inova.jor

inova.jor

Cinco tendências que vão transformar o onboarding

Processos de onboarding passam por intensa transformação / Tiago Queiroz/inova.jor
Processos de onboarding passam por intensa transformação / Tiago Queiroz/inova.jor

Os processos rotineiros de cadastro para uso de serviços (onboarding), como transações bancárias ou aluguel de veículos, já passam por intensas e inovadoras transformações.

Cada vez mais pessoas realizam transações online, e empresas de diversos segmentos — em especial as financeiras — têm enfrentado dois grandes desafios: a digitalização dos seus serviços e o combate às fraudes de identidade.

O mercado já reconhece a ineficiência dos processos de cadastro de um novo cliente da forma tradicional e burocrática, que envolve diversas etapas, uma série de cópias de documentos impressos e a necessidade de uma visita pessoal, apenas para cumprir com a regulamentação de know your customer (conheça seu cliente).

No entanto, algumas tendências para a automatização e digitalização dos processos de onboarding ganham robustez e são percebidas como importante ferramenta para garantir mais segurança e agilidade, tanto para empresas quanto para usuários.

Recursos biométricos

Lincoln Ando, da idwall / Divulgação
Lincoln Ando, da idwall / Divulgação

Segundo o Serasa, o segmento financeiro é um dos que mais sofrem com as tentativas de fraude de identidade — somente em 2017, foram 428.347 tentativas.

É nesse contexto que entram as soluções biométricas. Até 2020, cerca de 2 bilhões de clientes de bancos farão uso de sistemas biométricos para ter acesso aos serviços bancários — entre eles, para validação de identidade no onboarding digital.

Realizado pessoalmente há até pouco tempo, o processo passa a ser feito primordialmente via móvel graças à utilização de recursos biométricos como o reconhecimento facial, que utiliza técnicas de aprendizado de máquina para aprimorar sua precisão.

E mais: uma pesquisa realizada por um relevante ator do mercado de meios de pagamento no final de 2017 aponta que 98% dos brasileiros estão interessados em utilizar pelo menos um meio biométrico para verificar a sua identidade.

Self-checkout no mundo offline

Outra tendência, o self-checkout (autopagamento), é uma forma de otimizar o tempo e as etapas de cadastro e compra.

Os próprios usuários podem realizar a compra de seus produtos/serviços em menos tempo e em processos menos suscetíveis a erros.

Segundo a consultoria Gartner, os consumidores manterão cerca de 85% do seu relacionamento com empresas sem qualquer interação humana em 2020.

A oferta do self-checkout tem aumentado conforme os usuários reafirmam sua preferência por serviços mobile que não utiliza dinheiro físico.

Essa tendência utiliza identidades digitais que tornam o processo cada vez mais completo e seguro.

No mundo offline, o self-checkout é cada vez mais visto em supermercados, farmácias e em projetos omnichannel do varejo, podendo ser expandidos para segmentos cada vez mais complexos.

Até 2024, a expectativa é que esse mercado exceda os $ 4 bilhões de dólares (Global Market Insights).

Privacy by design

Mesmo antes de entrar em vigor, a Lei Geral de Proteção de Dados (LGPD) tem feito as empresas olharem com mais atenção para aspectos relacionados à segurança e à privacidade dos dados de seus clientes.

Nesse contexto, o privacy by design é conceito que parte do princípio de que as empresas devem incorporar questões de privacidade e transparência em seus produtos, modelo de negócio e em sua própria estrutura tecnológica.

O privacy by design liderou pautas de discussões em 2018 devido às regulamentações de dados pessoais aprovadas na Europa (GDPR) e no Brasil (LGPD), e muitas empresas devem recorrer a ele nos próximos anos para que consigam se adaptar às novas exigências.

Alguns dos principais pontos que fazem parte do privacy by design são a segurança implementada de ponta a ponta, o respeito pela privacidade do usuário e a privacidade como configuração padrão.

Empoderamento dos usuários

As regulamentações como a GDPR e a LGPD, sancionadas em 2018, também vieram para dar maior controle aos usuários sobre seus dados pessoais.

Ambas as legislações seguem o mesmo modelo e orientam as empresas a informar, de forma clara, para qual finalidade usarão os dados dos seus clientes, quem terá acesso a eles e por quanto tempo. Além disso, elas só podem fazê-lo com o consentimento explícito do usuário.

Identidade digital

Atualmente, o excesso de processos burocráticos, privacidade e fraude são problemas globais, sofridos por instituições públicas, privadas e pelo próprio usuário.

A partir do momento em que os dados pessoais são centralizados e colocados sob o poder do usuário, a verificação e validação de identidade podem tornar-se mais fáceis, originando vários benefícios.

Alguns deles são o acesso a um leque de serviços sem a necessidade de realizar múltiplos cadastros, maior portabilidade e até mesmo a possibilidade de construir cidades mais inteligentes.

O conceito de identidade digital parte do princípio de que, cada vez mais, nossas identidades (física e online) estão conectadas.

Um exemplo em que podemos ver essa ideia em prática é um projeto que vem sendo desenvolvido pelo Canadá, onde o governo deseja implementar um login único de acesso aos seus mais de 100 portais de serviços federais.

Por fim, vale ficar atento a essas e demais tendências que surgem com o intuito de atender às normas de compliance e garantir transações e processos muito mais seguros para todos – empresas, usuários e mercado como um todo.

É interessante observar como as tecnologias em prol da proteção de dados e segurança das informações têm se tornado mais acessíveis e estão cada vez mais presentes nas organizações e com alta aderência entre os usuários.

  • Lincoln Ando é CEO e cofundador da idwall

Comentários

comentários

Publicações relacionadas

As soluções de computação em nuvem cresceram rapidamente na América Latina / Damien Pollet/Creative Commons

Por que o software é a nova infraestrutura

A maioria de nós, que está há alguns anos no mercado de tecnologia, veio de uma época em que se dizia “build it and they will come”. Isto é, primeiro construímos o que quer que seja (o data center, uma aplicação, uma rede…) e depois nos preocupamos com quando e[…]

Leia mais »
Pesquisa aponta que 44% ainda preferem notícias selecionadas por um editor humano / Pablo/Creative Commons

Maioria prefere notícias escolhidas por algoritmo

Como você encontra as notícias que lê? Provavelmente, boa parte delas vem do seu feed do Facebook ou de uma busca no Google. A edição deste ano do Digital News Report, do Reuters Institute, apontou que a maioria das pessoas prefere que algoritmos escolham as notícias para elas, no lugar[…]

Leia mais »

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *