inova.jor

inova.jor

Fazenda Futuro melhora seu hambúrguer de origem vegetal

Fazenda do Futuro melhora seu hambúrguer de origem vegetal / Divulgação
Hambúrguer é menos defumado, mas continua desmanchando na boca / Divulgação

A primeira versão do hambúrguer de plantas da startup Fazenda Futuro foi um sucesso.

Foram mais de 2 milhões de unidades vendidas, espalhadas em cerca de 4 mil pontos de venda no Brasil, incluindo restaurantes da Lanchonete da Cidade e do Bob’s.

No entanto, apenas seis meses após o lançamento no mercado, o hambúrguer já está de cara nova. Ontem (23/9), a empresa anunciou o Futuro Burger 2.0.

Apesar de usar os mesmos ingredientes de base (ervilha e grão de bico, principalmente), o produto busca corrigir alguns erros cometidos na primeira versão. A busca pelo gosto perfeito de carne continua.

Além disso, a startup também deixou o hambúrguer mais saudável. O 2.0 tem 11% menos calorias e 13% menos gordura.

“Durante os seis meses de operação, nós tivemos um diálogo frequente com consumidores e pontos de venda. Queríamos entender o que precisava ser melhorado no nosso hambúrguer”, disse Marcos Leta, fundador da startup.

Assim, dentre as principais reclamações ouvidas, segundo Leta, estava o excessivo gosto de defumado e a textura. Sem falar da aparência, que ficava um pouco longe de um hambúrguer tradicional.

Assim, não pensaram duas vezes antes de lançar o 2.0 no mercado rapidamente.

“Ao contrário da indústria tradicional, nós temos agilidade para aprimorar nosso produto. Não vamos esperar cinco anos para um novo lançamento”, disse Leta.

“Se a gente não ‘disrupta’, seremos ‘disruptados'”, concluiu o empreendedor

Experimentando o hambúrguer

O inova.jor já experimentou o Futuro Burger 2.0, durante evento de lançamento do produto em São Paulo.

Primeiramente, percebe-se que o gosto de defumado, que lembrava um pouco salgadinho de bacon, foi consideravelmente reduzido.

A startup, claramente, conseguiu balancear com outros sabores de carne.

Além disso, em versões com molhos, o defumado fica ainda mais imperceptível.

No entanto, a textura ainda é um problema. Apesar da aparência estar bem mais suculenta, o hambúrguer continua devendo um pouco nesse quesito.

A carne desmancha na boca e, logo na primeira mordida, já mostra que não é feita de carne de origem animal.

Leta, porém, garante que possíveis problemas nessa versão 2.0 serão arrumados no futuro – que deve ser cada vez mais breve na lógica da Fazenda Futuro. “Vamos adequar o hambúrguer ao nosso cliente”, disse.

Comentários

comentários

Publicações relacionadas

Rodrigo Salvador quer expandir o Passeidireto.com para outros países / Divulgação

Investidores apostam em startups de educação

Apesar da crise econômica, startups brasileiras que atuam no mercado de educação tem despertado o interesse de grandes grupos do setor. No mês passado, o Passeidireto.com, rede social em que universitários compartilham materiais de estudo, anunciou mais uma rodada de investimentos. A Chegg, empresa americana de educação, liderou um grupo de investidores que aportou[…]

Leia mais »
As MPEs tiveram de se digitalizar para enfrentar a pandemia / Pixabay

Por que a digitalização é questão de sobrevivência para MPEs

O empreendedorismo é o motor do crescimento econômico brasileiro. As micro e pequenas empresas (MPEs) representam 30% do Produto Interno Bruto (PIB) nacional, um número expressivo que comprova a força desse segmento para fazer a economia girar. Mas empreender no Brasil nunca foi fácil. Antes da pandemia, segundo o Sebrae,[…]

Leia mais »

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *