inova.jor

inova.jor

Qual é a estratégia da Huawei para smartphones no Brasil

A Huawei anunciou sua volta ao mercado brasileiro de smartphones / Divulgação
A Huawei anunciou sua volta ao mercado brasileiro de smartphones / Divulgação

A Huawei anunciou, na terça-feira (30/4), sua volta ao mercado brasileiro, depois de uma tentativa em 2015.

Ele chegou ao país com dois modelos. O principal, chamado P30 Pro, tem preço de referência de R$ 5,5 mil e chega para concorrer, principalmente, com o Samsung S10 e o iPhone X.

A faixa de aparelhos premium, que custam mais de R$ 3 mil, está entre as que mais crescem no Brasil, com alta de 22,2% no ano passado, segundo a consultoria IDC.

O outro modelo lançado nesta semana, chamado P30 Lite, tem preço de referência de R$ 2,5 mil.

“Queremos ajudar o Brasil na transformação digital”, comentou Wei Yao, CEO da fabricante chinesa no Brasil. “Nós estamos de volta”.

A entrada da Huawei difere, e muito, de sua investida anterior.

Em 2015, a empresa se arriscou no Brasil com o Ascend P7, um aparelho intermediário de R$ 1,5 mil que não conseguiu o destaque esperado no mercado.

No ano passado, chegou a ser noticiada uma parceria com a Positivo para o mercado brasileiro de smartphones, que não se concretizou.

“Nosso foco em produtos premium tem dado bons resultados ao redor do mundo”, disse José Nascimento, diretor de vendas da empresa. “Por isso, decidimos trazer nosso carro-chefe ao Brasil. Há mercado”.

Zoom de 50 vezes

O P30 Pro conta com quatro câmeras, leitor de digitais na tela e bateria de 4200 mAh.

Nos testes feitos pelo inova.jor, o destaque foram as câmeras, que podem até levantar debates sobre privacidade. Afinal, a imagem continua nítida em zoom digital de 50 vezes.

No mundo, a Huawei já é a segunda maior fabricante de smartphones, tendo registrado crescimento maior que os concorrentes no primeiro trimestre, segundo a IDC.

A participação da Huawei ficou em 19% entre janeiro e março deste ano, o que significou crescimento 50,3% na comparação com o mesmo período de 2018.

A Samsung continua na frente, com 23,1% do mercado, enquanto a Apple caiu para a terceira colocação, com 11,7%.

A Huawei passou a Apple e ficou em segundo lugar no mercado mundial de smartphones, segundo o IDC

Publicações relacionadas

Operadoras brasileiras passam por processo de transformação digital / Senado Federal/Creative Commons

‘Maioria das operadoras brasileiras ainda opera como commodity’

Com a nova Lei Geral de Telecomunicações travada no Congresso após embate na Justiça, os investimentos no setor para neste ano não devem ser muito diferentes do que em 2016. A crise econômica e a instabilidade na aprovação da lei têm segurado investimentos das operadoras, que continuam sendo constantemente pressionadas[…]

Leia mais »
Infraestrutura: Discussão sobre franquia de dados da banda larga tem se limitado ao acesso / mohsend72/Creative Commons

Falta de investimento pode comprometer internet no Brasil

O Brasil pode voltar a sofrer problemas de conectividade em caso de estagnação dos investimentos em infraestrutura de redes. A expectativa da indústria é que o dispêndio em redes de telecomunicações diminua 15% neste ano, segundo Paulo Castelo Branco, diretor executivo de telecomunicações da Associação Brasileira da Indústria Elétrica e Eletrônica (Abinee).[…]

Leia mais »