inova.jor

inova.jor

‘O menino que descobriu o vento’ é ode à tecnologia

'O menino que descobriu o vento' é baseado numa história real / Reprodução
‘O menino que descobriu o vento’ é baseado numa história real / Reprodução

William Kamkwamba tinha 14 anos quando construiu sua primeira turbina eólica, num vilarejo do Malaui, na África.

O menino tinha sido obrigado a abandonar o ensino médio, depois de seus pais não conseguirem pagar as mensalidades.

Ele conseguiu construir o equipamento a partir de peças encontradas num ferro velho e um livro chamado Using Energy, disponível na biblioteca da vila.

Baseado nessa história real, o filme O menino que descobriu o vento, produzido pela Netflix, é uma ode à ciência e tecnologia.

Ele mostra como tecnologias já conhecidas podem revolucionar a vida de comunidades carentes.

A vila em que vivia Kamkwamba era formada por pequenos agricultores. Seu pai e seus vizinhos enfrentavam uma crise causada pela seca.

No filme, o menino usa a turbina eólica para alimentar uma bomba d’água e criar um sistema de irrigação para a sua vila.

Na vida real, a primeira turbina eólica criada pelo jovem levou energia elétrica para a sua casa, alimentando quatro lâmpadas e dois rádios.

O equipamento que forneceu água potável para a vila foi um projeto posterior.

Antes de criar sua primeira usina eólica, Kamkwamba consertava rádios de seus vizinhos.

Autobiografia

Dirigido por Chiwetel Ejiofor (que também interpreta o pai do protagonista), O menino que descobriu o vento foi baseado numa autobiografia de Kamkwamba, publicada em 2009.

Ele ficou conhecido pela comunidade internacional ao participar da conferência TEDGlobal 2007, na Tanzânia (o vídeo está abaixo).

Com a visibilidade conquistada na conferência, Kamkwamba conseguiu apoio para terminar o ensino médio em Linlongue, capital do Malaui.

Depois disso, recebeu uma bolsa para estudar no Dartmouth College, nos Estados Unidos, onde se formou em Estudos Ambientais.

O filme O menino que descobriu o vento mostra como um menino conseguiu, com seu talento para a engenharia, enfrentar problemas como a fome e a falta de recursos e mudar a vida de toda uma comunidade.

Comentários

comentários

Publicações relacionadas

Cientistas ficarão em bares de 22 cidades para tirar dúvidas e conversar sobre vários ramos da ciência / Divulgação

Cientistas vão a bares para tirar dúvidas da sociedade

Entre 15 e 17 de maio, dezenas de pesquisadores e especialistas brasileiros estarão espalhados estrategicamente em bares para conversar com pessoas dispostas a falar sobre ciência. O Pint of Science acontece simultaneamente em 10 países e, incluindo o Brasil. Por aqui, haverá programação em 22 cidades. A ideia do evento é[…]

Leia mais »
O Parque Tecnológico de Sorocaba planeja selecionar 10 participantes para a segunda turma de seu programa de startups / Divulgação

Parque tecnológico de Sorocaba seleciona startups

A Hubiz, incubadora do Parque Tecnológico de Sorocaba, está com inscrições abertas. O processo seletivo ficará aberto permanentemente. Podem se inscrever pessoas físicas ou jurídicas que apresentem propostas de desenvolvimento de produtos, processos e serviços inovadores. O edital contempla áreas como: alimentos, automotiva, biotecnologia, blockchain, edtech (educação), eletroeletrônica, energias renováveis,[…]

Leia mais »

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *