inova.jor

inova.jor

Por que o blockchain não é imune a ataques

Ataque ao Ethereum Classic mostra que blockchain não é tão seguro / paul bica
Ataque ao Ethereum Classic mostra que blockchain não é tão seguro / paul bica

O blockchain, tecnologia por trás de criptomoedas como o bitcoin, tem sido apontado como imune a ataques.

Mas fatos recentes, discutidos em reportagem da Technology Review, mostram que não é bem assim.

No mês passado, criminosos digitais roubaram US$ 1,1 milhão em Ethereum Classic, num ataque conhecido como 51%.

Nesse tipo de ataque, os bandidos assumem mais da metade do poder computacional que mantém a rede da criptomoeda.

Isso permite que eles reescrevam os registros, que têm cópias distribuídas nas máquinas que participam da rede.

Dessa forma, conseguem gastar duas vezes as mesmas moedas, fraudando o sistema.

Da teoria à prática

Segundo a Technology Review, até o ano passado esse tipo de ataque era praticamente teórico.

Se alguém quisesse atacar o bitcoin, segundo estimativas, gastaria US$ 260 mil por hora em poder computacional, o que tornaria o ataque inviável.

Existem, no entanto, mais 1,5 mil criptomoedas sendo negociadas no mundo e, quanto menor a rede, mais vulnerável ela é.

O Ethereum Classic foi a primeira entre as 20 criptomoedas mais negociadas do mundo a sofrer esse tipo de ataque.

A reportagem aponta outros tipos de vulnerabilidades, como erros na implantação do blockchain e brechas no software de cliente ou nos contratos inteligentes, dependendo da aplicação.

Algumas startups, como a AnChain.ai, têm desenvolvido sistemas de segurança para monitorar as transações em criptomoedas e identificar movimentações anômalas.

Comentários

comentários

Publicações relacionadas

O Banco inter lançou recentemente o serviço de banco digital para pequenas e médias empresas / Renato Cruz/inova.jor

Banco Inter quer ser o primeiro banco brasileiro 100% na nuvem

O Banco Inter quer se tornar o primeiro banco brasileiro 100% na nuvem. Controlado pela família Menin, dona da incorporadora MRV, oferece contas digitais sem a cobrança de tarifa desde 2015. “Como banco de varejo, já nascemos digitais”, afirma João Vitor Menin, presidente do Banco Inter. “Nunca chegamos a ter[…]

Leia mais »
Carlos Ghosn, da Nissan, falou sobre carros autônomos e carros elétricos durante a CES / Renato Cruz/inova.jor

CES 2017: Nissan mostra que carro não será tão autônomo

LAS VEGAS O brasileiro Carlos Ghosn, presidente mundial da Nissan, apresentou ontem (6/1) seu plano para acabar com as vítimas nos acidentes de carros e com a emissão de poluentes. Os carros autônomos e os carros elétricos são, atualmente, as duas tendências mais quentes do mercado automobilístico. A Nissan é[…]

Leia mais »

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *