inova.jor

inova.jor

‘A Inventora’ mostra o outro lado do Vale do Silício

'A Inventora' mostra o outro lado do Vale do Silício
Cena de ‘A Inventora’, documentário sobre Elizabeth Holmes / Divulgação

A inventora Elizabeth Holmes tinha 19 anos quando fundou sua startup, a Theranos. Largou Stanford e foi tentar revolucionar o sistema de saúde com exames de sangue feitos apenas com um furo no dedo. E nada mais.

No entanto, o sonho de Holmes era uma mentira. Anos depois, quando o valor da startup batia na casa dos US$ 10 bilhões, descobriu-se que nada ali funcionava. Não tinha como usar apenas uma gota de sangue em exames.

É sobre este tema que se debruça o documentário A Inventora, nova produção original da HBO. Dirigido por Alex Gibney (A Mentira Armstrong), o filme é uma espécie de Fyre Festival do Vale do Silício.

Afinal, ao longo de seus 119 minutos, o documentário se esforça em mostrar como Holmes conseguiu crescer em cima de uma mentira. E mais: como pessoas poderosas, incluindo empreendedores, caíram nessa tal mentira.

Mercado

No entanto, mais do que a história ao estilo comédia de erros, o que chama a atenção é como Gibney constrói a ambientação. Como a startup foi parar nesses US$ 10 bilhões? O que há no Vale do Silício que proporcionou isso?

Assim, por meio de bons depoimentos, o cineasta vai traçando esses caminhos. A confiança exacerbada numa ideia, os contatos poderosos, toda a necessidade de se apostar numa ideia e não no produto consolidado.

Além disso, traz depoimentos importantes de pessoas que trabalhavam para a Theranos. Ela relatam o clima interno da startup, recorrente no Vale, que propicia boas ideias, mas pode acabar batendo numa barreira difícil.

Esta é uma problematização extremamente importante a ser feita. Como ressaltado por alguns entrevistados, fala-se muito dos louros da inovação e do empreendedorismo. De como isso tem revolucionado o mundo.

Mas e os erros? As falhas? E, principalmente, toda a cultura prejudicial e um pouco violenta que é criada no empreendedorismo? Ações de Elizabeth chegaram a causar, indiretamente, o suicídio de um de seus funcionários.

São discussões necessárias e que possuem bom reflexo quando bem apresentadas no cinema e na TV. Afinal, o debate que surge a partir disso é ainda mais importante.

A Inventora

Assim, neste ponto, também deve-se falar de outra ponto de A Inventora: a personalidade de Elizabeth Holmes. Não é fácil falar sobre ela, já que negou entrevistas para Gibney.

No entanto, o cineasta, experiente em se aprofundar em mentiras, se vale de um bom conjunto de material de arquivo. Contrapõe mentiras com bons depoimentos. É o jeito que ele encontrou de desconstruir a personagem.

É possível que algumas pessoas fiquem desconfortáveis por não ter o “outro lado”. A visão de Holmes sobre isso ou de pessoas que ainda trabalhem ao seu lado — afinal, ainda é empreendedora e busca resgatar credibilidade.

Mas também é preciso lembrar que documentários podem ter lado. Não são matérias jornalísticas. E, ainda assim, Gibney exibe os argumentos de Holmes e os desconstrói. Passo a passo. E com muita elegância.

Ao final, fica toda a reflexão e a importância de se trazer uma história que não seja de sucesso. Mostra para as pessoas, que sonham e idealizam algo, que pode acontecer de tudo no caminho do empreendedorismo. Até no Vale do Silício.

Publicações relacionadas

Red Bull Basement busca projetos de inovação cidadã

Estão abertas as inscrições, até 19 de maio, para a residência hacker do Red Bull Basement. Em sua quinta edição, o programa busca desenvolver projetos que façam uso da tecnologia para a solução de problemas sociais. Assim, serão selecionados cinco protótipos. Eles devem mirar necessidades como: saneamento, segurança pública, inclusão[…]

Leia mais »