inova.jor

inova.jor

Como o analytics pode agilizar o planejamento financeiro

Como o Analytics pode agilizar o planejamento financeiro
Planejamento financeiro pode ir além do Excel / Ken Teegardin

Estamos no último trimestre do ano e 2020 já é quase uma realidade.  Embora ainda tenha muito a ser feito, definir investimentos e decisões estratégicas para o próximo exercício fiscal é essencial. 

Seja lá qual for o negócio ou o tamanho dele, orçamento, previsões e planejamento estratégico financeiro são fundamentais para qualquer empresa.

Afinal, eles ajudam a traçar as melhores estratégias e perspectivas de negócios.

Equalizar todos os pontos, lidar com as especificidades de cada área e com o volume exorbitante de informações, é sempre um desafio.

Por isso, para quem é da área financeira ou de controladoria, esse período é sinônimo de correria e até mesmo de muita enxaqueca.

Cabo de guerra

Como o Analytics pode agilizar o planejamento financeiro
Celso Oliveira, da MicroStrategy / Divulgação

De um lado o board, cobrando por reduções de custos e mais efetividade financeira.

Do outro, as áreas de negócios, com suas necessidades, brigando pelos seus budgets e prioridades. 

Aliás, nem sempre esse é um problema exclusivo de controllers.

Profissionais de áreas que necessitam estabelecer um planejamento estratégico financeiro, tal como marketing, vendas, recursos humanos, produção, planejamento estratégico e tantas outras, também enfrentam esse dilema.

Seria redundante dizer o quão crucial e estratégico é esse trabalho e o tamanho da importância de uma gestão eficiente dos processos de planning, budgeting, forecasting & consolidation.  

Transformação digital

Se não bastasse a habitual correria, assim como outras áreas, o setor de finanças também está sendo impactado positivamente pelas mudanças da transformação digital.

Isso proporciona que equipes de planejamento estratégico financeiro encontrem formas de aproveitar todas as informações, alternativas e cenários what-if.

E ainda descobrir qual será o impacto das decisões de hoje sobre os resultados de amanhã.

Mas, qual é a melhor forma de abordar de maneira colaborativa, segura e ágil o processo de organizar, aprovar, revisar e simular o planejamento estratégico financeiro de uma empresa? 

Será que os dados e o analytics fazem mesmo a diferença no mundo de um gestor financeiro?

Planejamento além do Excel

A primeira coisa que vem à memória da maioria das pessoas quando o assunto é planejamento estratégico financeiro são as planilhas em Excel.

Essas ferramentas são sem dúvida as mais comuns entre as empresas.

No entanto, fatores relacionados a erros de fórmulas, datas, versões, falta de integração e históricos etc., atrapalham o dia a dia de quem está à frente das finanças, não permitem produtividade e até colocam em risco o resultado final.

Outra questão é que para a área corporativa, esse tipo de ferramenta não oferece recursos importantes, como rastreabilidade, confiabilidade segurança.

É algo que para os gestores de finanças é essencial, especialmente por conta de consolidações financeiras, relatórios, entre outros pontos.

A boa notícia é: hoje há soluções eficazes e menos complicadas, que automatizam e permitem uma abordagem analítica, de maneira visual.

E, o que é melhor, sem depender da área de tecnologia. 

Abraçando a tecnologia

As ferramentas específicas como as de Corporate Performance Management são importantes. E se forem integradas com bussiness intelligence e analytics

Melhor ainda. Há uma série de tendências em analytics que estão revolucionado a área financeira.   

É possível criar simulações, além da projeção de indicadores de performance (KPIs, na sigla em inglês).

Também se consegue quantificar e projetar o impacto das vendas, lucratividade, margens e produtividade.

Tudo isso sem lidar com soluções distintas, transferência de dados ou precisar criar novas e onerosas bases de dados para gerar relatórios, integrando passado e futuro.

Essas soluções proporcionam aos analistas insights em tempo real, algo que aperfeiçoa o desempenho financeiro e impacta no aumento da lucratividade, permitindo assim um melhor aproveitamento das oportunidades de crescimento que surgem.

A vantagem dessas ferramentas mais elaboradas é a de personalizar o planejamento estratégico financeiro de acordo com a situação.

No caso de despesas complexas, como as de viagem, dá para fazer previsões e cruzar informações por rotas, por valores, quanto custará aquele trecho em determinada data e por aí vai.

Ou seja, consegue colocar as justificativas e variáveis.

Conhecimento e planejamento

E falo isso com conhecimento de causa e por todos os planejamentos com os quais já me envolvi.

Receber uma visão consolidada dos negócios sob o enfoque BI + CPM permite analisar informações críticas.

Assim, é possível considerar o desempenho alcançado e as diversas opções de cenários futuros e seus impactos no Balanço, DRE e Fluxo de Caixa, embasando fortemente o processo de decisão. 

Estamos falando de agregar inteligência aos processos e negócios. Não só para ser mais preditivo, como para reduzir despesas ou capitalizar oportunidades.

Por isso, pense nisso. Dá para passar pela fase do planejamento estratégico financeiro de uma forma muito menos dolorosa. Existe vida além do Excel. Liberte-se.

  • Celso Oliveira é country manager da MicroStrategy Brasil

Publicações relacionadas

O OCR pode levar a um aumento da produtividade e redução de erros / Alan Clark/Creative Commons

Como robôs leem imagens nos canais de atendimento

Muito tem se falado sobre robotics e suas aplicações na sociedade da transformação digital. Na área de atendimento ao cliente não é diferente. Mas o que são robôs, quando o assunto é call center ou ferramentas multicanais de atendimento ao consumidor? São programas instalados em computadores, que conseguem interagir com[…]

Leia mais »
Há milhares de aplicações de negócios do machine learning que ninguém ainda explorou ou descobriu / Mo Riza/Creative Commons

Quando os robôs assumem o controle

Assim como as governantas robôs, os carros voadores e as casas flutuantes dos desenhos animados futuristas das décadas de 1980, a inteligência artificial é uma promessa de longa data, que permaneceu no imaginário e fora de nosso alcance por décadas. O lado bom da história é que ainda não fomos[…]

Leia mais »