inova.jor

inova.jor

Quem é o seu maior concorrente?

Concorrente: Segundo Luis Banhara, principais desafios são internos
Principais desafios e concorrentes de uma empresa podem ser internos / Media Club

No mercado de tecnologia, soluções, ferramentas e novas empresas surgem na mesma velocidade que a transformação digital avança e muda o mundo do trabalho.

Segundo pesquisa lançada em fevereiro pelo IDC, o mercado de TI neste ano deve crescer 10,5% só no Brasil. E 6,8% deste crescimento é atribuído a softwares e serviços.

No entanto, embora os números sejam animadores, enfrentar o concorrente é parte do negócio e o maior competidor nem sempre está no mesmo ramo de atividade, mas sim dentro de cada cliente.

Uma das maiores barreiras para a evolução tecnológica é a cultura organizacional.

Especialistas no assunto costumam explicar o conceito como como a argamassa que sustenta os tijolos e blocos para o crescimento da empresa.

Ela exerce uma função de unir os blocos harmonicamente, a ponto de proteger a estrutura de possíveis deformações.

No entanto, essa argamassa precisa ser retocada e muitas vezes refeita para continuar a ser o suporte da estrutura.

A exemplo da argamassa, a cultura corporativa é o suporte da empresa e determina sua estabilidade futura.

O escritor e professor Peter Drucker costumava dizer que “a cultura devora a estratégia no café da manhã”.

Ou seja, sem cultura corporativa madura não há evolução ou tecnologia que avance, por mais adequada que seja.

A cultura define como uma empresa trabalha, o modo como ela resolve os problemas e direciona as vantagens competitivas do negócio.

Bloqueios

Luis Banhara, diretor geral da Citrix, fala sobre concorrência e desafios internos de empresas
Luis Banhara, da Citrix / Divulgação

Um dos maiores inimigos da jornada de crescimento é o “good enough”, que reflete a cultura do imediatismo. Aquilo que for bom o suficiente tem um funcionamento paliativo.

Ou seja, soluções parciais que atendem a apenas uma parte do ambiente são tidas como suficientes.

Mas a médio ou longo prazo precisam ser revistas e acabam saindo mais dispendiosas do que se fossem bem dimensionadas pela primeira vez.

Muitas vezes este comportamento também está fortemente associado à escolha baseada no preço.

Por exemplo, existem alguns bons recursos online e gratuitos para compartilhamento de arquivos.

Mas com funções limitadas. Um serviço pago, desenhado para atender às necessidades das companhias, vai além.

Ele pode trazer criar camadas de segurança e fornecer controle sob o que o destinatário pode ou não fazer com o documento, evitando fraudes e garantindo rastreamento.

Segurança

Outra dificuldade cultural é a abordagem para a segurança das informações. Afinal, em nome da proteção ao ambiente, é comum que se opte por soluções poucos flexíveis.

Neste cenário, limita-se o trabalho dos funcionários. Mesmo existindo diversas soluções que forneçam alta segurança e flexibilidade, a resistência por parte dos gestores com novidades ainda é grande. Principalmente em relação a ferramentas baseadas em cloud.

Do ponto de vista da TI, os processos podem ser complexos. Segundo a pesquisa State of Digital Business Transformation, conduzida pela IDC, o terceiro maior obstáculo na jornada da transformação digital é série de dificuldades que vêm com a integração de sistemas críticos legados.

Assim, se os processos não forem concluídos com êxito, o prejuízo pode afetar a maioria das organizações.

Mesmo com diversas ofertas, a resistência para a atualização dos equipamentos e a migração dos legados vêm da dificuldade de mudar o modus operandi.

O mercado da tecnologia está em ebulição, mas a cultura organizacional que não foca na inovação é um banho de água fria no setor.

E mesmo que os números sejam animadores, essa cultura precisa estar alinhada com os objetivos para refletir novos posicionamentos.

Não existe culturas boas ou ruins, mas sim as fortes e as fracas, e são essas últimas minam a competitividade.

Por isso, enquanto os clientes ainda tiverem dificuldades para sair da zona de conforto para aderir ao novo e mais eficiente, o competidor vai continuar firme dentro de casa.

Comentários

comentários

Publicações relacionadas

No Dia da Internet Segura, instituições e empresas promovem atividades para conscientizar sobre o uso responsável e ético da rede

O que pode ser feito para tornar a internet segura

Hoje (07/2) é celebrado o Dia da Internet Segura em todo o mundo. Várias instituições e empresas, em mais de 100 países, promovem atividades para conscientizar sobre o uso responsável e ético da rede. Segundo pesquisa da Microsoft, as pessoas estão aflitas com a segurança e o tom das interações online[…]

Leia mais »
Gurus que nunca empreenderam servem de referência para um número impressionante de seguidores / Gabriel Millos/Creative Commons

‘Empreender não é uma tarefa fácil’

Viagens de aventura em motocicleta ocupam o imaginário de muitas pessoas. E, quando falamos desse tipo de viagem, tipicamente existem duas tribos: uma que prefere planejar e realizar suas viagens por conta própria, de forma autônoma e sem grande suporte operacional, e aquela que prefere uma versão mais suave da[…]

Leia mais »

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *