inova.jor

inova.jor

Qual é o caminho da digitalização na Soluções Usiminas

Como a Soluções Usiminas está inovando na indústria
Planta da Soluções Usiminas, que busca inovar na indústria do aço / Divulgação

Inteligência artificial, blockchain e internet das coisas são algumas das tecnologias que tem tomado conta dos processos da Soluções Usiminas.

Desenvolvedora de produtos e serviços de valor agregado a partir dos aços fabricados pela Usiminas, a empresa vive a transformação digital.

Afinal, mais do que levar inovação para processos tradicionais, a companhia está reinventando a forma como lida com aço em seu dia a dia.

“Buscamos ter uma mentalidade coletiva de inovação”, disse Ascanio Merrighi de Figueiredo Silva, diretor executivo da Soluções Usiminas.

“Por isso, basicamente, temos um grande propósito de transformação no dia a dia da Soluções Usiminas.”

Para isso, a empresa busca estar perto do colaborador com workshops e plataformas de negócios. O objetivo é conscientizar todos da transformação.

“Nosso objetivo é inserir e colocar a mentalidade da inovação que são características desse novo movimento. Construir soluções em conjunto”.

Transformação na Usiminas

Ascanio Merrighi, da Soluções Usiminas / Divulgação
Ascanio Merrighi, da Soluções Usiminas / Divulgação

São vários os processos inovadores sendo desenvolvidos nas seis plantas da empresa em Minas Gerais, São Paulo, Pernambuco e Rio Grande do Sul.

Primeiramente, destaca-se a tecnologia da visão inteligente, em fase de implementação.

O objetivo é identificar defeitos em chapas por meio de uma inteligência artificial.

Ela registra imagens de produtos com defeitos em um banco de dados e aplica seu conhecimento no processo de produção, substituindo a análise artesanal.

Assim, com esse processo, a empresa ganha em escala e evita perdas.

“Estamos desenvolvendo essa tecnologia, junto com o Instituto de Inovação Senai de São Leopoldo, no Rio Grande do Sul”, comenta Ascanio.

Além disso, a Soluções Usiminas está desenvolvendo um sistema de rastreabilidade por blockchain.

A ideia é que todos os componentes da empresa passem a ser monitoradas para que os materiais sejam encontrados de forma rápida e eficiente.

“É uma tecnologia que permite melhor logística. Teremos conhecimento sobre qual o melhor momento para carregar os caminhões, por exemplo”, afirma o executivo.

Por fim, a empresa destaca o uso de internet das coisas (IoT) na linha de produção.

Será possível acompanhar em tempo real, via smartphone, o funcionamento dos equipamentos.

Assim, isso facilita o processo preditivo, reduzindo custos de equipe e manutenção, com aumento da segurança dos colaboradores nas fábricas.

Destaque

Com essa transformação digital acontecendo na indústria do aço, a Soluções Usiminas começa a ter um vislumbre de como será a indústria no futuro.

Primeiramente, Ascanio destaca que este é um momento crucial no setor.

“Ou você atropela ou é atropelado. Não é uma opção, é uma obrigação”, diz o executivo da companhia.

Mas, segundo ele, há um fator que dificulta toda essa transformação digital: a instabilidade de tecnologias.

“Tem coisas que nem sabemos qual será a relação com nosso negócio, mas se tem alguma gota que nos coloca perto dessa tecnologia, ficamos por perto”, afirma Ascanio.

“Tudo vai mudar e mudar rapidamente. Não sabemos como, mas vai. E queremos seguir essa tendência”.

Publicações relacionadas

Mark Hurd, da Oracle, aposta na nuvem para garantir o crescimento / Renato Cruz/inova.jor

‘A nuvem é mais segura’, diz Mark Hurd, da Oracle

Mark Hurd, presidente mundial da Oracle, considera mais seguro uma empresa contratar seu sistema de gestão empresarial (ERP, na sigla em inglês) na nuvem do que instalá-lo num servidor próprio. “Normalmente, uma empresa tem computadores de vários fabricantes, tem nosso banco de dados e de outros fornecedores, tem de administrar[…]

Leia mais »
Pimentel (e.) e Trajano (c.) falam sobre mentoria para empreendedores no inova.jor cast

BBX oferece mentoria para pequenas e médias empresas

A BBX foi criada para oferecer mentoria a empresas que já são maiores do que aquelas atendidas pelo Sebrae, mas que ainda não têm porte para contratar as grandes consultorias. Rodrigo Pimentel, CEO da BBX, e Toni Trajano, CEO da Soluciona, conversaram sobre o tema com o jornalista Renato Cruz[…]

Leia mais »