empresa é chegar a US$ 11 em 2020.

Uma almôndega da americana Memphis Meats tem custo de produção de US$ 1,2 mil.  

A criação de animais para alimentação é responsável por cerca de 15% da emissão de gases de efeito estufa causada pela humanidade, segundo estimativas da Organização das Nações Unidas (ONU).

Um terço da produção agrícola tem como destino a alimentação de animais para o abate. Eles também consomem 8% da água potável do planeta.

Além do efeito ambiental positivo, a carne sintética é livre de contaminação química e de micro-organismos.

O Brasil é o segundo maior produtor de carne do mundo. 

Publicações relacionadas

A Citrosuco enfrenta escassez de mão de obra na colheita da laranja / Divulgação

Citrosuco seleciona startups com soluções para colheita

A Citrosuco, em parceria com o movimento 100 Open Startups, promove o Desafio Soluções para Colheita. As startups interessadas podem se inscrever até 5 de dezembro. A maior empresa de suco de laranjas do mundo quer fechar parcerias que facilitem a colheita. Apesar de já existirem no mundo iniciativas mecanizadas[…]

Leia mais »
O trabalho da Embrapa foi responsável por tornar o Brasil um grande produtor de soja / Fernando Dias/Seapa

Por que a Embrapa precisa se reinventar, segundo a Economist

A Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária (Embrapa) é uma joia da inovação no Brasil, mas enfrenta tempos difíceis e precisa se reinventar, segundo a Economist. Antes da criação da Embrapa, em 1973, o cerrado brasileiro era considerado impróprio para a agricultura. Foi graças ao trabalho da estatal que o país[…]

Leia mais »