inova.jor

inova.jor

Como a inteligência artificial pode tornar o Brasil mais eficiente

A BRF adotou inteligência artificial para atendimento de TI / Divulgação
A BRF adotou inteligência artificial para atendimento de TI / Divulgação

O Brasil precisa ganhar produtividade. É bastante conhecido o indicador de que um trabalhador brasileiro produz o equivalente a um quarto do americano.

Uma parte da solução está no investimento em tecnologia e inovação. Ferramentas de inteligência artificial (IA) podem multiplicar a eficiência de empresas.

“Estamos comprometidos em assegurar que todos os brasileiros se beneficiem desses avanços”, disse hoje (12/2) Satya Nadella, CEO mundial da Microsoft, durante evento em São Paulo.

Um estudo da Fundação Getúlio Vargas (FGV), encomendando pela Microsoft, analisou os setores do agronegócio, transporte e comunicação, óleo e gás e setor público, que respondem por 36,4% da economia brasileira.

Segundo a FGV, a adoção de IA nesses setores podem levar a um crescimento de 6,43% do Produto Interno Bruto (PIB) num período de 15 anos.

A Microsoft tem uma das plataformas mundiais de IA. Outros fornecedores de destaque nesse mercado são a Amazon, Google e IBM.

Atendimento

Uma aplicação brasileira de IA é a Exceptional Value Assistante (EVA), assistente que resolve dúvidas e problemas de tecnologia da informação (TI) dos funcionários da companhia.

Desenvolvida em 2017, numa parceria com a IBM, a EVA atende a cerca de 2,5 mil chamadas por mês pelo chat, em português, espanhol e inglês.

O tempo médio de resolução é de cinco minutos, com respostas instantâneas a 55% das interações.

O índice de aprovação do serviço é de 94%. A EVA está preparada para atender mais de 70 assuntos de TI.

“Para atendermos essas chamadas, precisaríamos de mais três analistas”, afirmou Gustavo Oliveira, administrador da ferramenta na BRF.

Além disso, o atendimento humano seria mais demorado. “Reduzimos de 15 para dois minutos o tempo para configurar uma impressora.”

A IA é uma alternativa interessante de autosserviço, que poderia ser levada a outro setores.

“Estamos aprendendo bastante com esta aplicação”, afirmou Leo Rahn, coordenador de TI na BRF.

Crescimento

A IDC estima que 15,3% das médias e grandes empresas brasileiras têm a IA como uma de suas principais iniciativas de tecnologia. Esse percentual deve dobrar em quatro anos.

Segundo a consultoria, as aplicações mais promissoras estão em:

  • atendimento a clientes,
  • análise e investigação de fraudes,
  • automação de TI, e
  • diagnósticos e tratamentos de saúde. 

A previsão para 2022 é que 20% das empresas brasileiras adotem IA para oferecer interface de voz no atendimento a clientes.

Comentários

comentários

Publicações relacionadas

O Brasil precisa de mais estudos em IoT e computação cognitiva, dizem especialistas / Mariana Lima/inova.jor

No Brasil, a internet das coisas está só começando

A internet das coisas (IoT, na sigla em inglês) representa um mercado de grande potencial. Segundo estudo encomendado pela Progress à Frost & Sullivan, o impacto positivo da tecnologia na economia mundial, levando-se em conta corte de gastos e novas receitas, deve ultrapassar US$ 1 trilhão. A adoção da tecnologia,[…]

Leia mais »
James M. Whitehurst, da Red Hat, e Ginni Rometty, da IBM, anunciaram acordo / Divulgação

Por que a IBM decidiu comprar a Red Hat

A IBM anunciou ontem (28/10) um acordo para comprar a Red Hat por US$ 34 bilhões. A aquisição melhora a posição da empresa no mercado de nuvem. Segundo comunicado, o objetivo é transformar a IBM no maior fornecedor de nuvem híbrida do mundo. A nuvem híbrida combina operações de nuvem[…]

Leia mais »

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *