inova.jor

inova.jor

Aos 30 anos, web enfrenta desafio do combate à desinformação

Tim Berners-Lee criou a web há 30 anos no Cern, em Genebra / Renato Cruz/inova.jor
Tim Berners-Lee criou a web há 30 anos no Cern, em Genebra / Renato Cruz/inova.jor

Em 12 de março de 1989, o físico britânico Tim Berners-Lee apresentou no Laboratório Europeu de Física de Partículas (Cern), em Genebra, um documento intitulado Gerenciamento de informações: uma proposta.

Considerada “vaga, mas empolgante” pelo superior de Berners-Lee, a proposta deu origem à web, aplicação que tornou a internet popular e mudou o mundo.

Aos 30 anos, a web enfrenta uma série de desafios, como a proteção da privacidade dos usuários e o combate à desinformação.

Fontes de disfunção

Você se lembra de como era a vida antes da web?

“A web se transformou em praça pública, biblioteca, consultório médico, loja, escola, estúdio de design, escritório, cinema, banco e muito mais”, escreveu Berners-Lee, em texto publicado hoje. “É claro que, com cada novo recurso, cada novo site, a divisão entre os que estão online e os que não estão vai aumentando, tornando ainda mais necessário tornar a web disponível para todo o mundo.”

O criador da web enumerou as três principais “fontes de disfunção”:

  1. Intenções maliciosas e deliberadas, como invasões e ataques patrocinados pelo Estado, comportamento criminoso e assédio online.
  2. Design de sistemas que criam incentivos perversos em que o valor do usuário é sacrificado, como modelos de receita baseados em anúncios que recompensam comercialmente o caça-clique e a disseminação viral da desinformação.
  3. Consequências negativas não intencionais de design benevolente, como o tom ultrajado e polarizado e a qualidade do discurso online.

O Núcleo de Informação e Coordenação do Ponto BR (Nic.br) promoveu hoje um encontro para comemorar os 30 anos da web.

Reinaldo Ferraz, Caroline Burle e Newton Calegari, do Ceweb.br, falaram sobre o passado, presente e futuro da tecnologia, no vídeo abaixo.

Comentários

comentários

Publicações relacionadas

A Pebble não conseguiu resistir e acabou fechando as portas, depois de vender ativos para a Fitbit / Joel Gillman/Creative Commons

É tempo de consolidação no mercado de relógios inteligentes

O mercado de relógios inteligentes tem ficado aquém das expectativas de fabricantes e analistas. Muitos achavam que ele poderia ser tão grande quanto o de smartphones, mas o smartwatch acabou se provando, pelo menos até agora, um produto de nicho. Hoje (13/12), o Google anunciou a compra da Cronologics, que desenvolveu[…]

Leia mais »

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *