inova.jor

inova.jor

Como a carne sintética vai mudar nossas vidas

A carne sintética da Impossible Foods é oferecida em 3 mil restaurantes / Divulgação
A carne sintética da Impossible Foods é oferecida em 3 mil restaurantes / Divulgação

A carne sintética promete mudar a indústria de alimentos. Startups de várias partes do mundo trabalham para produzi-la.

São duas estratégias principais: desenvolver produtos com características da carne a partir de vegetais e cultivar células animais em laboratório.

Ainda não é possível criar um bife dessa forma, mas hambúrgueres e almôndegas já são feitos assim.

Produzido a partir de vegetais, o hambúrguer da Impossible Meats já é vendido em 3 mil restaurantes nos Estados Unidos, Hong Kong e Macau.

A empresa tem como meta eliminar a necessidade de criação de animais para produção de alimentos em 2035.

A Impossible Food criou uma maneira de produzir em laboratório, a partir de levedura geneticamente modificada, leghemoglobina de soja.

A leghemoglobina é uma hemoproteína, assim como a hemoglobina encontrada no sangue. 

Segundo a Impossible Food, a alta concentração de leghemoglobina consegue dar à carne sintética o mesmo gosto da tradicional, consumindo menos recursos na sua produção.

“Produzir o Impossible Burger consome cerca de 75% menos água, gera cerca de 87% menos gases de efeito estufa e exige cerca de 95% menos terra que a carne tradicional bovina”, destaca a empresa.

Cultivo de células

A segunda forma de desenvolver carne sintética, a partir do cultivo de células animais em laboratório, está um pouco mais longe do mercado.

O processo ainda é muito caro, mas os custos têm caído.

O primeiro hambúrguer feito pela holandesa Mosa Meat custou cerca de US$ 300 mil. O objetivo da empresa é chegar a US$ 11 em 2020.

Uma almôndega da americana Memphis Meats tem custo de produção de US$ 1,2 mil.  

A criação de animais para alimentação é responsável por cerca de 15% da emissão de gases de efeito estufa causada pela humanidade, segundo estimativas da Organização das Nações Unidas (ONU).

Um terço da produção agrícola tem como destino a alimentação de animais para o abate. Eles também consomem 8% da água potável do planeta.

Além do efeito ambiental positivo, a carne sintética é livre de contaminação química e de micro-organismos.

O Brasil é o segundo maior produtor de carne do mundo. 

Comentários

comentários

Publicações relacionadas

Drone apresentado na CES 2015

CES 2016: Para onde vai o mercado de eletrônicos

Vivemos tempos interessantes. Os objetos estão cada vez mais conectados, mas ninguém sabe ainda quais serão os vencedores do mercado de “internet das coisas”, que vão substituir os computadores (que enfrentam vários trimestres de queda de vendas) e os smartphones (que passam por um período de desaceleração). Nesta semana, acontece[…]

Leia mais »
Tecnologias como rede mesh e Sigfox prometem conectar dispositivos no campo / Christophe Becker/Creative Commons

Novas tecnologias prometem levar internet para o campo

O agronegócio é um dos setores prioritários do Plano Nacional de Internet das Coisas (IoT, na sigla em inglês), divulgado neste mês. Um desafio nessa área é levar conectividade para as aplicações. Segundo o Ministério da Ciência Tecnologia, Inovações e Comunicações (MCTIC), 47% dos domicílios rurais não estão conectados à[…]

Leia mais »

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *