inova.jor

inova.jor

‘O menino que descobriu o vento’ é ode à tecnologia

'O menino que descobriu o vento' é baseado numa história real / Reprodução
‘O menino que descobriu o vento’ é baseado numa história real / Reprodução

William Kamkwamba tinha 14 anos quando construiu sua primeira turbina eólica, num vilarejo do Malaui, na África.

O menino tinha sido obrigado a abandonar o ensino médio, depois de seus pais não conseguirem pagar as mensalidades.

Ele conseguiu construir o equipamento a partir de peças encontradas num ferro velho e um livro chamado Using Energy, disponível na biblioteca da vila.

Baseado nessa história real, o filme O menino que descobriu o vento, produzido pela Netflix, é uma ode à ciência e tecnologia.

Ele mostra como tecnologias já conhecidas podem revolucionar a vida de comunidades carentes.

A vila em que vivia Kamkwamba era formada por pequenos agricultores. Seu pai e seus vizinhos enfrentavam uma crise causada pela seca.

No filme, o menino usa a turbina eólica para alimentar uma bomba d’água e criar um sistema de irrigação para a sua vila.

Na vida real, a primeira turbina eólica criada pelo jovem levou energia elétrica para a sua casa, alimentando quatro lâmpadas e dois rádios.

O equipamento que forneceu água potável para a vila foi um projeto posterior.

Antes de criar sua primeira usina eólica, Kamkwamba consertava rádios de seus vizinhos.

Autobiografia

Dirigido por Chiwetel Ejiofor (que também interpreta o pai do protagonista), O menino que descobriu o vento foi baseado numa autobiografia de Kamkwamba, publicada em 2009.

Ele ficou conhecido pela comunidade internacional ao participar da conferência TEDGlobal 2007, na Tanzânia (o vídeo está abaixo).

Com a visibilidade conquistada na conferência, Kamkwamba conseguiu apoio para terminar o ensino médio em Linlongue, capital do Malaui.

Depois disso, recebeu uma bolsa para estudar no Dartmouth College, nos Estados Unidos, onde se formou em Estudos Ambientais.

O filme O menino que descobriu o vento mostra como um menino conseguiu, com seu talento para a engenharia, enfrentar problemas como a fome e a falta de recursos e mudar a vida de toda uma comunidade.

Comentários

comentários

Publicações relacionadas

‘Mídia digital ainda é muito subvalorizada’

Quando foi a última vez que você mudou de canal da sua televisão por terem começado os comerciais? Ou que você pulou a propaganda antes do vídeo do YouTube? A maneira como as pessoas consomem conteúdo tem mudado rapidamente em todo o mundo, mas a evolução do mercado publicitário não acompanha o mesmo ritmo.[…]

Leia mais »

Operadoras apostam em vídeo, big data e drones

Com a queda na demanda por serviços de voz e a competição crescente de aplicativos de internet, as operadoras de telecomunicações buscam novas fontes de receita. O aplicativo Studio+ é uma das apostas da Telefônica Vivo para diversificar seu modelos de negócios. Com a plataforma, os clientes da Vivo poderão assistir a[…]

Leia mais »

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *