inova.jor

inova.jor

Como a carne sintética vai mudar nossas vidas

A carne sintética da Impossible Foods é oferecida em 3 mil restaurantes / Divulgação
A carne sintética da Impossible Foods é oferecida em 3 mil restaurantes / Divulgação

A carne sintética promete mudar a indústria de alimentos. Startups de várias partes do mundo trabalham para produzi-la.

São duas estratégias principais: desenvolver produtos com características da carne a partir de vegetais e cultivar células animais em laboratório.

Ainda não é possível criar um bife dessa forma, mas hambúrgueres e almôndegas já são feitos assim.

Produzido a partir de vegetais, o hambúrguer da Impossible Meats já é vendido em 3 mil restaurantes nos Estados Unidos, Hong Kong e Macau.

A empresa tem como meta eliminar a necessidade de criação de animais para produção de alimentos em 2035.

A Impossible Food criou uma maneira de produzir em laboratório, a partir de levedura geneticamente modificada, leghemoglobina de soja.

A leghemoglobina é uma hemoproteína, assim como a hemoglobina encontrada no sangue. 

Segundo a Impossible Food, a alta concentração de leghemoglobina consegue dar à carne sintética o mesmo gosto da tradicional, consumindo menos recursos na sua produção.

“Produzir o Impossible Burger consome cerca de 75% menos água, gera cerca de 87% menos gases de efeito estufa e exige cerca de 95% menos terra que a carne tradicional bovina”, destaca a empresa.

Cultivo de células

A segunda forma de desenvolver carne sintética, a partir do cultivo de células animais em laboratório, está um pouco mais longe do mercado.

O processo ainda é muito caro, mas os custos têm caído.

O primeiro hambúrguer feito pela holandesa Mosa Meat custou cerca de US$ 300 mil. O objetivo da empresa é chegar a US$ 11 em 2020.

Uma almôndega da americana Memphis Meats tem custo de produção de US$ 1,2 mil.  

A criação de animais para alimentação é responsável por cerca de 15% da emissão de gases de efeito estufa causada pela humanidade, segundo estimativas da Organização das Nações Unidas (ONU).

Um terço da produção agrícola tem como destino a alimentação de animais para o abate. Eles também consomem 8% da água potável do planeta.

Além do efeito ambiental positivo, a carne sintética é livre de contaminação química e de micro-organismos.

O Brasil é o segundo maior produtor de carne do mundo. 

Comentários

comentários

Publicações relacionadas

Yihyun Lim, do MIT, falou sobre tendências como internet das coisas emocionais e biodesign / Renato Cruz/inova.jor

Prepare-se para a internet das coisas emocionais

E se uma luminária começasse a conversar com você no saguão do hotel, e oferecesse presentes, a partir de suas informações pessoais? Pode ser interessante, mas também pode ser muito estranho. Yihyun Lim, diretora do Design Lab do Instituto de Tecnologia de Massachusetts (MIT, na sigla em inglês), falou ontem[…]

Leia mais »

Hospitais apostam em acompanhamento remoto do paciente

Rio de Janeiro Ir ao hospital para fazer tratamentos básicos de saúde pode se tornar algo raro nos próximos anos. O conceito de “at-home hospital care” (assistência hospitalar no domicílio) é uma das apostas de modernização do setor de saúde. Em sistemas at-home, apenas tratamentos de doenças agudas são feitos no[…]

Leia mais »

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *