inova.jor

inova.jor

Ataques cibernéticos custam US$ 1,35 milhão para empresas brasileiras

Ataques cibernéticos custam US$ 1,35 milhão para empresas brasileiras
Falhas em segurança dão prejuízo para empresas / Thomas Quine

Em 2019, o custo de ataques cibernéticos no Brasil aumentou 18,93% em relação ao ano anterior. Saltou para US$ 1,35 milhão, em média.

A informação é do estudo da IBM Security, que avalia o impacto financeiro das violações de dados nas organizações.

Segundo a pesquisa, esse aumento nas despesas é decorrente do impacto financeiro plurianual das violações. Além da ampliação de regulamentações e do complexo processo de resolução de ataques criminosos.

Além disso, o estudo observou um aumento no número de dias para identificar a violação de dados. Subiu de 240 para 250.

“Organizações enfrentaram a perda ou o roubo de mais de 11,7 bilhões de registros nos últimos três anos. Precisam estar cientes do impacto. Seja financeiro e de reputação”, diz João Rocha, diretor de cybersecurity da IBM Brasil.

“Mais do que nunca, empresas de todos os tamanhos e setores precisam se prevenir e se concentrar em como gerenciar esse risco e reduzir esses custos.”

Os ataques cibernéticos

Além do impacto geral dos cibercrimes, o estudo também mapeou consequências financeiras da violação de dados para pequenas e médias empresas.

Assim, organizações com menos de 500 funcionários sofreram perdas de mais de US$ 2,5 milhões em média. Um montante potencialmente devastador.

Por fim, o relatório também analisou o impacto financeiro de uma violação de dados no longo prazo.

Enquanto uma média de 67% dos custos de violação de dados são percebidos no primeiro ano, 22% acumulam para o segundo. E 11% vão além de dois anos após uma invasão.

Publicações relacionadas

Marcia Ogawa, da Deloitte, falou sobre 5G no Start Eldorado / inova.jor

5G e internet das coisas são temas do Start Eldorado

O Start Eldorado da quarta-feira (14/11) tratou da quinta geração das comunicações móveis (5G) e da internet das coisas aplicada ao agronegócio. Conversamos com Marcia Ogawa, sócia líder de Tecnologia, Mídia e Telecomunicações da Deloitte, e com Leonardo Capdeville, vice-presidente de Tecnologia da TIM. Você pode ouvir o programa abaixo:[…]

Leia mais »