inova.jor

inova.jor

Por que a interconexão cresce mais rápido na América Latina

Adoção de tecnologias digitais intensifica interconexão, escreve Lordelo / Divulgação
Adoção de tecnologias digitais intensifica interconexão, escreve Lordelo / Divulgação

A dinâmica dos mercados emergentes e a crescente adoção de tecnologias digitais intensificam a interconexão e a troca de tráfego entre empresas pela América Latina.

Um impulsionador é a centralização do setor de serviços financeiros em São Paulo, o que torna a cidade o maior polo financeiro da região.

Além disso, a convergência de sistemas de cabos submarinos, como o Monet e a Globenet, faz com que o Brasil seja ponto-chave de crescimento para as telecomunicações e para os maiores provedores de cloud, como Microsoft Azure, AWS e Google.

De acordo com o segundo Global Interconnection Index (GXI), estudo realizado pela Equinix, a região da América Latina contribuirá com 9% da largura de banda da interconexão global instalada.

Essa pode ser a menor participação da capacidade de largura de banda de interconexão com mais de 750 terabits por segundo (Tbps), mas prevê-se que a América Latina será a região de crescimento mais rápido do mundo, com 59% da taxa composta de crescimento anual (CAGR, na sigla em inglês) até 2021.

Crescimento setorial

Nove das 11 indústrias representadas no relatório do GXI crescem a uma CAGR maior do que 60%.

A previsão é que três setores consumirão a maior parte da capacidade da largura de banda de interconexão em 2021. São eles:

  • Conteúdo e mídia digital, que representa 35% do total do consumo da largura de banda da interconexão da América Latina;
  • Serviços de cloud e de TI, representando um foco preciso na adoção de cloud corporativa; e
  • Bancos e seguros, o mais estabelecido de todos os setores da região.

De acordo com o GXI, espera-se que a interconexão corporativa cresça a uma CAGR de 71%.

No entanto, essa modalidade representará apenas 39% do tráfego de interconexão total da América Latina.

A maior participação (71%) é impulsionada por provedores de serviços de rede que trabalham para permitir maior interconexão do mercado norte-americano com outros locais.

Uma tendência macroeconômica que impulsiona a interconexão é a urbanização.

O GXI prevê que 90% de todo o tráfego de interconexão latino-americana terá origem em quatro cidades: São Paulo, Rio de Janeiro, Buenos Aires e Cidade do México.

Esse percentual representa um crescimento mais rápido em largura de banda da interconexão do que o de qualquer região do mundo, com uma CAGR de 61% até 2021.

A expectativa é que São Paulo e Rio de Janeiro cresçam sete vezes nos próximos quatro anos.

Negócios digitais

Outro ponto importante de tendência é que a interconexão está impulsionando as implantações de negócios digitais em toda a América Latina.

Um bom exemplo é a Ingresso Rápido, empresa que vende e distribui ingressos, atuando na gestão de bilheterias e na disseminação de eventos culturais, esportivos e de entretenimento em todo o Brasil.

As vendas têm picos sazonais, fazendo com que as demandas por ingressos cresçam exponencialmente num período muito curto e, portanto, a empresa não pode se dar ao luxo de ter problemas de latência e performance ruim durante esses horários de pico.

Para aumentar sua capacidade de vendas e otimizar sua performance para os clientes, a empresa implementou um ambiente de cloud híbrida ao interconectar sua cloud privada ao Microsoft Azure por meio do Azure ExpressRoute e do Equinix Cloud Exchange Fabric, na Plataforma Equinix.

A América Latina é uma região próspera com novas e promissoras possibilidades para os negócios da região e de todo o mundo.

O crescimento da interconexão está intrinsecamente ligado às necessidades geradas por novas tecnologias e às mudanças que vivemos na era da transformação digital.

  • Wellington Lordelo é gerente de Marketing e Soluções da Equinix Brasil

Comentários

comentários

Publicações relacionadas

Modelos tradicionais de marketing de experimentação falharam / Renato Cruz/inova.jor

Por que o marketing de experimentação não pode morrer

Dentre todas as disciplinas de marketing para promover lançamentos, o marketing de experimentação é a mais eficiente. Quem diz isso são os consumidores. Segundo pesquisa realizada pela Lytics para uma empresa de bens de consumo, mais de 60% dos entrevistados afirmaram que o marketing de experimentação e distribuição de amostra[…]

Leia mais »
Cooperação permite compartilhar esforço de gestão no corporate venturing / Divulgação

‘O corporate venturing começa errado no Brasil’

As empresas brasileiras começam a descobrir – e explorar – o conceito de corporate venturing. Vários casos recentes mostram corporações de grande e médio porte que alocam recursos para empresas nascentes, assim como fazem os fundos de venture capital. Esse modelo de investimento é interessante quando bem feito. Para grandes[…]

Leia mais »

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *