inova.jor

inova.jor

Ataques cibernéticos custam US$ 1,35 milhão para empresas brasileiras

Ataques cibernéticos custam US$ 1,35 milhão para empresas brasileiras
Falhas em segurança dão prejuízo para empresas / Thomas Quine

Em 2019, o custo de ataques cibernéticos no Brasil aumentou 18,93% em relação ao ano anterior. Saltou para US$ 1,35 milhão, em média.

A informação é do estudo da IBM Security, que avalia o impacto financeiro das violações de dados nas organizações.

Segundo a pesquisa, esse aumento nas despesas é decorrente do impacto financeiro plurianual das violações. Além da ampliação de regulamentações e do complexo processo de resolução de ataques criminosos.

Além disso, o estudo observou um aumento no número de dias para identificar a violação de dados. Subiu de 240 para 250.

“Organizações enfrentaram a perda ou o roubo de mais de 11,7 bilhões de registros nos últimos três anos. Precisam estar cientes do impacto. Seja financeiro e de reputação”, diz João Rocha, diretor de cybersecurity da IBM Brasil.

“Mais do que nunca, empresas de todos os tamanhos e setores precisam se prevenir e se concentrar em como gerenciar esse risco e reduzir esses custos.”

Os ataques cibernéticos

Além do impacto geral dos cibercrimes, o estudo também mapeou consequências financeiras da violação de dados para pequenas e médias empresas.

Assim, organizações com menos de 500 funcionários sofreram perdas de mais de US$ 2,5 milhões em média. Um montante potencialmente devastador.

Por fim, o relatório também analisou o impacto financeiro de uma violação de dados no longo prazo.

Enquanto uma média de 67% dos custos de violação de dados são percebidos no primeiro ano, 22% acumulam para o segundo. E 11% vão além de dois anos após uma invasão.

Publicações relacionadas

A rede de supermercados Whole Foods é pioneira na venda de orgânicos / Divulgação

Por que a Amazon comprou a Whole Foods

A Amazon anunciou hoje (16/6) a compra da Whole Foods Market por US$ 13,4 bilhões. O negócio representa um reforço na estratégia de lojas físicas da varejista online e uma ameaça a concorrentes como o Walmart. Quando surgiu em 1994, a Amazon era um site de vendas de livros. Com[…]

Leia mais »
A Neurotech usa o reconhecimento facial para combater fraudes no varejo / Divulgação

Reconhecimento facial pode ser usado até em pagamentos

Grandes varejistas são vítimas de tentativas diárias de fraude. Com documentos falsos, criminosos tentam tirar cartões de crédito ou conseguir crediários. Segundo Wagner Coppede Jr., diretor de Soluções e Engenharia da NEC no Brasil, são registradas em média 5 mil tentativas diárias de fraude em lojas brasileiras. Para combater esse[…]

Leia mais »